quinta-feira, novembro 14, 2019
Desobediência Vegana - Ellen Augusta Valer de Freitas

A mente seletiva – diferença entre argumentos e ideias convenientes

O livro Mente Seletiva fala de um assunto também estudado por Charles Darwin, a seleção sexual. Ele afirma que muito do nosso comportamento social elaborado, que muito de nossa inteligência pode ter vindo da seleção sexual e não tanto da seleção natural. Atitudes como tocar violino, saber fazer poesia, escrever e apreciar a arte seriam artifícios que fizeram parte da história humana, na escolha do parceiro.
Olhar Literário - Laerte Levai

Jamais esquecer

Por trás das máquinas carcomidas, das engrenagens enferrujadas e das fornalhas abandonadas pelo tempo, que ora dormitam entre as ruínas da estação baleeira da Companhia de Pesca Norte do Brasil (Copesbra), é possível ver o mar. Dali vinha o navio “Koio Maru”, vitorioso em sua saga inglória, rumo à plataforma de retalhamento na praia do Costinha. Veem-se, ainda, pendurados nas laterais do barco japonês, os corpos inertes de jovens baleias que viajaram da Antártida até a Paraíba, para cumprir o ritual da perpetuação da espécie.
Boa Notícia - Samira Menezes

Veganismo para pacientes com diabetes

Em março de 2013, a Als de Milão (a Als é como o Sistema Único de Saúde – SUS) divulgou um documento em que recomenda a alimentação vegana para pacientes com diabetes tipo 2. Intitulado Percurso diagnóstico terapêutico assistencial (Pdta), o guia é um instrumento utilizado pelos médicos da Asl para ensinar o público e os pacientes em geral sobre prevenção de doenças, diagnósticos e terapias recomendadas. Elaborado por diversos especialistas de cinco hospitais locais e representantes da Asl, a versão atual do documento afirma no capítulo sobre terapia nutricional: “Você tem diabetes tipo 2? Torne-se vegano”. Ainda dá receitas, como massas integrais feitas com legumes e verduras, ensina sobre os diferentes modos de preparar os vegetais e como incluir a soja na alimentação. Assim, os médicos garantem que é possível normalizar a glicemia e, no caso dos pacientes gordinhos, perder até 15% do peso corporal. “O objetivo dessa iniciativa é favorecer hábitos alimentares, comportamentais, estilo de vida e condições ambientais adequadas à prevenção primária e secundária da doença, evitando as complicações que pioram o quadro de saúde e a qualidade de vida do paciente”, explicou Alberto Donzelli, responsável pelo projeto e diretor do serviço de educação da Asl. O documento é destinado a 1.100 clínicos gerais da cidade e outros especialistas que trabalham nos hospitais públicos.
ECOVEGANISMO - DENNIS ZAGHA BLUWOL

Decisão do STF: é hora de pressionar!

Em sua decisão de derrubar a lei cearense que regulamentava a terrível prática da Vaquejada, Marco Aurélio, ministro responsável pela relatoria do caso no Supremo Tribunal Federal, órgão máximo da Justiça brasileira, disse, como justificativa para seu voto pela proibição da atividade: “ante os dados empíricos evidenciados pelas pesquisas, tem-se como indiscutível o tratamento cruel dispensado às espécies animais envolvidas. Inexiste a mínima possibilidade de um boi não sofrer violência física e mental quando submetido a esse tratamento”. Daí tira-se que gerar violência física ou mental a um animal, de acordo com o STF, deve ser proibido.
Direitos Animais – Bruno Müller

A Frente de Libertação Animal e os (Des)Caminhos do Movimento pelos Direitos Animais no Brasil – Parte I

No dia 30 de março de 2009 foi lançado um comunicado à imprensa, declarando que o incêndio ocorrido no dia 21 de março de 2009 numa das fábricas da Perdigão foi, na verdade, um ato de sabotagem da Frente de Libertação Animal (ALF, na sigla em inglês). Não houve confirmação do fato, de modo que não se pode dizer até que ponto ele é verdadeiro. Mas, se foi mesmo um ato de um grupo de defesa dos animais, ele foi mal concebido, mal planejado, um absoluto desperdício de tempo, dinheiro e energia e um ato totalmente incoerente com os princípios dos Direitos Animais.
Veggi & tal - débora pires e leandro de souza

