O dilema de Dória – “Zoológico: fechar ou privatizar?”

Divulgação – Projeto GAP

Um anúncio do Governador de São Paulo, João Dória, publicado dias atrás, indica que um projeto está sendo montado para privatizar o Jardim Botânico, que tem um déficit anual de quatro milhões de reais, juntando ao Zoológico de São Paulo e ao Parque Simba Safari, que operam juntos e geram um pequeno superavit.

Do ponto de vista econômico pode ser uma iniciativa inteligente para se livrar de uma atividade que dá prejuízo e juntar com outra que dá um pequeno lucro, que são os dois zoológicos. Porém, tudo na vida não se mede com o máximo de “lucros e perdas.” No zoológico existem centenas de vidas inocentes, que sofrem um cativeiro insano para diversão de pessoas que não se identificam com o sofrimento daqueles seres vivos, que têm direitos a ser preservados.

Se voltarmos os olhos para o exterior, veremos que a nova política hoje não é privatizar zoológicos, mas sim fechá-los. O Zoológico de Buenos Aires, um dos mais antigos do mundo, considerado tradicional, localizado em uma área nobre da cidade, está em vias de ser desativado. A mais emblemática das espécies cativas, Sandra, orangotango fêmea, está prestes a ser transferida para um Santuário dessa espécie na Flórida. O Zoológico de Mendoza, situado neste mesmo país irmão, está tecnicamente fechado e sua espécie mais emblemática, a chimpanzé Cecília, foi transferida para o nosso Santuário de Grandes Primatas em Sorocaba, por meio de um Habeas Corpus histórico concedido por uma Juíza Argentina.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Privatizar o cativeiro é jogar a vida e a liberdade de milhares de seres vivos nas mãos do lucro capitalista. Se era ruim em mãos públicas, será mil vezes pior em mãos da exploração privada.

Há mais de 10 anos, eu fiz uma carta ao Governador de São Paulo, na época de Geraldo Alckmin, solicitando o fechamento temporário do Zoológico de São Paulo, ante uma epidemia de morte de primatas de todas as espécies naquele Zoológico, até hoje nunca explicada claramente. A reação da Direção do Zoológico, muito possivelmente com a concordância do Governador, foi abrir um processo de Difamação contra a minha pessoa e o Projeto GAP – Grupo de Apoio aos Primatas, conhecido mundialmente, do qual eu era o Presidente na época e do qual atualmente sou Secretário Geral.

Esse processo ainda está em aberto; o zoológico perdeu em todas as instâncias, porém, usando a imensa variedade de recursos que a nossa Justiça oferece, o mantém aberto, agora nos Tribunais Superiores de Brasília, pensando que dessa forma irão evitar  que questionemos a existência daquele e de outros zoológicos, que, a esta altura da civilização humana, já deveriam estar extintos.

Eu e minha família mantemos em meu sítio em Sorocaba um Santuário de Grandes Primatas e de outras dezenas de espécies. Não temos orgulho por tê-lo, mas bem temos vergonha que, como seres humanos inteligentes, a única solução encontrada para salvar centenas de animais da exploração e da morte em nossas mãos foi encerrá-los em outro cativeiro, na qual estes inocentes não servem de troféu e divertimento de nossa raça.

A desativação de zoológicos é hoje reproduzida em todos os países e até em nosso país vários deles já estão sendo desativados para serem convertidos em parques de lazer para população, sem a exploração animal.

Os chimpanzés abrigados em Sorocaba vivem em recintos de milhares de metros quadrados, são livres dentro desse território, mas eles se sentem prisioneiros, como qualquer ser inteligente se sentiria nessas circunstâncias. Apesar de serem prisioneiros, eles rejeitam a exibição, se relacionam bem conosco, que os atendemos diariamente, porém, não suportam visitantes. Eles também sabem que são objetos de divertimento em mãos de seus captores.

A disputa não é Santuário versus Zoológico, ambos são cativeiros e não deveriam existir. A alternativa é LIBERDADE VERSUS ESCRAVIDÃO. Nenhum animal, não importa a complexidade de sua espécie, nasceu para viver cativo. Os Direitos Humanos não existem só para nós. Todos neste Planeta têm o direito de viver em liberdade na área natural mais apropriada a cada espécie.

