sábado, setembro 19, 2020
400 animais mortos

Ativistas são presos ao tentar evitar massacre de baleias nas Ilhas Faroé‏

Relatos iniciais divulgados através da mídia local indicaram que o grupo de baleias que seriam caçadas era composto por 200 animais. No entanto, quando o grupo foi conduzido à praia, apenas 61 baleias-piloto foram contadas. Não se sabe se algumas baleias escaparam, ou se as estimativas iniciais eram superestimadas. Todas as 61 baleias-piloto foram então arrastadas para a praia e, finalmente, mortas. A Sea Shepherd estima que o massacre, a partir do momento em que o grupo foi cercado até a última morte ter sido concluída, levou cerca de duas horas.
Crueldade

Vídeo mostra menino de 14 anos assassinando bezerro em tourada

Crianças com sangue nas calças mostram a crueldade que está por trás da prática assassina da tourada. Em um vídeo atormentador, nota-se uma plateia de crianças que torcem enquanto filhotes morrem. Segundo o Daily Mail, colocaram um bezerro de menos de dois anos para morrer em uma apresentação pública em uma arena perto de Madrid. O vídeo chocante mostra crianças agindo como matadores experientes assassinando o animal, colocando a espada entre o ombro e o coração. Um homem mais velho penetra a coluna do bezerro. Em algumas imagens parece que o animal está paralisado mas continua vivo, ele mexe a cabeça e pisca. O vídeo perturbador mostra também os trabalhadores locais de Pedrezuela colocando os filhotes em escavadeiras mecânicas antes de que as carcaças deles sejam levadas. O partido político espanhol do bem-estar dos animais, PACMA, soltou o vídeo que foi feito durante uma tourada no Pedrezuela Bull Ring - para mostrar o que há por trás do que muitas pessoas consideram como sendo um esporte. A presidente do PCMA, Silvia barqueiro, conta que ela e os colegas ficaram emocionados pelas imagens e disse que as crianças da escola de Marcial Lalanda de Touradas de Madrid estavam entre aqueles que participaram do evento.
Índia

Elefanta grávida morre após comer abacaxi com explosivos

Uma elefanta grávida não resistiu após comer um abacaxi repleto de explosivos enquanto moradores a alimentavam em Kerala, na Índia. Ela ainda sobreviveu por...
CONTEÚDO ANDA

Nova população de leões é descoberta na Etiópia

As populações dos que já foram considerados "reis da selva" declinaram no continente em cerca de 50 por cento desde os anos 90, para aproximadamente 20.000 indivíduos, e esses números devem ser reduzidos novamente pela metade nas próximas duas décadas devido à destruição do habitat, à caça e outras ameaças. Portanto, a descoberta de uma "população perdida" de leões em um parque remoto da Etiópia foi uma notícia muito bem recebida por todos os que se preocupam com esses felinos. As informações são do Take Part.
Mudanças climáticas

Altas temperaturas podem reduzir expectativa de vida de anfíbios e répteis

 A teoria é que o aquecimento global acelera o metabolismo dos animais As mudanças climáticas podem reduzir a vida de centenas de espécies de anfíbios...
CONTEÚDO ANDA

Cabras são obrigadas a se equilibrar em árvores para atrair turistas no Marrocos

É bastante provável que os viajantes que passem entre Marraquexe e Essaouira, dois populares destinos turísticos do Marrocos, se depararem com a visão peculiar e intrigante de cabras se equilibrando nas árvores ao longo da estrada. Pode surgir a vontade de observar e fotografar essa cena improvável, porém por trás desse “espetáculo”, há uma realidade obscura e cruel, ressalta o One Green Planet. Enquanto as cabras do Marrocos naturalmente sobem em árvores para comer seus frutos - e certamente aprenderam essas habilidades acrobáticas devido à escassez de outras fontes de alimento no seu habitat seco e poeirento – os moradores locais têm usado essa tendência natural das cabras como um método cruel para gerar lucro. Como imagens mostram claramente, as cabras são amarradas aos galhos com cordas, presas nas árvores debaixo do sol e de um calor sufocante apenas para atrair turistas à procura de uma foto interessante.
abandonados para morrer

Gata e seus filhotes são resgatados em armazém nos EUA

Na cultura do Havaí, a palavra "ohana" quer dizer família, e família significa que ninguém pode ser deixado para trás! Esse foi certamente o lema que o time da ONG Edgar’s Mission seguiu quando foi chamado para resgatar um grupo de filhotes de gato que haviam sido abandonados em um armazém. Os gatinhos estavam amontoados dentro de uma empilhadeira e o funcionário que os descobriu deduziu que, se alguém ligasse a máquina, os animais poderiam ser mortos. Felizmente, a equipe da Edgar’s chegou a tempo e conseguiu retirar os filhotes um a um. Mas, apesar de seus esforços, parecia que a mãe não seria encontrada. Pensando que os bebês estavam órfãos, os resgatadores se prepararam para voltar para o santuário com os animais.
CONTEÚDO ANDA

