DOR E SOFRIMENTO

Nova Zelândia anuncia fim das exportações de animais vivos

Bruna Araújo | Redação ANDA


Escute
Foto: Reprodução | Compre Rural

A Nova Zelândia anunciou a proibição da exportação marítima de animais vivos para consumo humano. A decisão foi tomada após a divulgação de uma reportagem feita pela emissora TVNZ denunciando as condições precárias e os maus-tratos intrínseco ao transporte de animais em navios. A temática ganhou destaque central no país após o naufrágio do cargueiro Gulf Livestock 1 que culminou na morte de cerca de 6 mil bois e 40 tripulantes em setembro de 2020.

O ministro da Agricultura, Damien O’Connor, informou à agência Reuters que foi estabelecido um prazo de dois anos para as empresas do setor transitarem para outro ramo. Após esse período, a exportação marítima de animais vivos será extinta no país.

A tragédia fez a Nova Zelândia proibir as exportações temporariamente e existia uma grande esperança de que a proibição fosse permanente, mas grandes empresários do setor conseguiram reverter a decisão e alguns meses depois o embarque de animais foi autorizado sob novas diretrizes de segurança. No entanto, o grande lobby pecuário não foi suficiente e autoridades do país mudaram de ideia sobre a permissão. A anúncio do fim da exportações é esperado para ainda esta semana.

O ex-chefe de Bem-Estar Animal do Ministério das Indústrias Primárias (MPI), o veterinário John Hellstrom, afirma que esta decisão atenderá a uma demanda antiga. “É um comércio cuja hora chegou, é um comércio do qual deveríamos ter saído anos atrás”, disse. Ativistas em defesa dos direitos animais comemoram o anúncio e torcem que a Nova Zelândia incentive outros países, inclusive o Brasil, a seguir os mesmos passos na construção de uma sociedade mais evoluída.

Dor e sofrimento

Os navios utilizados para o transporte de animais vivos são, geralmente, embarcações em péssimo estado adaptadas para este fim. Elas não visam nenhum conforto ou se adequam a qualquer norma de bem-estar. Não há acompanhamento veterinário e os animais são tratados como uma carga comum, sem nenhum tipo de cuidado. Quando morrem, estes tem seus corpos atirados em alto-mar junto com as fezes e urina, o que impacta negativamente o meio ambiente.

Além de sofrerem maus-tratos e serem mantidos em condições degradantes e humilhantes, ficam vulneráveis a uma série de doenças. A exportação de animais vivos para consumo humano precisa ter fim. Não é seguro, é antiético e inflige grande sofrimento a estes seres indefesos, sencientes e que, assim como nós, merecem ser livres e respeitados.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ESTRESSE

RESILIÊNCIA

BRECHAS LEGAIS

DENÚNCIA

ATROCIDADE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>