Artigo

Como transmitir a mensagem do veganismo de forma não-conflituosa?

Pixabay
Pixabay

Ao contrário do que se pensa, conflitos não são violências, guerras. Em essência, conflitos são contrariedades, desacordos que se apresentam, por exemplo, em comportamentos incompatíveis, objetivos opostos, idéias contrárias. Conflitos são constantes. E portanto, naturais. Mas causam desconforto. E faz com que muitas pessoas não saibam como agir nessas situações. Ora ignoram, na tentativa de não se abalarem e ficarem em paz. Ora agem de forma resignada, como se não houvesse uma solução. Ou são bélicas, e sentem que precisam agir de forma agressiva e competitiva, para obter resultados.

Porém, conflitos não se resolvem sozinhos. E não deve servir de pretexto para a violência, pois quando mal gerenciados, podem prejudicar – de diversas maneiras -, pessoas e situações. E quando bem manejados, podem ser construtivos. Para isso, é fundamental o preparo.

Por exemplo, quando alguém tem um acesso de raiva e diz coisas hostis a quem come carne, esse ataque certamente não veio do nada.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Explosões ocorrem quando você ignora algo que te incomoda, como um comentário que te machuca. Procure identificar isso, de preferência depois que se acalmar. E elabore mentalmente.

Além disso, procure ter comportamentos mais racionais e menos primitivos (emocionais). Isso é desafiador, porém, você pode se beneficiar tremendamente de uma atitude mais pensada. Enquanto que, se você age impulsivamente, pode se envergonhar, se arrepender, e até aumentar os problemas.

Nem todas as pessoas tem fortes reações diante do mesmo contratempo. Fortes respostas emocionais podem indicar que, há questões por trás que você valoriza, por isso se torna uma situação complexa. Mas é exatamente por isso que, é fundamental procurar descobrir quais são as suas necessidades que precisam ser atendidas, para sentir mais segurança naquele momento.

Pense com calma, porque este é um processo lento e gradativo. E expanda seu olhar para além do problema, para os aprendizados. Será que há algo de positivo que este conflito possa te trazer? De onde se originam essas suas reações? Onde, quando foi moldado para se comportar assim? O que pode desenvolver para melhor passar por isso? Quanto tempo pode levar até que tudo se resolva?

Aceite a situação, mas não se acomode. Você pode experimentar agir como quiser, como for mais adequado. Você não precisa se sentir leve para agir com leveza, nem corajoso para agir com bravura. Além disso, nenhum sentimento, nenhum emoção, é inútil. O medo pode ser um guia. A raiva pode ser um pedido. A tristeza, necessária para uma melhor elaboração. Ao “ouvir” o seu interior, consegue enxergar e compreender as coisas com maior clareza. Por outro lado, se age de forma automática e visceral, tem sua capacidade de ouvir e raciocinar, reduzida. O que pode reforçar padrões negativos seu e do seu interlocutor. O ideal é que ambas as partes, compreendam que não são inimigas, nem estão competindo. Mas sim, buscando se unir contra aquilo que divide vocês.

Não existe uma receita pronta e nem perfeita para lidar com os atritos. Mas autoconhecimento, comprometimento, criatividade e flexibilidade são essenciais. Pois cada situação e cada pessoa, requer algo diferente.

Com algum esforço, é possível encontrar soluções. E mesmo na ausência de uma solução, contratempos podem trazer experiência, aumentar a conexão entre as pessoas, e transformar as relações.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

1 COMENTÁRIO

  1. Entrar ou não em conflito quando se trata de veganismo, é complicado mesmo. Mudanças às vezes se realizam naturalmente, através do tempo mas às vezes se faz necessária uma atitude mais direta e enérgica, do mesmo modo que nem sempre medicamentos paliativos podem salvar um doente em estado grave. A humanidade se encontra em estado crítico. Nem sempre vão aceitar suas flores quando você falar em proteger os animais e o meio ambiente, começando por abolir do cardápio a carne deles. Por isso estão aí os documentários, nada suaves ou amenos, muito pelo contrário, porque nem todas as pessoas acordam com o gorjeio dos pássaros, algumas só despertam mesmo com o badalar dos sinos na sua janela.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui