CRUELDADE

Porcos são torturados e vivem em condições precárias em fazenda na França

Jhaniny Ferreira | Redação ANDA

A unidade, que fornece a marca Herta, foi liberada por veterinários do estado francês e alegou estar tratando de preocupações


Escute
Foto: L214

Autoridades veterinárias francesas foram acusadas de publicar resultados de inspeção “falsamente tranquilizadores”, após as imagens secretas em uma fazenda parecerem mostrar porcos em condições que continuavam a violar os regulamentos após as alegações de abuso em dezembro.

A fazenda é fornecedora da marca Herta de salsicha, parte da Nestlé, na qual é vendida na maioria dos grandes supermercados do Reino Unido.

Em dezembro de 2020, a ONG francesa L214 divulgou imagens secretas que pareciam mostrar canibalismo suíno e outros problemas graves em uma fazenda que fornece a marca de carne suína Herta. A marca é 60% detida pela espanhola Casa Tarradellas e 40% pela Nestlé.

Essas alegações levaram a Waitrose a suspender as vendas dos produtos Herta e a Nestlé a interromper o fornecimento da fazenda para a Herta, enquanto se aguarda as investigações. Separadamente, o governo regional de Allier lançou seu próprio inquérito.

Foto: L214

Em 16 de dezembro, Allier efetivamente inocentou o criador de porcos de quaisquer acusações de maus-tratos. A declaração dizia: “Em geral, a fiscalização conclui que a fazenda está em boas condições e que não há grandes inconformidades”.

No entanto, novas imagens secretas supostamente filmadas em janeiro de 2021 e divulgadas hoje, parecem mostrar porcos em condições que continuam a violar as regulamentações francesas, disse L214. As infrações citadas pela ONG incluem: a ausência de qualquer feno, palha ou outro tipo de cama, sem água potável aparente, porcos com cauda cortada e piso inadequado.

legislação da UE que rege o bem-estar dos suínos estipula que eles “devem ter acesso permanente a materiais para fuçar, como palha, feno, madeira, serragem, composto de cogumelos, turfa ou uma mistura destes…” O corte de rabo de porco é proibido na UE, exceto em circunstâncias excepcionais.
Os veterinários contatados pelo “Guardian” e que assistiram às filmagens secretas também levantaram preocupações.

Vicky Bond, veterinária do Reino Unido e diretora da Humane League, descreveu as condições dos porcos mostradas na filmagem como abusivas e disse que os consumidores do Reino Unido “frequentemente não sabem que importamos produtos que estão abaixo das leis de bem-estar animal do Reino Unido”.

Falando a título pessoal, Alfonso Senovilla Labrador, um veterinário do serviço civil espanhol, disse que embora o vídeo não fosse tão ruim quanto alguns que ele tinha visto, havia várias infrações sociais que ele teria notado como parte de uma inspeção.

“Os mais importantes são a falta de água para alguns animais”, disse ele, bem como fendas excessivamente largas no piso de ripas onde os porcos podem prender os pés.

Em outra área, Senovilla notou que as pernas de um leitão recém-nascido estavam presas por um tipo diferente de ripas do piso. Sem ajuda, disse ele, o leitão provavelmente morreu. Senovilla também apontou áreas do estábulo que estavam em “condições excessivamente sujas”.

Walter Sánchez-Suárez, veterinário e consultor da ONG americana Mercy for Animals, disse que ficou impressionado com a higiene precária, piso inadequado e corte da cauda aparentemente “sistemático” – um procedimento que ele descreveu como doloroso. O corte da cauda, disse ele, visa evitar que os porcos mordam a cauda uns dos outros para aliviar o estresse “tipicamente causado por más condições ambientais e práticas de manejo”.

Sánchez-Suárez disse que a aparente escassez de água e materiais de enriquecimento – itens destinados a aliviar o tédio dos porcos – deveria ter visto a fazenda “considerada como não compatível com as atuais leis da UE”.

A L214 iniciou uma ação legal contra o estado francês por “falha dos serviços veterinários em cumprir sua missão”. Em um comunicado, a L214 disse: “Ao contrário do que os serviços veterinários alegaram em um comunicado de imprensa emitido em 16 de dezembro de 2020, [a área da fazenda de porcos] viola os regulamentos em uma infinidade de pontos: corte sistemático de caudas, animais feridos não tratados, falta de água para muitos animais, falta de materiais para ocupar os porcos, [partes de um] telhado desabando em um dos prédios”. As “inconformidades facilmente observáveis” deveriam ter sido notadas e sancionadas – diz ele

A ONG alegou ainda que os resultados da inspeção “falsamente tranquilizadores” levaram a Herta a reintegrar o criador de suínos como fornecedor e à Waitrose a reabastecer os produtos Herta.
Uma declaração ao The Guardian do governo regional de Allier, onde o criador de porcos está baseado, disse que embora houvesse alguns problemas de bem-estar, eles estavam sendo resolvidos.

Segundo o comunicado, embora a fiscalização “não tenha revelado quaisquer inconformidades graves”, houve “incumprimentos menores ou médios que justifiquem uma notificação formal à exploração, comunicada a 17 de Dezembro, solicitando-lhe o seu cumprimento”.

Acrescentou que uma visita de inspetores esta semana mostrou que “o operador realmente iniciou as medidas corretivas esperadas” e estava instalando equipamentos de irrigação e materiais de enriquecimento, substituindo as grades do piso e reduzindo o número de porcos em cada curral.

Foto: L214

Respondendo a perguntas do “Guardian”, Herta disse em um comunicado: “Esta fazenda foi suspensa da cadeia de abastecimento de Herta após alegações em dezembro. Foi realizada uma investigação, incluindo uma auditoria no local pelas autoridades francesas, que constataram que não havia ‘inconformidades graves’ e que a fazenda cumpre as normas legais e nacionais. E, portanto, a fazenda foi restaurada como fornecedora.”

Em nota, a Nestlé afirmou estar “fortemente comprometida com a melhoria do bem-estar animal em sua cadeia de abastecimento” e que condena todos os maus-tratos aos animais de criação. Manteve contato próximo com a Herta, acrescentou, e continuou “a apoiar todos os esforços para elevar os padrões da agricultura”.

A Waitrose disse que suspendeu novamente os produtos suínos da marca Herta enquanto investiga as novas filmagens. Outros grandes supermercados do Reino Unido estocam produtos de porco Herta e estão disponíveis online.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

ÓRFÃO

ARTIGO

DESACATO

GENTILEZA

DOR E SOFRIMENTO

EDUCAÇÃO

BENEFÍCIOS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>