Docinhos de pinhão

Ingredientes 1 xícara de pinhão cozido, descascado e picado 1/2 de xícara de água 2 colheres (sopa) cheias de araruta 3 colheres (sopa) rasas de farinha de arroz 3 colheres (sopa) de óleo vegetal 2 colheres (sopa) de cacau em pó 5 colheres (sopa) açúcar cristal orgânico 2 colheres (sopa) de açúcar mascavo Açúcar cristal orgânico para enrolar
Desobediência Vegana - Ellen Augusta Valer de Freitas

Nem o sarro arranha a Espanha – Parte 3

A cultura e o tradicionalismo, sejam de que região do mundo forem, geralmente estão intimamente ligados a interesses econômicos e políticos. Muitas tradições apenas veneram os verdugos que as escravizaram, apenas idolatram patrões e cultuam a ode ao explorador. Claro que há coisas bonitas, mas nota-se um interesse muito grande em manter certas tradições, que de outra forma acarretariam perdas monetárias gigantescas.
DIREITOS DOS GRANDES PRIMATAS - DR. PEDRO A. YNTERIAN

Custo de primatas prisioneiros

O massacre e a fuga de prisioneiros humanos em presídios de Manaus, no Estado do Amazonas, têm gerado um debate na sociedade brasileira sobre o custo de manter primatas humanos prisioneiros.
Salada cultural - renan hamann

“Comer animais”: ler vegano é parar de recomendar

Em 2011, o livro “Comer Animais” de Jonathan Safran Foer chegou ao Brasil e despertou alguns debates acerca do vegetarianismo como uma forma de salvação da humanidade. Li a obra pela primeira vez naquela mesma época e me pareceu fantástico o banho de conhecimento que estava chegando até mim – na época ainda um feto no mundo vegetariano. Depois de uma conversa com minha namorada (que deixou claro que não tinha gostado tanto assim do livro), decidi reler e confesso que não mais recomendarei a obra com tanto fervor. Safran Foer possui um tipo de linguagem muito interessante e que realmente cativa os leitores – ainda mais aqueles que estão chegando empolgados em um novo universo de “salvação de animais” –, mas isso não é suficiente quando se fala em exploração animal, direitos animais e qualquer outro tema que circule nessa atmosfera abolicionista. Até porque o grande problema do livro todo não está na linguagem, mas sim na mensagem pouco-ou-quase-nada abolicionista. Apesar de deixar claro todo o crime que está envolvido no “processamento animal”, ele flerta demais com o bem-estarismo e por momentos permite-se ser levado por ele para sombras escuras demais.
Tao do bicho – Paula Brügger

Todos querem ser livres

No artigo anterior discorri um pouco sobre a privação da liberdade daqueles que nasceram com asas para voar. Mas não só os pássaros anseiam pela liberdade, é claro. Todos os animais, humanos ou não, querem ser livres: cães acorrentados; cavalos atrelados a carroças, ou aprisionados em baias; felinos enjaulados; suínos, aves, mamíferos, como bezerrinhos, encarcerados em cercados minúsculos... Trabalhos de diversos etólogos – que estudaram diferentes animais nas mais variadas situações de privação da liberdade, desde a parcial, até a total – evidenciaram o sofrimento que lhes é provocado não apenas no plano físico, mas também psicológico. E o pior deles – o mais sutil, porque mais “invisível” – talvez seja o dano decorrente da monotonia, uma consequência inevitável de todo e qualquer tipo de confinamento. Os animais não-humanos, assim como nós, procuram a diversidade de sons, sabores, cores, ambientes e atividades.
Desobediência Vegana - Ellen Augusta Valer de Freitas

Sobre o cachorro morto em Novo Hamburgo e outros chutes

Ativistas protestaram neste sábado, 21 de dezembro, em frente ao restaurante onde cão foi morto com chute, na cidade de Novo Hamburgo/RS (Foto: Vanessa...
Desobediência Vegana - Ellen Augusta Valer de Freitas

Todos os nomes* do ativismo

"Desde el fondo del corazón odio la tumba de los grandes señores y sacerdotes, pero ódio aún más a aquellos que se comprometen con ellos." (Holderlin) A...