fbpx
sexta-feira, janeiro 24, 2020
Início Colunistas Direitos dos Grandes Primatas

Direitos dos Grandes Primatas

Microbiologista e empresário, o cubano naturalizado brasileiro Pedro A. Ynterian chegou ao país há mais de 30 anos e sempre foi um admirador de animais, em especial dos primatas.

Sua vida mudou completamente em 1999, quando comprou em um criadouro comercial Guga, um bebê chimpanzé de 3 meses de idade, com a ideia de criá-lo no apartamento que morava em São Paulo. Em pouco tempo ele percebeu que ter um chimpanzé como pet não fazia o menor sentido e esse foi o primeiro passo para a montagem do primeiro Santuário dos Grandes Primatas no Brasil, localizado em Sorocaba.

O resultado foi o grande envolvimento na questão de proteção e defesa dos direitos dos grandes primatas e a filiação ao movimento internacional GAP – Great Ape Protection. As atividades de denúncia, resgate de animais vítimas de maus-tratos e divulgação de informações ganharam muita notoriedade e desde setembro de 2008 o Brasil foi eleito como sede do Projeto GAP Internacional, tendo Dr. Pedro como seu presidente. Atualmente ele ocupa o cargo de Secretário Geral, coordenando as atividades de divulgação do projeto.

No Brasil o GAP tem quatro santuários afiliados, entre os quais o de Sorocaba, que juntos abrigam mais de 80 chimpanzés, entre outros animais resgatados de maus-tratos em circos, zoológicos e outras atividades comerciais.

 

Direitos dos Grandes Primatas - Dr. Pedro Ynterian

Casa nova para Luke

Luke já está beirando os vinte anos. É o irmão mais velho de Guga e de Johnny (este último morador do Santuário do Paraná). Luke é um ser muito especial. Ele vive numa área de mais de 5 mil metros quadrados, com cerca elétrica, sendo livre nesse território dia e noite. Luke morou em um circo até vir para nós. No circo tinha fama de encrenqueiro e deu alguns problemas. Quando fomos buscá-lo para colocá-lo na caixa de transporte, os circenses o levaram amarrado pelo pescoço com três cordas, tamanho era o medo que tinham dele. Se ele era agressivo lá, é porque algo muito ruim foi feito com ele, já que Luke é um amor de chimpanzé.
DIREITOS DOS GRANDES PRIMATAS - DR. PEDRO A. YNTERIAN

Milan Starostik: eles sentirão sua falta

Quando, há pouco mais de 6 meses, redigia a matéria “Uma homenagem dos chimpanzés”, nunca imaginei que tão cedo ia ter que voltar a falar daquele grande homem, que, como poucas pessoas no mundo, soube amar e lutar pelos grandes primatas numa grande parte da sua vida.
Direitos dos grandes primatas - dr. pedro a. ynterian

O “lobby” dos torturadores de chimpanzés

Sabíamos que eles não ficariam calados, inventariam alguma justificativa para voltar a defender o uso de chimpanzés na pesquisa biomédica, que tanto dinheiro rendeu, e ainda rende, a vários laboratórios e centros de pesquisa na América do Norte, que são fartamente compensados pelo uso dos grandes símios em testes invasivos.
Direitos dos grandes primatas - dr. pedro a. ynterian

O exemplo da Costa Rica

A Costa Rica é um pequeno país da América Central; um país singular neste mundo armado até os dentes, que não tem exército e tem uma abundante biodiversidade. A Costa Rica foi importante semanas atrás, quando mostrou que é capaz de disputar a Copa do Mundo de Futebol de igual para igual com as grandes equipes do planeta.
Direitos dos Grandes Primatas - Pedro A. Ynterian

O reino de Alejandra

É difícil entender como os macacos bugios, tão conhecidos por nós na Mata Atlântica, chegam tão ao sul, nas Serras de Córdoba, na Argentina. Porém, no Centro de Primatologia, localizado a pouco mais de 100 km da cidade de Córdoba, 11 grupos de bugios da espécie Alouatta caraya vivem soltos. No total são 140 macacos, mais conhecidos no país irmão como nossos aulladores. Aquele é o “Reino de Alejandra Juarez”, uma professora de História, que 30 anos atrás entrou no Zoológico de Córdoba para fazer sua tese sobre a história do mesmo, como uma peça acadêmica, e ficou lá durante 20 anos, convertendo-se numa observadora e tratadora privilegiada de uma ampla gama de animais que por lá passou - e a maioria não resistiu. Alejandra se envolveu com leões, tigres, pumas e, claro, com chimpanzés. Os felinos encheram seus olhos de lágrimas inúmeras vezes e angustiaram o seu coração, por não poder arrancá-los daquele lugar macabro e levá-los ao seu Reino.
Direitos dos Grandes Primatas - Pedro A. Ynterian

Ocupemos a verdade

Em poucos dias, todos que lutam pelos direitos dos animais, como nós, descobriram o caminho para conseguir os nossos objetivos. Não precisamos ocupar nenhuma praça, não precisamos acampar frente às poderosas financeiras que governam o mundo, não precisamos gastar milhões de reais para fazer-nos ouvir. Nós ocupamos a VERDADE, nossa única arma, que era difícil de ser usada, já que geralmente os que têm as chaves da divulgação da mesma não abrem as entradas para nós. A manifestação de rua realizada no dia 22 de janeiro em dezenas de cidades brasileiras e algumas estrangeiras nasceu de uma raiva contida e de uma consciência cada vez mais coletiva: CRUELDADE NUNCA MAIS, não contra os humanos, que sabem muitas vezes se defender, mas contra os animais, que são seres indefesos em nossas sociedades.
DIREITOS DOS GRANDES PRIMATAS - DR PEDRO A. YNTERIAN

Um nascimento inesperado

Enquanto ainda se recupera das inundações das últimas semanas e após as medidas de emergências que foram tomadas para impedir a destruição das suas instalações, o Santuário de Primatas da Ilha Ngamba, na África, testemunhou um nascimento inesperado: uma chimpanzé ainda adolescente, de nome Kyewunyo, deu a luz a um bebê, mesmo tendo um contraceptivo implantado, que aparentemente não funcionou.
Direitos dos grandes primatas - dr. pedro a. ynterian

Até nos defeitos nos parecemos

Anos atrás, quando ia com o grupo de Guga – cinco chimpanzés – na mata por duas horas para eles brincarem, eu tentava ensiná-los a colaborar no trabalho. Temos um pequeno rio na mata, onde íamos para eles se divertirem. Quando tinha temporais, os galhos invadiam a corrente de água e devíamos desobstruir a correnteza. Eu começava a trabalhar e pedia para eles me ajudarem, porém, a maioria fingia que trabalhava e aproveitava para se esconder ou ir mais longe para brincar. Daquela turma, só Carlos me ajudava mesmo. Mais ou menos o que aconteceria com uma turma de humanos trabalhando, alguns poucos realmente fazendo e a maioria fazendo corpo mole e fazendo hora.
DIREITOS DOS GRANDES PRIMATAS - DR. PEDRO A. YNTERIAN

Primatas cobaias: um exemplo da crueldade humana

Durante mais de 50 anos, centenas de chimpanzés foram torturados – sem misericórdia – em laboratórios de pesquisas biomédicas nos Estados Unidos, financiados pelo próprio Governo do país por meio do National Institute of Health (NIH), que bancava as pesquisas em conluio com multinacionais farmacêuticas.
Direitos dos Grandes Primatas - Pedro A. Ynterian

Um país para os chimpanzés

Pode ser qualificada como utopia, ou uma ideia irracional, ou uma proposta demagógica. Porém, é uma ideia instigante e talvez um sinal de solução para salvar uma espécie condenada irremediavelmente a extinção se algo dramático não for feito nas próximas duas décadas.
Direito dos Grandes Primatas - Pedro A. Ynterian

Um negócio das arábias: "De cassinos a gorilas…"

Agora que temos nos aprofundado mais no conhecimento dos objetivos da Fundação John Aspinall, da Inglaterra, parceira do Zoológico de Belo Horizonte, na união teatral e mercadológica entre o gorila macho Idi Amin e duas gorilas inglesas, começamos a entender o propósito e os negócios que estão por trás de toda esta operação: DINHEIRO! A Fundação John Aspinall tem dois zoológicos na Inglaterra. Em um deles tem um hotel para hospedar os visitantes, ao estilo Animal Kingdon, da Disney na Flórida. Segundo nos contaram, a família Aspinall fez fortuna com os jogos de azar e os cassinos e seus membros são figuras aceitas pela alta classe britânica.
Direitos dos grandes primatas - dr. pedro a. ynterian

Milhares de “Sandras” no mundo agradecem

Pela primeira vez no mundo, um sistema Judiciário, neste caso, o Argentino, reconhece com todas as letras que um grande primata, no caso Sandra, orangotango fêmea que mora no Zoológico de Buenos Aires, é uma pessoa não humana e tem direitos inalienáveis e que devem ser respeitados. A seguir a Sentença da Juíza Dra. Elena Libertori divulgada na semana passada: “Pelo exposto, resolvo: Dar lugar a ação de amparo promovida (neste caso pela organização AFADA) nos seguintes termos: 1) Reconhecer a orangotango Sandra como um sujeito de direito de acordo com a Lei 14.346 e o Código Civil e Comercial na Nação Argentina, enquanto ao exercício não abusivo dos direitos por parte dos responsáveis – a concessionária do Zoológico portenho e a Cidade Autônoma de Buenos Aires; 2) Dispor que os espertos “amicus curiae”, os dourotes Miguel Rivolta e Héctor Ferrari, conjuntamente com o Dr. Gabriel Aguado, do Zoológico da Cidade Autônoma de Buenos Aires, preparem um informe estabelecendo que medidas deverá adotar o Governo da Cidade Autônoma de Buenos Aires em relação a Orangotango Sandra. O informe técnico terá caráter vinculante. 3) O Governo da Cidade Autônoma de Buenos Aires deverá garantir à Sandra as condições adequadas do seu habitat e as atividades necessárias para preservar suas habilidades cognitivas.”