VIDA NOVA

Cachorro que mostrou pata ferida para pedir socorro é batizado de Quindim

Mariana Dandara | Redação ANDA

Sem nome, sem tutor e abandonado, o cão sofria na rua. Hoje, ele é amado pela equipe da clínica e tem um futuro feliz pela frente


Escute
Foto: Arquivo pessoal

Quindim, esse é o nome escolhido para o cachorro que entrou em uma clínica veterinária em Juazeiro do Norte, no Ceará, e mostrou sua pata ferida para pedir ajuda. O apelo comovente feito pelo animal tocou o coração da médica veterinária Dayse Silva, que não pensou duas vezes e passou a cuidar dele. Sem nome, sem tutor e abandonado, o cão sofria na rua. Hoje, ele é amado pela equipe da clínica e tem um futuro feliz pela frente.

“Ele tem TVT, que é tumor venéreo transmissível. É uma doença muito comum que é tratada com quimioterapia. Como eu poderia negar esse atendimento a ele?”, disse a veterinária em entrevista ao Fantástico, da Globo. Após se recuperar, o cachorro será disponibilizado para adoção e, graças a repercussão do caso, há vários interessados em dar um lar para ele.

“Ele está muito bem. Animado, esperto, bem diferente de quando chegou aqui. Já não tem nenhum sangramento e não dá sinais de que esteja sentindo dores. Reagiu bem à primeira sessão da quimioterapia e vamos avaliar a cada novo procedimento para saber quantas ele vai precisar fazer. Geralmente são realizadas entre quatro a sete sessões, mas analisaremos dia a dia”, afirmou Dayse.

De acordo com a veterinária, a maior parte dos pretendentes à adoção vivem em Juazeiro do Norte, mas pessoas de fora do estado do Ceará já entraram em contato demonstrando interesse em adotar o animal. “Eu tenho preferência que a pessoa seja aqui da região, porque vai ser um local que eu vou poder acompanhar pessoalmente as condições para abrigá-lo”, explicou Dayse ao G1.

Foto: Ricardo Rodrigues/Arquivo pessoal

Apesar de já ter conhecido o sofrimento de perto, o cachorro é apenas um filhote com cerca de 11 meses de vida. No entanto, a dor que ele experimentou – física, com a pata ferida e com o tumor, e psicológica, ao ser abandonado e provavelmente maltratado na rua – não faz mais parte da sua vida. Daqui para frente, Dayse pensa apenas em lhe fornecer os cuidados necessários e fazer uma boa triagem para encontrar o melhor lar possível para ele.

“Ele é um cachorrinho de médio porte, brincalhão, precisa de espaço para correr. Como todo animalzinho, ele vai precisar ir ao veterinário, de medicação, uma alimentação de qualidade e de vacinação. Não que ele seja diferente de outros animais, e também não precisa ser uma pessoa rica, mas que tenha a mínima condição financeira de mantê-lo”, explicou.

Após resgatar o cachorro, a médica veterinária iniciou uma campanha de arrecadação de fundos para custear as despesas do tratamento do animal, que passa o dia na clínica, recebendo cuidados, e à noite dorme na casa de Dayse, que decidiu oferecer lar temporário a ele.

A campanha, no entanto, superou as expectativas da veterinária, que estabeleceu uma meta de R$ 4 mil que foi batida em poucas horas. Os valores excedentes serão destinados a ONGs de proteção animal.

Entenda o caso

Quindim entrou na clínica veterinária no início deste mês de março. A cena, que num primeiro momento comoveu os funcionários do local, mais tarde emocionou também brasileiros do país inteiro que assistiram ao vídeo registrado pela câmera de segurança da clínica.

Nas imagens registradas pelo circuito interno de videomonitoramento do estabelecimento, é possível ver o exato momento em que Quindim chega ao local. Depois de passar pela porta, o cachorro fez movimentos com a pata, mostrando que estava ferido e precisando de auxílio.

Foto: Arquivo pessoal

A veterinária Dayse Silva, que também é proprietária da clínica, está acostumada a ver cachorros em situação de rua passando em frente ao estabelecimento, mas ficou surpresa ao ver que o animal entrou no local. Ela acredita que a ação dele pode ter sido motivada pelo cheiro dos outros cães que estavam na clínica, o que pode ter o atraído.

“Ele vive em situação de rua, não tem tutor, veio sozinho para cá. Olhei nas imagens da câmera que fica do lado de fora e vi ele deitado embaixo de uma árvore momentos antes de vir e entrar na loja”, contou ao G1.

“Ele chegou quietinho, mostrou a patinha e eu fui lá ver o que estava acontecendo e de pronto percebi que ele tinha um sangramento na região peniana, mas existia um problema bem maior que só diagnosticamos depois. Ele tem um tumor venéreo transmissível, comum em animais em situação de rua. Ele também tinha um ferimento causado por uma unha que estava encravada”, completou.

Para Deyse, ajudar o cachorro é motivo de felicidade. Membro de uma ONG que resgata animais abandonados, ela disponibiliza água e ração para os animais em situação de rua. Os potes são colocados em frente a sua clínica.

“Fico muito feliz em poder ajudar. É uma prática comum na minha clínica, se Deus permitir, ele vai encontrar um lar muito bom para ele”, concluiu.

Confira o vídeo do momento em que o cão entrou na clínica:


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RÚSSIA

FINAL FELIZ

CRUELDADE

CRISE ECONÔMICA

SINERGIA

MAUS-TRATOS

MAUS-TRATOS

PROTEÇÃO ANIMAL


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>