ÚLTIMAS NOTÍCIAS:
  • Compartilhe

Texto

Primeiros socorros

Saiba como ajudar gatos feridos ou doentes

08 de fevereiro de 2010 às 11:16



Foto: Reprodução/Catarina de Todos Nós



Por nos depararmos tantas vezes com um animal ferido na rua ou porque o nosso bichano também, não raras vezes, pode apresentar ferimentos preocupantes, seguem algumas dicas:
 
Como se aproximar de um gato ferido?
  
A aproximação de um gato (ou qualquer outro animal) ferido deve ser feita com cuidado, pois o fato de estar assustado e sofrendo pode desencadear nele reações de defesa que podem levá-lo a nos morder ou arranhar. 

1º Verifique se o animal está consciente ou inconsciente. Caso esteja inconsciente , mas respire, deite-o sobre seu lado direito, com a cabeça inclinada para trás e ligeiramente mais elevada em relação ao corpo, além de cobrir o animal para manter sua temperatura corporal. Se o animal não respira tente a reanimação boca-nariz (a sério!) e leve-o de imediato ao veterinário. 

2º Veja se o animal está sangrando ou se há sangue no chão. Para estancar uma hemorragia externa pressione diretamente o local da ferida, coloque um pano com gelo no ferimento ou faça uma atadura no local, com força. Se a hemorragia não estancar, leve o animal ao veterinário imediatamente, tentando manter o gato o mais imóvel possível. 

3º Observe se há ferimentos como queimaduras, golpes, perfurações, contusões ou ossos partidos. Como primeiro socorro e caso trate-se de um ferimento superficial, use água ou água oxigenada para limpar a ferida. Quando estiver limpa e seca, aplique uma pomada ou pó antibiótico e cubra a ferida com uma gaze porque os bichanos tendem a lambê-las, prejudicando a cicatrização.

4º Verifique a respiração do animal – se é normal, difícil (rápida ou curta) ou inexistente. Para proceder a reanimação em caso de o animal não respirar, deite-o sobre o lado direito e incline sua cabeça para trás, mantendo a boca fechada. Coloque uma compressa sobre o nariz do animal (por uma questão de higiene) e empurre o ar para dentro algumas (poucas) vezes, tendo em conta que o bichinho tem uma capacidade pulmonar pequena (20 a 30 respirações por minuto).

5º Se o animal estiver em estado de choque, prostrado, com pulsação fraca, gengivas descoradas, respiração rápida, corpo frio, etc, procure mantê-lo quente, cubra-o e leve-o, de imediato, ao médico.

Como tranquilizá-lo se estiver agressivo?

 É fácil verificar se um gato está agressivo, já que apresenta os seguintes sinais: sopra de boca aberta, arreganha os dentes, espeta as orelhas para trás, mostra as pupilas dilatadas, eriça o pêlo ou abana furiosamente toda a cauda. A abordagem a um animal ferido deve ser calma. Deve-se falar com ele de modo suave e quase sibilino.

Se ele não reagir mal, devemos afagá-lo na parte de trás da cabeça e “coçar-lhe” as orelhas com suavidade. Se ele estiver imóvel, ver se a posição em que se encontra é confortável e segura, deitando-o sobre o lado direito, como já foi referido.  Esta posição facilita a circulação de ar nos pulmões, impede que a língua se retraia e provoque asfixia, permite também visualizar melhor a respiração e pulsação do bichano. 

Se parecer que o animal está frio, enrole-o em um cobertor. Se parecer muito quente ou ofegante, recorra a um ventilador para refrescá-lo. 

 O que verificar em um animal ferido?

– As gengivas: se estiverem brancas ele pode estar em estado de choque ou ter alguma hemorragia interna. Vá imediatamente ao veterinário.

– Passe a mão pelo corpo do gato para ver se há alguma ferida, inchaço ou alguma dor. Veja se algum dos membros doem, se estão inchados, ou se algum está deslocado – é importante descartar a possibilidade de fratura ou deslocamento.
– Coloque o gato de pé, para ver se ele consegue andar sobre as 4 patas, ou apenas sobre 3, por exemplo. Se tremer ou miar com sofrimento, respirar com esforço, ou recusar-se a fazer algum movimento, leve-o ao veterinário, coberto por um cobertor – por causa do choque. 

– Como nota final, é importante saber qual é a forma adequada de segurar um gato. De um modo geral, segurá-lo pela pele do pescoço com uma das mãos (como as mães fazem com os gatinhos, com a boca) faz com que fique imobilizado com segurança. Com a outra mão, rodeie-lhe o peito e os ombros. Se não conseguir, o melhor é envolvê-lo em um cobertor ou uma toalha, deixando exposta apenas a parte do corpo que seja necessário tratar. 

Fonte: Catarina de Todos Nós
  















  • Compartilhe

  • Imprimir Imprimir
  • Comunicar Erro

Enviar para um amigo
Comunicar erro

eu apoio a anda

Suprema Mestra Ching Hai

SMCH+3

O prêmio de Compaixão Mundial foi concedido em reconhecimento às brilhantes conquistas da Agência em informar o mundo do

Suprema Mestra Ching Hai
Líder mundial humanitária

Líder mundial humanitária

Janine Borba

Janine Borba

Dizem que quem não gosta de samba bom sujeito não é, pois eu acho que quem não gosta de bichos bom sujeito não é! Eu que

Janine Borba
Jornalista e apresentadora

Jornalista e apresentadora

Veja todos os depoimentos »

Facebook
Você é o repórter
Siga a ANDA: