CAMINHO OPOSTO

México regride políticas ambientais e volta a explorar minas de carvão

Júlia Faria e Castro | Redação ANDA

Com o agravamento da crise climática, Andrés Manuel López Obrador planeja comprar quase 2 milhões de toneladas de carvão térmico de pequenos produtores


Escute
Foto: Pixabay

Os homens do turno da meia-noite fumavam cigarros e contavam piadas com o brilho das luzes de seus capacetes enquanto se preparavam para ir para o subsolo. Eles estavam carregando equipamentos de segurança e bobinas de tubos em carrinhos de mão, prontos para um segundo turno, com início de trabalho ainda naquela semana.

“Estamos reativando a indústria”, disse Arturo Rivera Wong, que acabara de contratar mais 40 trabalhadores na mina que possui no cerrado do estado fronteiriço de Coahuila.

“Quatro fornos da grande termelétrica vão ser reativados”, explica. “Isso vai impulsionar as vendas de carvão.”

À medida que a crise climática se agrava e os preços da energia limpa despencam, os governos em todo o mundo têm desmamado suas economias de carvão e outros combustíveis fósseis.

O México está se movendo na direção oposta.

O presidente Andrés Manuel López Obrador, popularmente conhecido como Amlo, revelou planos para comprar quase 2 milhões de toneladas de carvão térmico de pequenos produtores como Rivera. Ele também planeja reativar duas usinas movidas a carvão na fronteira do Texas, que estavam sendo desativadas porque o gás natural e as energias renováveis assumiram um papel mais importante na matriz energética do México.

López Obrador não está apenas apostando forte nos combustíveis fósseis, ele também está reduzindo a energia limpa.

O presidente populista promoveu uma visão de soberania energética, na qual órgãos estatais – a petroleira Pemex e a Comissão Federal de Eletricidade (CFE) – bombeiam petróleo e geram eletricidade. Os atores privados, que investiram pesadamente em energia limpa, são relegados a um papel secundário na visão de López Obrador – enquanto as emissões e os compromissos climáticos são deixados para trás.

“Em vez de pensar em uma transição do carvão e dos combustíveis fósseis, ele está pensando em usar mais carvão e petróleo”, disse Adrián Fernández Bremauntz, diretor da Iniciativa Climática de México, uma organização ambientalista.

“Nenhum outro país do G20 tem políticas de energia tão anormais ou retrógradas como este governo”, acrescentou. “Isso não nos fará avançar em direção às nossas metas climáticas.”

As políticas de Amlo contrastam fortemente com as do governo Biden, que declarou que a crise climática representa uma “ameaça existencial” e revelou uma enxurrada de políticas para separar a economia dos EUA dos combustíveis fósseis.

O plano de investimento atual do CFE renuncia totalmente aos projetos de energia limpa. E um projeto de reforma da indústria de eletricidade recentemente enviado ao Congresso forçaria o CFE a comprar energia de suas próprias instalações, incluindo usinas a carvão, antes das energias renováveis.

López Obrador disse que seu governo vai reformar as instalações hidrelétricas do CFE, o que permitiria ao México cumprir seus compromissos climáticos de gerar 35% de sua eletricidade por meio de fontes renováveis.

Mas, para defender a prioridade dos combustíveis fósseis e o restabelecimento de uma indústria de eletricidade estatal, o governo mexicano repetidamente lançou dúvidas sobre a confiabilidade das energias renováveis – argumentando que a energia solar e eólica não são confiáveis e alegando que tiveram preferência sobre CFE projetos hidrelétricos.

E apesar dos furacões cada vez mais poderosos, secas e outras condições climáticas extremas que afligem a região, ela se manteve calada sobre a crise climática.

Depois que um apagão em dezembro mergulhou 10,3 milhões de clientes na escuridão, o CFE parcialmente culpou a interrupção da tarde nos níveis recordes de energia renovável que sobrecarregou a rede elétrica.

No passado, o México foi um líder climático. Foi o primeiro país em desenvolvimento a entregar seu plano de ação climática antes do acordo de Paris, mas tais ambições são agora tratadas com esmagadora falta de interesse por parte do governo.

“O acordo de Paris tem relevância zero para qualquer coisa que eles estejam falando no setor elétrico agora”, disse Jeremy Martin, vice-presidente de energia e sustentabilidade do Institute of the Americas.

