BOA NOVA

Ameaçadas de extinção, baleias-francas do Atlântico Norte voltam a se reproduzir

Jade Goncalves | Redação ANDA

Os cientistas advertem que a elevada taxa de mortalidade está a ultrapassar os nascimentos


Escute
Foto: Wikipedia

As baleias-francas do Atlântico Norte deram à luz durante o inverno em maior número do que os cientistas têm visto desde 2015, um sinal encorajador para os investigadores que se alarmaram há três anos quando as espécies criticamente ameaçadas não produziram qualquer descendência conhecida.

Equipe de pesquisa avistaram 17 crias recém-nascidas a nadar com as suas mães entre a Flórida e a Carolina do Norte, de dezembro a março. Um filhote morreu depois de ter sido atingido por um barco, um lembrete de uma taxa de mortalidade que os especialistas temem está a ultrapassar os nascimentos.

A contagem de filhotes é igual ao total combinado dos três anos anteriores. Após um 2018 sombrio, os cientistas não viram nenhum nascimento pela primeira vez em três décadas. Ainda assim, os investigadores dizem que é necessário um maior número de nascimentos. Estima-se que a população dos gigantes marinhos em vias de extinção tenha diminuído para cerca de 360.

“O que estamos a ver é o que esperamos que seja o início de uma subida no número de partos que vão continuar nos próximos anos”, disse Clay George, que supervisiona as pesquisas de baleias para o governo do estado da Geórgia. “Eles precisam de produzir cerca de duas dúzias de filhotes por ano para que a população se estabilize e continue a crescer”.

As baleias-francas migram cada inverno para as águas do sudeste dos EUA. As baleias-francas sobrevoam a linha costeira durante a época de partos, procurando na água mães com recém-nascidos.

Os voos sobre a Geórgia e Florida terminaram na quarta-feira, o último dia de março, normalmente o final da época. Os observadores irão monitorizar as águas ao largo das Carolinas até 15 de abril, na esperança de apanharem recém-nascidos negligenciados à medida que as baleias se dirigem para norte.

A contagem de filhotes desta estação corresponde a 17 nascimentos registados em 2015. O recorde é de 39, confirmado em 2009. Os cientistas suspeitam que uma queda de partos pode ter sido causada pela falta de zooplâncton no Golfo do Maine e na Baía de Fundy. Dizem que o aumento dos nascimentos pode ser o resultado de as baleias serem mais saudáveis depois de se terem deslocado para águas com fontes alimentares mais abundantes.

“É um sinal de alguma esperança que estejam a começar a adaptar-se a este novo regime em que as fêmeas estão em boas condições para dar à luz”, disse Philip Hamilton, um investigador do New England Aquarium em Boston.

Independentemente disso, os conservacionistas preocupam-se que baleias francas estejam a morrer, em grande parte devido a causas causadas pelo homem, a um ritmo mais rápido do que aquele que conseguem reproduzir. Desde 2017, os cientistas confirmaram 34 mortes de baleias certas em águas norte-americanas e canadianas, sendo as principais causas são de captura em redes de pesca e colisões com barcos e navios. Considerando que as baleias foram documentadas no mesmo período com lesões graves, os investigadores receiam que o número real de mortes possa ser de pelo menos 49. Trinta e nove nascimentos foram registados desde 2017.

“Se reduzíssemos ou eliminássemos a taxa de mortalidade causada pelo homem, a sua taxa de natalidade estaria bem”, disse Hamilton. “O ónus não deveria recair sobre eles para se reproduzirem a um ritmo que possa sustentar o ritmo a que os matamos”. O ónus deveria estar em nós para pararmos de matar”.

Espera-se que o governo federal dos EUA finalize novas regras destinadas a diminuir o número de baleias francas apanhadas em rede de pesca utilizadas para capturar lagosta e caranguejo. As propostas para reduzir as linhas verticais de pesca e modificar as áreas sazonais restritas têm sido alvo de aceso debate. Os pescadores afirmam que as regras poderiam eliminá-los das empresas. O Serviço Nacional da Pesca Marinha recebeu mais de 170.000 comentários públicos sobre as regras propostas após a publicação de um relatório a 31 de dezembro, disse a porta-voz da agência, Allison Garrett. Ela disse que as regras finais deveriam ser publicadas este verão.

Garrett disse que o serviço de pescas está considerando ajustes às regras federais que desde 2008 têm imposto limites de velocidade a embarcações maiores em certas águas atlânticas durante períodos em que as baleias francas são frequentemente vistas. Um relatório de janeiro concluiu que o cumprimento das regras de velocidade por parte dos marinheiros tinha melhorado, mas ainda estava abaixo dos 25% para as grandes embarcações comerciais em quatro portos no sudeste do país.

“Há muito que sabemos pelas estimativas de sobrevivência que estão morrendo mais baleias do que as que vemos”, disse George, o coordenador de pesquisas para baleias para a Geórgia. “Elas precisam produzir muito mais filhotes. Mas a grande questão é que temos de reduzir significativamente o número dos animais mortos por pescadores e atingidos por barcos”, disse George, o coordenador do estudo das baleias da Geórgia.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AMOR

VIDA NOVA

RIO DE JANEIRO

ALTERNATIVA VEGANA

GENEROSIDADE

REABILITAÇÃO

EMPATIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>