IMPACTO

Estudo teuto-brasileiro compara efeitos de CO2 com de desmatamento na Amazônia

Margus de Wallachia | Redação ANDA

O gás isolado tem mais potencial de danos do que o imaginado


Escute

Quando alguém pensa em alteração climática na Amazônia, provavelmente desmatamento é a causa que predomina no inconsciente coletivo. Recentemente, entretanto, um estudo põe a emissão de gases poluentes em pé de igualdade com o desmatamento no bioma. Fizeram parte da pesquisa o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Técnica de Munique. O artigo veio a público pela revista científica europeia Biogeosciences.

Uma expressão-chave para o foco do estudo foi o volume de chuvas na região amazônica. Por muitos anos, os demais estudos apontavam os impactos do desmatamento em massa sobre essa queda. A pesquisa é uma das pioneiras em analisar impactos isolados e fisiológicos da poluição excessiva de gás carbônico. A liberação do gás afeta 3% a mais no declínio desses níveis do que o próprio desflorestamento – responsável por 9% das reduções.

Fotografia de Valdemir Cunha – Greenpeace

O excesso das emissões tem a ver também com um aumento de quase dois graus em sua temperatura natural. Tudo por conta da interrupção que o ar seco causa na transpiração da flora nativa.

É importante lembrar também que tais problemas chegam a alcançar o território de oito países latinos além do próprio Brasil. E os resultados destacam a responsabilidade tanto de países amazônicos e não-amazônicos  de mitigar potenciais mudanças climáticas no futuro. Uma vez que é consequência da atividade pecuária e correspondentes, derrubada de árvores e uso de fontes não-renováveis de energia.

©Stadtwerke Solingen

A umidade do ar está diretamente ligada à condução dos chamados estômatos – células que regulam carbono e água nas folhas. Porém o grande contingente de CO2 diminui em 26% a fisiologia dessa rede de condução, dando-se em menos 18% na transpiração.

De qualquer maneira, o aumento da concentração de CO2 é um processo global e todo planeta paga pato por isso. O combate à catástrofe iminente requer esforço orquestrado de todos os países, especialmente os que mais emitem gás carbônico.

“Não vai adiantar nada se nós não pararmos a emissão do carbono e o desmatamento, porque não existe atmosfera brasileira, a atmosfera é de todos os países, substâncias que são lançadas em países distantes rapidamente chegam aqui e também impactam as nossas florestas, então, se nós apostarmos em crédito de carbono, mas não tentarmos barrar as mudanças climáticas, não haverá crédito de carbono para vender, porque a floresta vai parar de absorver carbono na atmosfera” ressaltou David Montenegro Lapola, professor do Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (Cepagri) da Unicamp, que liderou o estudo, em entrevista ao portal G1.

Mesmo que se encontrem parceiros suficientes para o chamado “mercado de carbono”, a floresta pode ainda assim não dar conta. As consequências de tudo já estão aí.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AMOR

VIDA NOVA

RIO DE JANEIRO

ALTERNATIVA VEGANA

GENEROSIDADE

REABILITAÇÃO

EMPATIA


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>