Artigo

A retomada pós Covid-19 é uma oportunidade para mudanças sistêmicas

Agora é a hora de reconstruir em direção a uma sociedade que possa mitigar e se adaptar às ameaças que nos confrontam – da mudança climática às pandemias.

Pixabay
Pixabay

Em setembro de 2019 pessoas de todas as classes sociais se reuniram para exigir ação quanto às mudanças climáticas. Pela Austrália, 300 mil pessoas se reuniram nos parlamentos, parques e ruas para a greve do clima, criando o maior protesto climático da história de nossa nação.

Nós imaginamos um futuro diferente. Um futuro sem projetos relacionados ao novo carvão,
óleo ou gás, com a geração e exportação de 100% de energias renováveis e uma transição
justa em que trabalhadores e comunidades vulneráveis sejam apoiadas. Sem essas mudanças, temíamos um futuro com geleiras derretendo, corais degradados, erosão costeira, ondas de calor e queimadas permanentes.

Não esperávamos o futuro que temos agora. Jovens na Austrália perderam a liberdade que nós não valorizamos. Durante o lockdown, vivemos, trabalhamos, estudamos e socializamos dentro das mesmas quatro paredes, geralmente enquanto olhamos essa mesma caixinha que você está olhando agora. Mesmo para aqueles que não estão mais em quarentena, o mundo e suas possibilidades encolheram.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Nossos medos sobre os efeitos da mudança climática, agora seguem lado a lado com nossa preocupação em contrair a Covid-19, contagiar nossos familiares, ver nossas notas na escola afetadas pelo fato de estarmos estudando em casa, a probabilidade de que não haverá empregos para nós e a dívida que nossa geração irá herdar quando tudo isso acabar.

Vimos governos e negócios reagirem à Covid-19 de maneira que não fizeram em resposta às mudanças climáticas. Nossos sistemas para viver, comer, trabalhar e cuidar da saúde mudaram radicalmente em questão de meses. O aumento da pensão para os desempregados e a criação dos subsídios para as empresas durante a pandemia, apoiaram milhões de pessoas no país. O coronavírus revelou que governos tem a capacidade e habilidade de reagir e prevenir crises com a urgência e escala necessárias.

Quando os números da pandemia começaram a melhorar no país, presenciamos um surto em Victoria que nos mandou de volta para o lockdown. Foi um lembrete árduo de que a
normalidade que conhecemos um dia não existe mais. As soluções de ontem – como carvão e gás – não são as soluções que precisamos para prevenir riscos futuros.

Retornar à essas soluções com foco em lucro somente, é reforçar sistemas e instituições que nos trouxeram onde estamos hoje – sistemas que permitem que os ricos prosperem às custas dos pobres e que valorizam lucro e soluções econômicas a curto prazo ao invés de bem estar socioambiental das gerações atuais e futuras.

Não podemos simplesmente voltar ao que éramos. A pandemia nos trouxe a oportunidade de trilhar novos caminhos. De refletir e reconstruir nossas vidas em direção a uma sociedade que é capaz de mitigar e se adaptar adequadamente às ameaças que confrontam a humanidade hoje e no futuro.

A Comissão para o Futuro Humano – formada na Austrália por líderes, governantes e cidadãos comuns – em seu relatório intitulado Sobrevivendo e Prosperando no século 21, identificou 10 ameaças catastróficas que temos que endereçar se quisermos garantir nosso futuro no planeta.

Tais ameaças não incluem somente pandemias e mudanças climáticas, mas também, armas nucleares, escassez de recursos naturais, colapso de ecossistemas que suportam formas  de vida, crescimento da população, poluição, insegurança alimentar e tecnologias emergentes.

Ao admitir que muitas dessas ameaças são interconectadas, a comissão reconhece que elas
geralmente surgem de causas comuns e têm soluções comuns. Por exemplo, parar o
desmatamento também poderia reduzir o surgimento de novas doenças, proteger
ecossistemas que suportam a vida animal, aumentar a segurança alimentar e mitigar efeitos de alterações no clima através do sequestro de carbono.

Além disso, a melhor cooperação internacional entre os governos poderia aliviar riscos de severas mudanças climáticas, de uma guerra nuclear, de novas pandemias e aumento da poluição.

Ao nos recuperarmos da Covid-19, jovens exigem que abracemos a oportunidade de
implementar mudanças sistêmicas. Nosso futuro está em jogo. Temos que garantir que as
decisões tomadas hoje enderecem essas ameaças identificadas pela comissão e estabelecer a base para um amanhã mais ambientalmente limpo, justo e seguro. Um amanhã que não volte ao que hoje chamamos de normal ou business as usual.

Rachel Hay é uma ativista climática e estudante de artes e direito do sul da Tasmânia
Hannah Ford é uma ativista climática e formada em estudos de desenvolvimento e ciências
sociais, de Camberra, Austrália.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui