Baixas temperaturas

Com a chegada do frio, cães e gatos precisam de cuidados específicos

Cobertores, caminhas, casinhas, roupinhas, várias são as opções as quais os tutores podem recorrer para proteger os animais do frio

Mylene2401/Pixabay
Mylene2401/Pixabay

A chegada do frio demanda cuidados específicos com os animais por parte de seus tutores. Para que não fiquem desconfortáveis e passem frio, correndo risco até mesmo de adoecer, cães e gatos precisam ser protegidos das baixas temperaturas.

O professor Bruno Soares, coordenador de medicina veterinária do UniBH, explicou à Revista Encontro que os animais mudam seu comportamento por conta da temperatura e abordou os cuidados necessários aos cães e gatos.

Segundo ele, cães de pelo curto sentem mais frio. No entanto, todos eles precisam de cuidados nesta época do ano. “Os cães ficam mais quietos, apáticos, enroladinhos e com o focinho entre as patas. Existem situações extremas onde eles ficam tremendo ou latindo, principalmente à noite”, disse.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Os cuidados, porém, não devem se restringir apenas aos cães. A ideia de que gatos são independentes a ponto de não precisarem ser cuidados é equivocada. Durante o frio, eles também buscam locais mais quentes para dormir e o tutor deve estar atento a isso.

No caso de animais que vivem no quintal, é importante oferecer casinhas secas e quentes, com cobertores ou similares. O abrigo deve ser protegido do vento, do frio e da umidade.

Roupinhas também podem ser usadas em animais que se sentem confortáveis com isso – já que alguns deles ficam incomodados e estressados com esses acessórios. Assim como o tutor deve respeitar a vontade do animal que se sente mal com roupas, é importante também evitar peças com apetrechos que podem ser arrancados e ingeridos pelos cães e gatos.

No frio, a tosa higiênica para animais que dela necessitam deve ser mantida. Sem esse procedimento, doenças causadas por micróbios podem surgir. É essencial, também, secar bem o pelo do animal após o banho.

Evitar locais onde há muitos animais também é importante neste período. A medida, que ainda favorece o combate ao coronavírus por conta da transmissão da doença em aglomerações humanas, é benéfica para os animais, já que a transmissão de doenças respiratórias caninas e felinas pode ocorrer durante o contato entre um animal com o outro. Caso o animal contraia uma doença do tipo, secreções nasais, tosses, espirros e febres estão entre os sintomas que podem servir de alerta para uma necessária visita ao veterinário. Neste contexto, cabe lembrar que cães e gatos não transmitem coronavírus às pessoas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui