AÇÃO HUMANA

Animais marinhos morrem por ingestão de plástico no litoral de SP

Ana Garcia | Redação ANDA

A ONG responsável pelo acolhimento dos animais relata que a maioria já chega morta


Escute
Foto: A Tribuna/Instituto Gremar

Infelizmente, encontrar pedaços de plásticos nos oceanos tem se tornado algo cada vez mais comum. Sacolas plásticas, redes de pesca, embalagens de garrafas, canudos; tudo isso decorre de um uso excessivo desse material no dia a dia, utilização esta que aumenta gradativamente. Como consequência do descarte de materiais plásticos no mar, a vida marinha é diretamente atingida e mortes de animais tem sido mais recorrentes. E no litoral paulista a situação não é diferente.

O Instituto Gremar, uma ONG que reabilita animais encontrados nas praias entre as cidades de Bertioga e São Vicente, recebe frequentemente golfinhos, tartarugas, pinguins e lobos-marinhos com problemas causados pela presença de plásticos em seus corpos.

Segundo Rosane Farah, bióloga e gerente de base da ONG, cerca de 1.300 animais já ganharam uma “segunda vida” desde a chegada da instituição à região. O número de animais que não tiveram a mesma oportunidade, no entanto, é muito maior. “Desde o início do Gremar, em 2004, a média é de mais de 11 mil animais resgatados, entre vivos e mortos. Destes 11 mil, nós sabemos que cerca de 70 a 80% são de animais mortos. Infelizmente é um número muito alto”, disse em entrevista A Tribuna.

Além disso, a bióloga relatou que a principal causa dos encalhes dos animais marinhos é a ação humana, e completou “A ingestão de resíduo sólido, principalmente a do plástico, é uma das principais causas dos problemas, além da interação com pesca, com contato de petrechos e redes abandonadas de forma inadequada”.

Mas apesar de a maior parte dos animais não resistir, todos os que chegam com vida ao local recebem tratamento completo, com o intuito de promover a recuperação e posterior reabilitação para que sejam devolvidos ao seu habitat natural.

A ONG ressalta, também, a importância de saber como agir caso se depare com um animal marinho encalhado. O ideal é ligar imediatamente par um órgão competente e jamais pegar o animal para tentar devolvê-lo ao mar, pois isso pode dificultar o manejo da situação.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AMOR CANINO

FAKE NEWS

GANÂNCIA

SEQUESTRO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>