DESTRUIÇÃO

Crise climática empurra regiões tropicais em direção aos limites da habitabilidade humana

Júlia Faria e Castro | Redação ANDA

O aumento do calor e da umidade ameaçando mergulhar grande parte da população mundial em condições potencialmente letais, conclui o estudo


Escute
Imagem de área de mata seca e árida
Pixabay

A crise climática está empurrando as regiões tropicais do planeta para os limites da habitabilidade humana, com o aumento do calor e da umidade ameaçando mergulhar grande parte da população mundial em condições potencialmente letais, descobriram uma nova pesquisa.

Se os governos não conseguirem controlar o aquecimento global a 1,5º C acima da era pré-industrial, as áreas da faixa tropical que se estende dos dois lados do equador correm o risco de se transformar em um novo ambiente que atingirá “o limite da adaptação humana”, alerta o estudo.

A capacidade dos humanos de regular o calor do corpo depende da temperatura e da umidade do ar circundante. Temos uma temperatura corporal central que permanece relativamente estável a 37°C (98,6°F), enquanto nossa pele é mais fria para permitir que o calor flua para fora do corpo. Mas se a temperatura do bulbo úmido – uma medida da temperatura e umidade do ar – passar de 35°C, a alta temperatura da pele significa que o corpo é incapaz de se resfriar, com consequências potencialmente fatais.

“Se estiver muito úmido, nossos corpos não podem esfriar com a evaporação do suor – é por isso que a umidade é importante quando consideramos a habitabilidade em um lugar quente”, disse Yi Zhang, pesquisador da Universidade de Princeton que liderou o novo estudo, publicado na Nature Geociências. “As altas temperaturas corporais são perigosas ou mesmo letais”.

A equipe de pesquisa analisou vários dados históricos e simulações para determinar como os extremos de temperatura do bulbo úmido irão mudar à medida que o planeta continua a aquecer, descobrindo que esses extremos nos trópicos aumentam em torno da mesma taxa que a temperatura média tropical.

Isso significa que o aumento da temperatura mundial precisará ser limitado a 1,5°C para evitar o risco de áreas dos trópicos que excedam os 35°C em temperatura de bulbo úmido, que é assim chamada porque é medida por um termômetro que tem seu bulbo envolto em um úmido pano, ajudando a imitar a capacidade dos humanos de resfriar a pele evaporando o suor.

Condições perigosas nos trópicos ocorrerão mesmo antes do limite de 1,5°C, no entanto, com o jornal alertando que 1°C de aumento extremo da temperatura do bulbo úmido “poderia ter um impacto adverso à saúde equivalente ao de vários graus de aumento de temperatura”. O mundo já aqueceu cerca de 1,1°C em média devido à atividade humana e embora os governos tenham prometido no acordo climático de Paris manter as temperaturas em 1,5°C, os cientistas alertaram que esse limite pode ser rompido em uma década.

Isso tem implicações potencialmente terríveis para uma grande parte da humanidade. Cerca de 40% da população mundial atualmente vive em países tropicais, com essa proporção configurada para expandir para metade da população global até 2050 devido à grande proporção de jovens na região. A pesquisa de Princeton foi centrada em latitudes encontradas entre 20 graus ao norte, uma linha que corta o México, Líbia e Índia, até 20 graus ao sul, que passa pelo Brasil, Madagascar e o norte da Austrália.

Mojtaba Sadegh, especialista em riscos climáticos da Boise State University, disse que o estudo faz “um ótimo trabalho” ao analisar como o aumento das temperaturas “pode tornar partes dos trópicos inabitáveis na ausência de investimentos consideráveis em infraestrutura”.

“Se esse limite for violado, infraestruturas como abrigos de ar fresco são absolutamente necessárias para a sobrevivência humana”, disse Sadegh, que não esteve envolvido na pesquisa. “Considerando que grande parte da área impactada consiste em países de baixa renda, fornecer a infraestrutura necessária será um desafio.”

“Teoricamente, nenhum ser humano pode tolerar uma temperatura de bulbo úmido acima de 35ºC, não importa quanta água eles bebam”, acrescentou.

O estudo é apenas o mais recente alerta científico sobre os graves perigos do calor. Ondas de calor extremas podem empurrar partes do Oriente Médio além da resistência humana, descobriram os cientistas, com o aumento das temperaturas também representando enormes riscos para partes da China e da Índia.

O número global de eventos de umidade e calor potencialmente fatais dobrou entre 1979 e 2017, determinou a pesquisa, com as próximas décadas marcadas para ver até 3 bilhões de pessoas empurradas para além da faixa histórica de temperatura em que os humanos sobreviveram e prosperaram nos passados 6.000 anos.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SUSTENTABILIDADE

NEGLIGÊNCIA

SOFRIMENTO

PORTO ALEGRE (RS)

INSENSIBILIDADE

GOIÂNIA (GO)

MÉXICO

ACIDENTE

AMOR


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>