A visão de López Obrador sobre os combustíveis fósseis e as empresas estatais deriva de sua criação no estado de Tabasco, rico em petróleo, numa época em que a Pemex era vista como o veículo para o desenvolvimento nacional. Empresas privadas e estrangeiros foram excluídos do setor de energia desde uma desapropriação de 1938.

Mas a abertura da indústria em 2013 incentivou uma onda de novos investimentos – muitos deles em energias renováveis. O México também introduziu leilões de energia limpa, que “estabeleceram preços recordes de como os desenvolvedores estavam fazendo ofertas para incluir energias renováveis na mistura”, disse Martin.

Esses leilões pararam depois que López Obrador assumiu o poder em dezembro de 2018. Anaid Velasco, diretor de pesquisas do Centro Mexicano de Direito Ambiental, descreveu a nova política do governo como: “Vou colocar obstáculos no caminho do setor privado, que mais investiu em renováveis e vou colocar a maior parte dos meus esforços – e pelo menos 80% do orçamento – em combustíveis fósseis.”

Mesmo com a pandemia do coronavírus causando miséria no México, López Obrador continuou a despejar financiamento na Pemex e não desacelerou a construção de uma enorme refinaria de petróleo de US$ 8 bilhões.

“Vamos resgatar a Pemex e o CFE”, Amlo costuma dizer, apelando para o nacionalismo e impugnando seus predecessores por abrirem o setor de energia a investidores privados e estrangeiros.

George Baker, um analista veterano da Pemex, comparou a retórica de Amlo sobre energia à fixação de Donald Trump em restaurar a indústria de carvão dos Estados Unidos. “É uma espécie de declaração de bem-estar no nível de ‘ Faça a América ótima de novo ’, disse ele.

López Obrador também demonstrou grande entusiasmo pelo carvão, que produz cerca de 9,5% da eletricidade do México. Em outubro, ele viajou para as regiões de mineração de carvão de Coahuila, para anunciar a reativação das usinas movidas a carvão da CFE. Ele chamou a energia limpa de “sofisma” para priorizar a iniciativa privada sobre a pública.

O compromisso do presidente com o carvão foi um alívio bem-vindo para mineiros como Rivera, cuja família trabalha nas minas há três gerações.

A mineração quase parou em 2019, quando o CFE parou de comprar em meio a planos de transição para uma fonte de energia mais limpa. Cerca de 10.000 mineiros perderam seus empregos.

Para se manter à tona, Rivera fechou a mina e vendeu 20 vacas e a casa que havia herdado de sua mãe. Alguns de seus funcionários foram forçados a roubar nozes para alimentar suas famílias.

Sua empresa agora extrai 700 toneladas de carvão por semana de sua mina, que fica sob o terreno árido de cactos e algaroba.

A região está repleta de minas de todos os tamanhos, desde poços artesanais, ou “pequenos buracos”, a operações em grande escala e a céu aberto. “Você cava 30 metros e extrai o carvão”, disse Javier Gómez Acuña, diretor da Prodemi, uma agência do governo estadual para promover a mineração. “Está em toda parte.”

As condições são frequentemente perigosas: 19 de fevereiro marca o 15º aniversário do desastre de Pasta de Conchos, que matou 65 mineiros.

À medida que a usina a carvão reabre mais fornos, Rivera espera aumentar a produção para 1.900 toneladas por semana.

“O que o presidente quer? Para reativar a economia porque 50% desta região depende da mineração”, disse Rivera.

Rivera não negou a crise climática e disse que a seca atingiu a região por três anos. “Nós definitivamente acreditamos na mudança climática e formas alternativas de produção de energia devem ser buscadas. Mas precisamos avançar aos poucos”, disse.

Os trabalhadores que se preparavam para reabrir as minas de carvão pareciam mais preocupados com o trabalho do que com o clima.

“Eles dizem que não vão mais comprar carvão por causa dessas lâmpadas solares e coisas assim”, disse Luis Alberto García. “Mas espero que sempre possamos vender carvão, porque ganhamos mais dinheiro com isso.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

SUSTENTABILIDADE

NEGLIGÊNCIA

SOFRIMENTO

PORTO ALEGRE (RS)

INSENSIBILIDADE

GOIÂNIA (GO)

MÉXICO

ACIDENTE

AMOR


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>