Galinhas são torturadas até a morte na maior produtora de ovos dos EUA

A Animal Recovery Mission (ARM) divulgou as descobertas de sua mais recente investigação secreta sobre o abuso de animais em uma granja, juntamente com um vídeo que expõe o horror que as galinhas enfrentam na Cal-Maine Egg. A Cal-Maine Egg Farm é uma empresa pública em Lake Wales, na Flórida (EUA), e é a maior produtora e vendedora de ovos com casca nos Estados Unidos. A companhia é fornecedora de varejistas como o Walmart e o Publix Supermarket. A operação de dois meses, realizada por um investigador secreto da ARM, aposentado do Exército dos EUA, registrou imagens do abuso sofrido pelas galinhas encarceradas para produzir ovos para o consumo humano. As cenas mostram as condições de vida deploráveis dos animais.  Até 10 galinhas, vivas e mortas, são mantidas em gaiolas estreitas e cheias, com água, alimentos e higienização inadequados, assim como "paredes de baratas". O grupo também testemunhou a tortura das aves que foram chutadas, perfuradas, jogadas, batidas contra o chão, espancadas até a morte, desmembradas ainda vivas e presas em portas de gaiolas onde tiveram mortes agonizantes. As agressões foram cometidas tanto pelos funcionários da instalação quanto pelos gerentes e são violações claras dos códigos de conduta da empresa e das políticas de bem-estar animal. De acordo com o World Animal News, a ARM apresentou as provas de sua investigação para as autoridades e um gerente da Cal-Maine, conhecido como Matthew, foi acusado de crueldade contra animais.
Exploração e sofrimento nos laboratórios

Máquina de lavar jaulas cozinha macaco vivo em laboratório de New Jersey (EUA)

No último verão, operadores do laboratório Bristol-Meyers Squibb, sediado em Pennington (NJ), mataram um macaco asiático explorado para testes em laboratório, quando sua gaiola foi posta no ciclo de lavagem com o animal ainda trancado no interior, segundo um relatório de inspeção emitido pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). Jennifer Fron-Mauer, porta-voz da Bristol-Myers, não divulgou o resultado das investigações ou que tipo de ação disciplinaria foi aplicada. O grupo “Pare Com a Exploração de Animais Agora” (SAEN), apresentou uma reclamação oficial junto ao USDA exigindo mais detalhes e punições, incluindo multa. “Atos horríveis de negligência como esse, que literalmente cozinhou um macaco vivo, devem ser severamente penalizados”, disse Michael Budkie, diretor executivo da SAEN. A Bristol-Myers utiliza primatas em testes farmacêuticos, uma prática cruel condenada por ativistas defensores dos animais. Um acidente similar ocorreu no dia seguinte, segundo outro relatório emitido pela USDA. O laboratório Covance Research Products, sediado em Princeton (NJ), uma das maiores empresas mundiais do ramo, cozinhou 'acidentalmente' um coelho durante a lavagem de uma gaiola.
Vida nova

Cachorra que perdeu as pernas em rinhas quando filhote agora dá lições a crianças

Como tutores, fazemos tudo o que está ao nosso alcance para proteger os nossos melhores amigos de quatro patas dos perigos. Consideramos nossos cães e gatos como membros da nossa família e os amamos e estimamos como tal. Infelizmente, no entanto, nem todos acreditam que os cães merecem esse nível de cuidado e respeito. Maria foi vítima de extremo abuso quando ela era uma pequena filhote. Nascida em uma arena de rinhas de cães, ela estava designada para ser um "cão isca", usada para ensinar aos outros cães explorados em rinhas sobre como atacar e matar.
Espécie protegida

Baleia-azul é morta em temporada de caça na Islândia

A empresa baleeira Hvalur Hf é acusada de matar a primeira baleia-azul em 40 anos. No dia 7 de julho, a ONG focada na conservação de seres marinhos, Sea Shepherd, publicou fotos do animal morto na Islândia, país que recentemente reabriu a temporada de caça a esses mamíferos majestosos.
vitória

Senado mexicano aprova proibição de uso de animais silvestres em circos

O senado mexicano divulgou no último dia 9 de dezembro em seu site oficial, medidas aprovadas em relação ao uso de animais silvestres para atividades circenses em todo território nacional. A decisão foi de proibir a utilização de animais selvagens em apresentações circenses e atos que infrinjam a conservação da vida selvagem fora do seu habitat natural. A punição para quem não cumprir com a legislação será de 50 a 50 mil vezes o salário mínimo mexicano. A iniciativa apresentada pelo senador Jorge Emilio González, PVEM, salienta que resultados obtidos de inspeções feitas à Procuradoria Federal de Proteção Ambiental (Profepa) para circos, evidenciam que os animais sofrem de doenças físicas e mentais, especialmente espécies selvagens, por causa da sua utilização em shows e atos circenses.