2 COMENTÁRIOS

  1. Isso é completamente ao contrário de qualquer noção básica de defesa de animais. Um verdadeira estupidez de quem não conhece a realidade e vive num mundo de fantasia. Os zoológicos, aquários, e unidades de conservação ex situ (como o seu santuário), são FUNDAMENTAIS para recuperação, conservação, conhecimento e divulgação de espécies ameaçadas no mundo inteiro. Em um mundo ideal, é óbvio que os animais deveriam viver soltos. Só que a realidade de quem está com a mão na massa no meio do mato ou em planos de manejo está loooonge disso. Várias e várias espécies de animais ( do mico leão dourado ao panda gigante ao rinoceronte branco, entre vários outros) estariam EXTINTOS se não fossem os projetos de conservação, reprodução e reintrodução feitos por zoológicos no mundo inteiro. PESQUISEM!!! Isso vindo de um site de suposta “defesa de animais” é de uma ignorância extrema. E vem falar de santuários????? No Brasil?? Que delírio utópico. Chega a ser uma piada isso. Essa visão completamente equivocada, preconceituosa e sem fundamento científico algum é um retrocesso ABSURDO na conservação de espécies ameaçadas. Gostaria de saber aonde as CENTENAS de animais vulneráveis, machucados, traficados, presos em restos inviáveis de habitats e recolhidos nos cetas anualmente seriam acolhidos. Estudem mais antes de propagar absurdos românticos e completamente irreais em “defesa dos animais” pra leigo abraçar. Vão se informar sobre os INÚMEROS trabalhos de conservação do ICMBio e do IBAMA para conservação e manejo de espécie ameaçadas com participação de unidades ex situ, especialmente zoológicos, trabalhos seríssimos e alguns de referência mundial. Não existe essa cruzada mundial contra os zoológicos, gostaria de mais exemplos. Ao contrário, a IMENSA MAIORIA dos organismos de conservação governamentais trabalham em conjunto com eles, principalmente na manutenção de variabilidade genética de espécies ameaçadas e reprodução e reintrodução de espécies criticamente ameaçadas. Se fossem por vocês nessa cruzada contra zoológicos que é na verdade CONTRA AS ESPÉCIES AMEAÇADAS, VÁRIAS e VÁRIAS espécies já estariam extintas. Um grande desserviço à natureza, isso sim. Se conseguirem, será uma verdadeira tragédia para a conservação no nosso país já tão dizimado ambientalmente.

  2. Retificando meus comentários e após navegar pelo blog, vejo que na essência lutamos pela mesma causa: a defesa da natureza. Trabalhei e sou da área e minha defesa ao meio ambiente é um valor que tenho. Dito isso, gostaria apenas de corrigir meu comentário (essa pandemia já não está fácil pra ninguém) dizendo, pedindo, que revejam alguns pontos tratados aqui.É um tema de suma importância ambiental! Os zoológicos não são um “mal” à natureza. Longe disso. Em um mundo ideal realmente não deveríamos precisar deles. Mas num planeta assolado pela devastação ambiental, os zoológicos são essenciais para a conservação e preservação de centenas de espécies que correm extremo perigo no seu habitat natural. Há dezenas de planos de conservação, a níveis mundiais e aqui no Brasil mesmo, que coordenam as ações tanto em vida livre como em cativeiro, pois um complementa os dados do outro. Dados genéticos e comportamentais de certas espécies teriam seus conhecimentos muito restritos sem os dados dos estudos em cativeiro. O que precisamos (todos nós, defensores da natureza) é lutar contra a devastação ambiental a nível global e local no nosso país. Isso seria o ideal. Que os ambientes naturais estivessem preservados. Só que tenho certeza que vocês sabem que isso está muito, mas muito longe da realidade. Então a necessidade de conservação ex situ é fundamental para salvarmos espécies e, posteriormente, reintroduzi-las à natureza. Além de termos locais para abrigar animais recebidos pelos cetas que são inúmeros e que eles têm muita dificuldade de relocar ou cuidar desses animais. Os zoológicos tem também essa suma importância, além de proporcionar campo de estudos para estudantes de diversas áreas e de um importante aspecto de educação ambiental. A partir da evidência da necessidade da existência dessa conservação em cativeiro, partimos para uma segunda frente. Lutar pelo bem estar desses animais nos zoológicos. Esse que deveria ser o ponto. Melhores recintos, tratamentos, enriquecimento ambientais, alimentação, funcionários capacitados,recursos financeiros, exposição/interação controlada, entre outras demandas. Na verdade, fortalecer essas instituições para que elas tenham condições de exercer o papel fundamental que cabe a elas na esfera ambiental. Temos dezenas de zoológicos no país e com certeza muitos podem ter problemas. Mas temos vários exemplos que fazem trabalhos fantásticos, a duras penas, tanto aqui como no mundo, com diversos profissionais sérios e dedicados fazendo muito pela natureza, e que assim como nós, são apaixonados pela natureza e se dedicam a essa causa a vida toda, muitas vezes em situações bem precárias. Com certeza, nenhum deles gostaria de ver animais presos, mas o trabalho é justamente no sentido de possibilitar um resgate e apoio para espécies extremamente vulneráveis em seu ambiente de origem, e, em vários casos, com pouquíssimos estudos possíveis em vida livre. Isso sempre com o objetivo de preservar e proteger essas espécies das agressões sofridas. Aproveito para recomendar fortemente uma consulta na associação brasileira de zoológicos e aquários, na associação européia, ou no próprio site do ICMBio para consulta dos diversos planos de manejos de espécies ameaçadas em parceria com essas instituições. Há zoológicos com resultados magníficos na conservação e reintrodução de espécies pelo mundo afora. Como já dito, várias espécies estariam hoje extintas na natureza se não fossem esses trabalhos. O mico leão dourado aqui no brasil é um ótimo exemplo, assim como o panda gigante, o rinoceronte branco, ou do gorila ocidental, entre outros. Enfim. Espero que vocês revejam alguns conceitos enraizados e lutem pelo bem estar dos animais nos zoológicos mas não contra essas instituições que são muitas vezes, infelizmente, o último recurso para salvar dezenas de espécies e são fundamentais para um futuro melhor onde não seriam mais necessários. Esse assunto é muito importante!!!! Seguimos na luta pela preservação da natureza. Um humilde abraço para todos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui