Final feliz

Onça atropelada por carro é devolvida à natureza em MG

Foto: Juliana Mori / Arquivo Pessoal
Foto: Juliana Mori / Arquivo Pessoal

O pequeno filhote de onça-parda atropelado por um carro em Unaí (MG) finalmente foi devolvido ao seu habitat. Ele sofreu uma lesão pulmonar e ficou seis dias internado em tratamento. A luta para salvar a vida do filhote foi marcada por muito carinho, respeito e dedicação de diversos profissionais.

A oncinha foi resgatada após o próprio motorista que a atropelou pedir socorro. A soltura da onça contou com uma grande operação conjunta entre o Instituto Estadual de Florestas e a Polícia Militar e contou com o apoio da Polícia Ambiental e da médica veterinária Juliana Mori.

Cuidados intensivos

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Três veterinários se esforçaram para salvar a vida do filhote de onça-parda. A mobilização em prol do animal, no entanto, não se restringiu aos profissionais da área da saúde, mas incluiu também policiais que realizaram o resgate após um atropelamento. O motorista envolvido no acidente foi quem acionou a Polícia Militar.

A onça estava agonizando quando foi salva. De acordo com a veterinária Juliana Mori, trata-se de uma fêmea com cerca de seis meses de idade.

“Ela teve escoriações superficiais e apresentou uma contusão pulmonar, diagnosticada por exame clínico e de ultrassom. A lesão faz com que a capacidade pulmonar dela seja reduzida, ela poderia ter dificuldades para caçar, por exemplo, já que é uma atividade que exige que ela corra”, disse ao G1.

A veterinária contou com o auxílio do anestesista Wilson Alcebíabes e do clínico geral Antônio Guilherme Ribeiro, clínico geral. “Além dos equipamentos de proteção normais, usamos a contenção química, para sedar e permitir que o animal seja examinado, com objetivo de garantir segurança durante o atendimento. Nesse caso, usamos ainda medicamentos analgésicos, anti-inflamatórios e antibióticos”, explicou Juliana.

Segundo a profissional, lesões no pulmão costumam ser curadas em poucos dias em cães e gatos. Em uma onça, porém, não é possível prever. No entanto, por ser um animal jovem, a recuperação pode ocorrer de melhor forma.

Até que esteja apta a voltar à natureza, a onça-parda ficará no quartel da PM. “Quando um animal silvestre se deixar capturar é porque está muito ferido. Por isso, quando chegam até nós, muitos não sobrevivem. A sensação de poder tratar deles e devolvê-los de volta à natureza é única, é muito gratificante”, afirmou a veterinária.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

1 COMENTÁRIO

  1. Por coincidência, publiquei há 2 dias a foto do meu desenho do Pitã, oncinha também que foi recuperada pela equipe da Marcia Rodrigues do Corredor das Onças. Pitã passou por muitas cirurgias para curar-se de 8 fraturas nas patas. E conseguiram!

    A oncinha de Unaí, que recebeu este tratamento excelente, vai poder se virar sozinha com 6 meses apenas?
    A chance dela encontrar a mãe é grande?
    Fiquei com esta aflição. Agradeço se alguém puder responder, Angela Leite

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui