Olhar literário – Laerte Fernando Levai

Poetas pelos animais

Costuma-se dizer que a arte imita a vida. Ou, então, que a vida imita a arte. Controvérsias à parte, o fato é que os poetas transitam etéreos, entre a arte e a vida, buscando na fonte de seus sentimentos mais profundos as palavras que lhes habitam a alma. Neste artigo são apresentados versos de poetas brasileiros – alguns mais, outros menos conhecidos - que lograram tocar, com singular sensibilidade, em temas significativos à causa animal.
Tao do bicho – Paula Brügger

Prêmio Espúrio

Causou profunda indignação, a todos que tiveram notícia, a outorga do Prêmio Fritz Müller, pela segunda vez, ao consórcio ENERCAN (Hidrelétrica de Campos Novos), integrado pelos grupos CPFL, Camargo Corrêa, Votorantim, Companhia Brasileira de Alumínio e CEEE, pela sua “exemplar conduta ambiental”. Segundo Sérgio Grando, presidente da FATMA [1], “o troféu é conferido às empresas e entidades públicas e privadas que se destacam por suas ações em defesa da natureza e da qualidade de vida dos catarinenses” (sic). Enquanto destroem as últimas áreas expressivas de floresta de araucária e desalojam mais de 700 famílias, que ainda lutam por indenizações justas, tais empresas encobrem suas atividades predatórias sob ações que visam tão somente “maquiar de verde” a devastação que promovem (...)
Vanguarda abolicionista – Marcio de Almeida Bueno

Os animais escolheriam alguma religião?

Então passou a tal da Páscoa, e muitos colocaram 'Feliz Páscoa' e 'Páscoa é renovação' em seus MSN, mas juro que me esforcei para achar, em meio ao tradicional agito que antecede o pacote data-comemorativa-feriadão-comilança, algum brilho que não fosse ouro de tolo. Para os animais, foi somente mais uma subida na montanha-russa do gráfico dos abatedouros, com caminhões extra levando peixe 'fresco' para as feiras promovidas pelas paróquias ou prefeituras - já que na Sexta-feira Santa não é permitido comer carne, somente peixe... Se os animais tivessem religião, será que eles escolheriam uma fé que inclui a Páscoa?
David Olivier - Tradução: Anna Cristina Xavier

O paladar e o assassinato

A  liberação animal é um movimento importante nos países anglo-saxônicos, e seus modelos éticos são mais discutidos e populares do que na França. Apesar...
Jaime Chatkin

Uma Atribuição Esquecida?

Atuando como Promotor de Justiça há mais de 17 anos, confesso que poucas vezes me deparei com situações mais aviltantes do que aquelas referentes ao tratamento dispensado pelo humanos aos seres de outras espécies.Animais inofensivos apinhados em canis municipais para serem mortos pelo simples fato de não terem um “dono”; animais retirados de seu hábitat ...
Gary L. Francione - Trad.:Regina Rheda

A grande ‘vitória’ do novo bem-estarismo

Tenho argumentado, em meu trabalho, que os defensores dos animais não deveriam gastar seu tempo e recursos em campanhas centradas em um só tema porque, enquanto não houver uma base política a favor de abolir a exploração animal, não pode haver esperança realista de se adotar uma legislação que vá proteger significativamente os interesses dos animais por meio da proibição de diferentes formas de exploração animal.
Estiva Reus - Trad.: Nicolau Kouzmin-Korovaeff

Senciência!

Um neologismo necessário? Nos textos que seguem, não introduzimos o neologismo «senciência». Creio que no futuro dele faremos uso e tentaremos popularizá-lo, da mesma forma que o adjetivo associado («senciente»). É que em português nos falta uma palavra para designar a coisa mais importante do mundo, talvez a única que importa: o fato de que certos seres têm percepções, emoções e que, por conseguinte, a maioria dentre eles (todos?) têm desejos, objetivos, uma vontade que lhes são próprios. Como qualificar esta faculdade de sentir, de pensar, de ter uma vida mental subjetiva?
João Epifânio Regis Lima

Identidade, ideologia e antropocentrismo

Estamos todos habituados, infelizmente, ao jargão antropocêntrico que afirma a superioridade humana sobre os outros membros da natureza. Tal antropocentrismo, compreensível até certo ponto por estarmos imersos em nossa própria humanidade – se bem que nem sempre justificável – perde-se no tempo e faz-se presente em todas as culturas, com algumas poucas exceções episódicas louváveis.
Sônia T.Felipe

Da farra-de-homens mal-acostumados, contra bois indefesos

Do boi e do homem voltamos sempre a falar, no Estado de Santa Catarina, a cada ano, com a aproximação das festas da ressurreição. Sempre a pretexto de se preservar a cultura e a tradição açorianas, trazidas para a Ilha de Santa Catarina, aficcionados cidadãos, rasgando a Constituição e ridicularizando a ética e a justiça, reúnem-se, levando crianças, tão vulneráveis à violência e à morte como o boi, para correr atrás de um boi em estado de pânico.
Capitão Paul Watson

O fim da caça comercial às focas canadenses está à vista

O sinal mais certo de que o horror da matança comercial de filhotes de focas Harp acabará em breve é o fato de que em uma ação desesperada e furiosa, políticos e burocratas aumentaram, essa semana, a cota de matança de focas Harp de 55.000 para 338.000. O Canadá pretende, ainda, matar 55.000 focas Cinza e 8.500 focas Hood.