Pare a exportação de animais vivos

1.234

23/12/2017 às 21:30
Por Redação

A população brasileira recentemente teve conhecimento por matéria amplamente veiculada na imprensa sobre a exportação de gado vivo pelo Porto de Santos, com 27.000 animais para uma viagem de, no mínimo, 15 dias até a Turquia, onde ao final da longa e cruel viagem de horror serão brutalmente assassinados, já em território estrangeiro.

Após centenas de quilômetros transportados por terra (em condições insalubres e sem atendimento às regras mínimas de bem-estar), os animais começaram a ser embarcados no Porto de Santos no dia 29.11.17, tendo sido concluído o embarque no dia 04.12, ou seja, após 6 dias e, repita-se, sem absolutamente nenhuma norma de bem-estar atendida.

Também foi noticiado que mais exportações de GADO VIVO estão programadas para o Porto de Santos no ano vindouro nas mesmas condições, bem como outros navios com gados VIVOS também estão programados para saída do Porto de São Sebastião.

A EXPORTAÇÃO DE GADO VIVO É UMA ATIVIDADE ILEGAL E INCONSTITUCIONAL, sendo uma GRAVÍSSIMA AFRONTA ÀS LEIS VIGENTES EM NOSSO PAÍS.

Isto porque maus-tratos é CRIME previsto na Lei Federal 9.605/98 e o abuso aos animais começa no transporte terrestre e se prolonga em águas jurisdicionais brasileiras. Além do deslocamento marítimo ser feito em um ambiente insalubre (grande quantidade de animais amontoados sem o mínimo espaço, defecando uns sobre os outros, em local com altas temperaturas e contaminado pelas fezes, sem assistência veterinária), estes ainda sofrem abusos terríveis nos matadouros estrangeiros, conforme informa a ONG Animals International para a América Latina e a médica veterinária australiana Lynn Simpson que trabalhou 10 anos em embarques e viagens de animais vivos a partir da Austrália.

Um navio com animais vivos saindo de qualquer parte do mundo nestas condições, como AGORA ESTÁ ACONTECENDO NO BRASIL, apresenta a mesma REALIDADE CRUEL e brutal, fato omitido pelas autoridades brasileiras por razões meramente comerciais. ISTO É INADMISSÍVEL!

Assine a petição clicando aqui.