Inverno rigoroso

Centenas de bois explorados para consumo morrem de frio em Mato Grosso

As temperaturas caíram a um nível que não é comum no Mato Grosso, com cidades registrando sensação térmica de 0 ºC

Foto: Amauri Nazário Pinheiro
Foto: Amauri Nazário Pinheiro

Centenas de bois explorados para consumo morreram de frio no estado do Mato Grosso. Sem proteção, eles agonizaram em meio ao pasto até perderem a vida. Foram registradas mortes em várias cidades do estado. O frio rigoroso, incomum na região, pegou os animais de surpresa na madrugada de domingo (23).

O presidente do Sindicato Rural de São José dos Quatro Marcos (MT), Alessandro Casado, informou ao Canal Rural que cidades localizadas em uma região mais alta do estado registraram sensação térmica de 0 ºC, “algo extremamente incomum em Mato Grosso”. “Pelo que eu soube, foram vários casos registrados”, disse.

O fazendeiro Amauri Nazário Pinheiro, que mora em Reserva Do Cabaçal, encontrou 12 bois mortos e outros 8 debilitados ao sair para ver os animais na manhã de domingo. “Nós encontramos esses animais mortos por causa do frio. Os que ainda estão vivos, estamos aplicando remédio para ver se levanta, mas é certo que desses oito, pelo menos quatro ou cinco devem morrer”, contou.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“No meu vizinho de frente, 27 bois morreram de frio. No outro vizinho, contaram até agora 21, em outra propriedade foram cinco e, em uma fazenda mais perto da estrada, mais dois. Acredito que apenas por esses casos próximos, tivemos pelo menos 100 animais que morreram de frio na cidade, já que tem muita gente nem sabe que perdeu boi, pois nunca houve isso aqui”, completou.

As vítimas, segundo Pinheiro, foram os bois mais jovens que estavam em uma área aberta. “Nessa propriedade, não temos mata junto ao pasto, a não ser na beira do córrego, onde é ainda mais frio. Os animais que morreram, certamente ficaram expostos ao vento e ao frio, algo que nunca ocorreu aqui. Tanto é, que em outra propriedade que temos, os animais conseguiram se abrigar na mata e não houve nenhum caso”, disse.

De olho na previsão do tempo – que tem indicado aumento na temperatura para os próximos dias -, Pinheiro contou que irá levar os bois para outra fazenda, onde há proteção contra o vento, caso esfrie novamente.

Foto: José Ginevaldo Vitório

“O sol já está saindo e está esquentando bem aqui. Mas se voltar a ter um frio como esse, pretendo levar os animais para a outra propriedade ou fechar em um curral, com lona para proteger durante a noite”, explicou.

O fazendeiro José Ginevaldo Vitório também ficou surpreso ao encontrar cinco bois mortos no pasto. “Nunca vimos isso antes”, afirmou.

Segundo ele, pelo menos 200 animais morreram de frio em um raio de 20 km de sua fazenda. Bezerros de dois a três anos foram as principais vítimas, mas não as únicas. Isso porque animais silvestres também foram encontrados mortos.

“O frio foi tão intenso, que eu encontrei um porco espinho, conhecido como Luis Caxeiro, sem vida no campo. Também morreram garças, passarinhos e até morcegos”, finalizou.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


3 COMENTÁRIOS

  1. Depois que morreram é que os fazendeiros desgraçados estão pensando em levar para um curral com lona??? Onde estava o fazendeiro enquanto seus animais agonizavam lá fora ? Decerto no seu quarto quente e debaixo do cobertor sem desconfiar que bois sentem frio também ?

  2. Assim como os humanos, animais tambem tem sentimentos, sentem dor, medo, frio….só pessoas ignorantes falam que animais de porte grande não sentem frio…

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui