ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

Superação

Tratamento e amor fizeram cadela com cinomose voltar a andar

20 de março de 2010 às 13:31

A superação da cinomose motivou os voluntários da organização não-governamental (ONG) Vira Lata Vira Vida a trocar o nome da cadelinha Pretinha por Vitória. Ela é uma dos cerca de 440 cães que a entidade mantém em um abrigo na cidade.

A doença foi diagnosticada em novembro. Vitória ficou 60 dias internada no ambulatório do abrigo e perdeu os movimentos das patas posteriores. Não andava mais. Segundo a presidente da ONG, Miriam Miranda, em situações como essa, muitas vezes é recomendado o sacrifício, mas o grupo não desistiu e comprou uma cadeira de rodas para ela.

A voluntária Patrícia Chaves, 38, ressaltou que o abrigo é completamente contra o sacrifício dos cães e disse que os tutores dos animais precisam fazer o tratamento para salvar o animal. “Além de Vitória, outros cinco casos de cinomose foram diagnosticados no canil. Somente ela teve sequela grave”.

Com o tratamento adequado, uso de vitaminas, antibióticos, suco de quiabo (rico em vitamina A, C, Cálcio Ferro e Fósforo) e mel, Vitória conseguiu se recuperar, mas não podia mais andar, segundo Luciana Girela Zanfelicio, 24, uma das veterinárias do abrigo. Ela comentou sobre o caso com uma veterinária de Rio Claro, que ofereceu o tratamento de acupuntura para tentar recuperar os movimentos de Vitória.

Na primeira sessão ela começou a movimentar as pernas e há um mês voltou a andar. Ainda cambaleando, Vitória consegue brincar com seus amigos do abrigo. Ela já fez cinco sessões de acuputura. É a própria Luciana que a leva para o atendimento na cidade vizinha.

Na clínica Natural Vet, Vitória também faz fisioterapia e deverá também passar por sessões de aquoterapia. “Ainda não há um prazo para isso acontecer, porque ela continuará por tempo indeterminado fazendo a acupuntura.

O exercício na água poderá ajudar a fortalecer os músculos das patas posteriores que foram afetados pela doença. Também faz parte do tratamento o uso de um medicamento fitoterápico”.

DOENÇA. A veterinária Patrícia Gomes Wehmuth, 29, também atua no abrigo e explicou que a única forma de evitar a doença é a vacinação anual. “Muitas pessoas acham que é só contra a raiva que é preciso vacinar os cães, mas com cinomose o cuidado deve ser o mesmo”, orientou.

A cinomose é transmitida por vírus, afeta o sistema neurológico e reduz a imunidade do cão. Com isso, bactérias oportunistas podem provocar infecções nos órgãos, principalmente nos pulmões.

De acordo com a voluntária Patrícia Chaves, a cadeira de rodas que foi utilizada por Vitória ficará no abrigo e poderá ser emprestada a outros abrigos de cães que precisarem do equipamento, que é caro. “Poderemos emprestar essa cadeira que foi construída por um protetor de animais do Rio de Janeiro para as instituições de proteção que precisarem”, afirmou.

A ONG continua precisando de rações para alimentar os cerca de 440 cães. As doações podem ser entregues na rua Boa Morte, 1.622, Centro. No local também é possível adquirir camisetas e produtos da ONG. Toda a renda é revertida para a compra de ração e medicamento para os animais e na manutenção da estrutura do abrigo.

Mais informações e informações sobre doação de animais podem ser obtidas pelo telefone (19) 9831-1929.

Fonte: Gazeta de Piracicaba

  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Patricia Marx

patricia2

Sinto-me uma pessoa muito afortunada por ter encontrado pessoas tão bondosas neste mundo. Encontro-me hoje no lugar cert

Patricia Marx
Cantora

Cantora

Flávia Lippi

braços abertos

De todas as violências que sofremos, as que cometemos com mais frequência são as que cometemos contra nós mesmos. Nessa

Flávia Lippi
Jornalista, empresária e empreendedora social

Jornalista, empresária e empreendedora social

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: