Ação humana

Antártica é o único continente livre da Covid-19 da Terra

Redação | Luana Capela

A continente gelado é o único lugar na Terra que não foi atingido pelo Covid-19. Uma equipe britânica está em uma missão para protegê-lo ao mesmo tempo que realiza uma pesquisa vital


Escute

Esta semana, 40 homens e mulheres sairão da quarentena e embarcarão no Navio Real de Pesquisa (RRS) James Clark Ross enquanto se preparam para navegar de Harwich, em Essex, para o Atlântico Sul. A missão deles é específica: tentar preservar as atividades científicas na Antártica, mantendo-a livre da Covid-19.

O continente é o único lugar na Terra que ainda está intocado pela pandemia – embora manter o vírus à distância tenha tido a um custo. Todos os principais projetos de pesquisa na Antártica foram interrompidos. Como resultado, nenhum cientista britânico sênior terá embarcado em uma missão ao continente este ano pela primeira vez em décadas.

Mas a Grã-Bretanha não está sozinha na interrupção de pesquisas na região, vista como vital para estudar as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade. A maior parte de outras nações que enviam cientistas para lá também estão pausando suas pesquisas por causa da pandemia.

“O problema é que simplesmente não temos o apoio logístico para levar os cientistas à Antártica, garantindo que possamos mantê-los livres da Covid”, disse Jane Francis, diretora da British Antarctic Survey (BAS). “No entanto, vamos manter todo o monitoramento de informações para que não haja lacunas em nossa coleta de longo prazo de dados meteorológicos, mantos de gelo e estatísticas de vida selvagem. Isso vai ser um empreendimento extremamente importante”.

Assim, caberá aos homens e mulheres que partirão de Harwich em 5 de novembro garantir que essas operações científicas básicas sejam mantidas na Antártica e que a importante coleta de dados seja realizada. Além disso, os equipamentos serão reparados e prontos para o recomeço das missões de pesquisa no próximo ano ou no posterior.

O James Clark Ross levará técnicos, mergulhadores, guias de campo e outros militares para que possam coletar dados, manter e executar equipamentos e colher amostras biológicas nos próximos meses.

Garantir que eles cheguem livres de coronavírus exigiu grande esforço do BAS. “Nosso objetivo principal é impedir que a Covid chegue à Antártica”, disse o chefe de operações, John Eager.

“Para isso, escolhemos uma equipe saudável e em boa forma a qual não se enquadra no grupo de risco”. Então, os colocamos em quarentena por 14 dias. E, por fim, confirmamos que o navio não atracaria em nenhum porto evitando qualquer risco de contaminação por coronavírus. Navegando diretamente para a nossa estação de pesquisa na Antártica”.

Esses esforços estão sendo realizados não por uma importância simbólica em manter a Antártica livre de coronavírus, acrescentou Francisco. “Estamos sendo muito, muito cuidadosos em manter o continente livre de vírus simplesmente porque se alguém ficasse realmente doente na Antártica, seria muito difícil tratá-los”.

O James Clark Ross levará cerca de oito semanas para chegar à estação principal do British Antarctic Survey em Rothera – através de seus outros centros de pesquisa em Signy Island, Ilhas Órcades do Sul, Bird Island e King Edward Point, ambos na Geórgia do Sul. O verão começará até lá. De fato, em Rothera, o gelo marinho já começou a derreter à medida que o tempo esquenta.

“A vida selvagem começou a retornar à estação, com focas-elefante e pinguins de Adélia começando a aparecer”, disse Robert Taylor, um guia de campo com base em Rothera, ao Observer na semana passada. “Normalmente, os cientistas estariam voando agora e estaríamos nos preparando para tirá-los dos projetos que eles teriam planejado. Mas todos foram adiados. Ficou muito quieto aqui”.

A decisão de reduzir as operações antárticas é um golpe para muitas áreas de pesquisa, em particular a ciência climática. As mudanças mais dramáticas que ocorrem devido ao aquecimento global estão ocorrendo nos polos. Na Antártica, o aquecimento das águas está derretendo muitas das grandes plataformas de gelo que se estendem da terra sobre o oceano, um avanço que ameaça provocar aumentos significativos no nível do mar em todo o planeta nos próximos anos.

“Precisamos desesperadamente realizar programas completos de pesquisa na Antártica”, disse Francis. “Tem muito a nos dizer, e em um ano esperamos que possamos retornar de onde paramos, com um grande número de cientistas. E então poderemos retomar todos os projetos que tivemos de adiar. Obviamente, isso não é garantido e talvez tenhamos de adiar as coisas por mais um ano. Só temos que esperar e ver o que acontece”.

O James Clark Ross está programado para retornar à Grã-Bretanha em março, trazendo para casa aqueles que passaram os últimos 12 meses no continente. Estarão voltando a uma nação que terá mudado drasticamente neste período, levantando sérias preocupações quanto ao seu futuro.

“A maioria de nós deixou o emprego para vir para a Antártica – supondo que, quando voltássemos, as coisas seriam bastante semelhantes a quando partimos. É claro que não será esse o caso ”, disse Taylor. “Por outro lado, tivemos sorte porque atualmente não corremos nenhum risco com a Covid e podemos interagir uns com os outros da maneira anterior à pandemia”.

Isso vai mudar quando Rothera e outros funcionários da estação voltarem ao Reino Unido, reconheceu Taylor. “Normalmente, voltar para casa significaria recuperar todas as liberdades que sacrificamos para vir para o sul, mas desta vez significa trocar as restrições comuns da Antártica pelo “novo normal”: distanciamento social, máscaras, ajustes de viagem e comportamento. Para completar, haverá o desafio adicional de tentar ver amigos e família novamente e, é claro, de encontrar trabalho”.

Ciência no limite

O British Antarctic Survey tem cinco centros principais de pesquisa no continente e em seus arredores.

Rothera é a principal estação de pesquisa do BAS. Tem um pequeno aeroporto e está situado na Ilha Adelaide, a oeste da Península Antártica. A equipe inclui engenheiros, eletricistas, um oficial de mergulho, um chef e um médico.

Bird Island, na Geórgia do Sul, é um centro de pesquisa em biologia de pássaros e focas. Situado na ponta noroeste da Geórgia do Sul, é considerado um dos locais de vida selvagem mais ricos do mundo.

King Edward Point, também na Geórgia do Sul, é uma estação de pesquisa marinha que desempenha um papel fundamental no monitoramento da pesca no Atlântico Sul.

Signy Island, no arquipélago das Ilhas Órcades do Sul, possui uma estação de pesquisa onde são realizados estudos do ecossistema antártico. Os Pinguins-Gentoo, Pinguins-de-Adélia e Pinguins-de-Barbicha se reproduzem ali, assim como os petréis gigantes do sul, os skuas marrons e o trinta-réis-antártico.

A Estação de pesquisa Halley é ocupada apenas no verão. No resto do ano, é monitorada remotamente. É um centro importante para observar as mudanças climáticas. As medições feitas ali levaram à descoberta, em 1985, de um enorme buraco na camada de ozônio da Terra. Há também uma grande colônia de pinguins-imperadores perto da base.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

DADOS ALARMANTES

ÓRFÃO

INVESTIGAÇÃO

ESTELIONATO

MORTE ACIDENTAL

ALARMANTE

NOVA CHANCE

DESUMANIDADE

SALVAMENTO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>