Nutrição vegetariana – George Guimarães

O mito da proteína

Mas de onde você tira suas proteínas? Esta pergunta parece ser, para aquele que a faz, o único argumento necessário para enfrentar o vegetarianismo. As pessoas em nossa sociedade parecem ser obcecadas por proteína, mesmo aquelas que sequer sabem definir o significado da palavra. No entanto, a proteína é um dos nutrientes mais fáceis de serem obtidos.
Vanguarda abolicionista – Marcio de Almeida Bueno

Ovelha

Esses dias, remexendo jornal guardado para forrar o banheirinho dos gatos, li a seção de cartas de um periódico, onde um leitor indignado reclamava do transporte feito pela FAB de 300 pinguins que haviam se perdido e tinham desembarcado na Bahia, sendo então trazidos aqui para o Rio Grande do Sul. Ou algo assim. Dizia que, frente às filas do SUS e blablablá, “era uma afronta ao cidadão brasileiro”.
Direitos animais – Bruno Müller

E as plantas?

Começando a tratar, portanto, das questões mais recorrentes que vegetarianos e veganos enfrentam, quero tratar de uma das mais populares entre os onívoros. Uma pergunta que sempre aparece, com variações: “mas e as plantas? Elas também não sentem? Por que devemos ter compaixão pelos animais e não por elas?” Por mais absurda que seja a questão, e por mais que eu esteja convencido de que ela raramente é posta com propósito sincero, vale a pena se debruçar sobre ela, até para demonstrar a desonestidade de quem a coloca.
Olhar literário – Laerte Fernando Levai

Fernando Pessoa: o amante visual

Ele dava asas à imaginação como quem tenta fugir da realidade que, a um só tempo, seduz e oprime. Dizia que ninguém compreende o outro. Somos, segundo suas palavras, náufragos da paixão: “Corre entre nós o rio que nos define e separa”. Como vasos partidos, vivemos estilhaçados entre mentiras e traições. Por isso nenhum amor carnal redime, porque o amar é a eterna inocência do querer. Amar o amor. Encanto que permanece encanto se não for quebrado. Fonte inesgotável de inspiração. Flor de silêncio e plenitude. Amor sincero. Sincero amor. Era tudo o que buscava esse poeta obcecado pelo olhar interior, amante visual do belo e das expressões secretas da Natureza.
Faltou falar! – Paula Schuwenck

Da inocência ao assassinato

Basta o mínimo de convivência com uma criança para saber que é nas ações dos adultos que ela se espelha para pensar e agir. São como esponjinhas sem filtros, já que ainda não há experiência suficiente para diferenciar o ruim do bom, entender o que é certo e errado. Pensando nisso, enquanto adultos, devemos servir de exemplo e referência para sua formação, suas escolhas e seu futuro, certo? Ok, então alguém pode me explicar quando alguns preferiram por ensinamentos de tortura e assassinato?
Eu sou animal – Dagomir Marquezi

A favor da caça

A caça faz parte da natureza. Leões caçam antílopes, onças caçam capivaras, sucuris caçam roedores, aranhas caçam moscas. Se todos esses animais caçam, por que não o ser humano? Mas algumas regras precisam ser modificadas. Para sair à caça, o homem tem que usar apenas suas armas naturais: pernas, braços, mãos e dentes. Quer caçar, pegar um passarinho? Vá atrás. Suba em árvores, salte no vazio. Arrisque-se a quebrar uma perna. Você não queria caçar?
Olhar literário – Laerte Fernando Levai

Sentimentos de Drummond

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) é uma unanimidade na literatura brasileira. Traz em si o dom de escrever e a sensibilidade à flor da pele. Um olhar atento para a vida e o tempo e as gentes. Com sua sede infinita soube amar a nossa imensa busca do amor. Cantou a terra e as suas memórias, os rostos imóveis, campos de flores, o sonho de um sonho, a fragilidade e a incerteza, a melancolia. Singelo, lírico ou social, Drummond soube compreender a missão daqueles que buscam transformar o mundo pela arte.
Educação e desenvolvimento – Henri Kobata

Os sonhos pelos desejos, eles se quebraram

Comecei a descobrir a fantástica capacidade de sonhar do ser humano quando era menino e estudava música. Da mesma música nasciam sonhos diversos, grandes, pequenos, singelos ou grandiosos. Alguns se concretizariam, outros continuariam assombrando ou inspirando durante toda a vida e muitos seriam esquecidos e deixados pelo caminho. Eram os sonhos de cada um.
Vanguarda abolicionista – Marcio de Almeida Bueno

Os cavalos nasceram para tração

Essa foi uma frase que ouvi recentemente, justamente de uma pessoa preocupada com os maus-tratos que a grande maioria dos cavalos sofre por ocasião de sua labuta diária puxando carroças. No seu entender, havia uma troca de trabalho por comida e cuidados, nos casos em que o carroceiro tem bom senso. Não concordei.
Selma Egrei

A gente caminha para uma consciência mundial maior

Seja por questões relacionadas ao meio ambiente, aos animais, ou ao bem-estar da humanidade, a atriz paulistana Selma Egrei é objetiva: sou vegetariana. Há...