quinta-feira, novembro 14, 2019
Luisa neves

A exploração de animais também acontece fora dos laboratórios

Desde a madrugada do dia 19 de outubro, em que ativistas invadiram o Instituto Royal, em São Roque, São Paulo, para resgatar os 178 beagles, as opiniões se dividem a respeito de testes com animais. De um lado, os defensores dos cachorrinhos dizem que há métodos substitutivos para fazer os experimentos. De outro, os cientistas insistem que é impossível fazer ciência sem o uso de cobaias. Todo método que use de crueldade para qualquer ser vivo, não justifica a causa, ainda que seja em benefício da saúde humana. Existem outras maneiras de testar medicações e cosméticos, como métodos matemáticos e computacionais. Se um algoritmo daria conta de prever os efeitos de uma droga no organismo canino, por que os institutos de pesquisa insistem em causar sofrimento nos cães?
Lobo Pasolini

O horror do transporte de animais vivos

Muita gente pensa que eu sou vegano porque eu tenho horror ao matadouro. De fato, eu tenho horror ao matadouro, a essa ideia de morte sistemática, industrializada, mecanizada - como chegamos a esse ponto? Mas o matadouro é apenas o ponto final de uma sentença de tortura, de destruição de qualquer dignidade que um ser vivo pode ter. O matadouro é o ritual final da domesticação, o rito mais explícito de uma cultura de violência.
Centro Vegetariano

Veganismo

O vegano defende que o homem deve viver autonomamente, sem depender de outras espécies animais.Por outro lado, o veganismo é uma filosofia e uma prática de vida de compaixão. Este caminho tem sido seguido por algumas pessoas em todos os tempos da historia da humanidade.
Soluções Vegetarianas - Melissa Martin

Ativismo eficiente: aprendendo com meus erros

Como ser mais eficiente como um ativista pelos direitos dos animais? Isto é uma pergunta muito importante para salvar mais animais. Para mim, realmente,...
Amoroso e Rosendo

A linguagem da dominação

A sociedade em que vivemos se organiza em diversas cadeias de exploração. Uma delas é justamente aquela que se utiliza dos animais para diferentes finalidades: alimentação, entretenimento, experimentação científica, vestuário... Seja nesta forma mais direta ou por meio da linguagem e semiótica, a exploração animal parece ocupar um lugar central na sociedade, contribuindo para a perpetuação do especismo, ou seja, da ideia de que humanos têm mais valor do que os animais, sendo moralmente justificada sua subordinação.
Educação e Desenvolvimento – Henri Kobata

Sem vida emocional sustentável não haverá planeta sustentável

Parece que o mundo está despertando, ainda que muito lentamente, para as questões do meio ambiente. É verdade que isso está ocorrendo pela força de diversas catástrofes servindo de exemplo sobre o preço a pagar se continuar a alimentar a destruição da natureza. De qualquer forma, as notícias sobre o assunto estão circulando em maior volume.
Valor à Vida - Andresa Jacobs

Humanos entre paramécios e cebolas

Mesmo ciente de que o especismo impera, fico impressionada com as suas manifestações no cotidiano escolar. Em todas as turmas em que trabalho a...
Vanilda Moraes Pintos

Fome de quê mesmo?

Quem estuda geologia sabe: o planeta Terra não é mais o mesmo. Mas isso não é de hoje. A  Terra vem  sofrendo  periodicamente cataclismas que...
Defesa dos Animais – Daniel Braga Lourenço

Quando o guardião humano vai embora

A situação de abandono de animais no interior de casas ou apartamentos é uma ocorrência infelizmente bastante comum e, ao mesmo tempo, lamentável sob todos os aspectos. Os animais ficam privados de alimentação e abrigo adequado e, principalmente, dos cuidados e do carinho necessário.
Eric Slywitch

O que você precisa saber sobre o vegetarianismo

Ser vegetariano, do ponto de vista nutricional, significa apenas não se alimentar de carnes de nenhum tipo. A dieta vegetariana, quando bem planejada, é segura para todas as fases da vida: infância, idade adulta, senilidade, gestação e amamentação.
Bigodes ao léu – Laerte

Gatinha! Eu avisei pra não mexer no meu sax!!

Gatinha! Eu avisei pra não mexer no meu sax!!
Allan Menegassi Zocolotto

Propaganda, bem-estarismo e abolicionismo

Na quase totalidade dos casos, embalagens e propagandas de produtos de origem animal são representativas de um “romantismo rural”. Os métodos de criação ilustrados são aqueles que se praticavam a tempos passados ou em produções de pequena escala, sendo os animais, supostamente, “bem tratados” e mantidos com seus “comportamentos naturais”. O que se vende é a imagem de que os animais vivem e transformam-se em alimento humano, sem horrores ou traumas. Poderíamos até pensar que se trata, tão-somente, de um engano, porém, não é apenas isso. O cerne da questão: mente-se sobre a realidade, e essa mentira passa isenta de críticas.