SOB INVESTIGAÇÃO

Dezenas de arraias aparecem mortas e suspeita é de que tenham sido vítimas da pesca

Mariana Dandara | Redação ANDA

Conhecida popularmente como arraia-disco, a espécie está prestes a ser considerada ameaçada de extinção


Escute
Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Dezenas de arraias foram encontradas mortas em uma praia no Rio Araguaia, no distrito de São José dos Bandeirantes, na cidade de Nova Crixás, em Goiás. A suspeita é de que elas tenham sido mortas por pescadores.

O caso está sendo investigado pela Secretaria do Meio Ambiente, que prometeu tomar as devidas providências para punir os responsáveis pelas mortes caso as arraias tenham, de fato, morrido em decorrência da pesca acidental.

Conhecida popularmente como arraia-disco, a espécie está prestes a ser considerada ameaçada de extinção. Além da ação humana colocar esses animais em risco, cada casal leva aproximadamente 20 anos para se reproduzir, o que torna demorado o processo de repovoamento da espécie.

Em entrevista ao G1, o biólogo Edson Abrão disse que é necessário analisar a água do local e submeter as arraias à necrópsia para apontar a causa da morte. Mas o especialista desconfia que elas tenham morrido após terem sido pescadas acidentalmente por conta do uso das redes de arrasto.

Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Segundo ele, se a água estivesse contaminada, animais de outras espécies também teriam morrido – o que não aconteceu, já que só as arraias foram encontradas sem vida, flutuando no mar ou encalhadas na areia.

Abrão reforçou, entretanto, que apenas uma investigação poderia confirmar a causa das mortes. “Pode ter sido descarte. Alguém que foi fazer uma pesca com rede e queria outros peixes, mas pegou um amontoado de arraias, que não eram importantes para ele e soltou elas aí”, explicou o especialista.

A pesca e a poluição marinha

Duas das principais causas de mortes acidentais de animais marinhos são a pesca e a poluição. Golfinhos e tartarugas costumam ficar presos em redes de pesca e morrem por afogamento.

Quando escapam das redes, muitos deles acabam consumindo resíduos sólidos que vão parar nos oceanos por conta do descarte irregular, da falta de conscientização da sociedade e da ausência de políticas públicas que norteiem a destinação correta do lixo. Ao confundirem plástico com alimento, muitos animais marinhos consomem esses produtos, adoecem e morrem.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÓRFÃO

ARTIGO

DESACATO

GENTILEZA

DOR E SOFRIMENTO

EDUCAÇÃO

BENEFÍCIOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>