Grupo detido por explorar galos em rinhas é multado em R$ 2,7 milhões


Foto: Polícia Militar Ambiental

A Polícia Militar Ambiental encontrou 90 galos em situação de maus-tratos em uma fazenda no bairro Camanducaia, em Jaguariúna, no interior de São Paulo, e multou o grupo responsável por explorar as aves em rinhas.

Detidos, os criminosos foram encaminhados à delegacia e, além de terem sido multados em R$ 2,7 milhões, responderão por maus-tratos a animais.

Os galos viviam em ambientes pequenos e insalubres, sem ventilação e condições básicas de higiene. No local, a polícia encontrou quantidades insuficientes de água e comida disponibilizadas para os animais e apreendeu itens usados para intensificar os ferimentos entre os galos durante as brigas.

Até o momento, as aves permanecem com um dos envolvidos nas rinhas. Segundo a polícia, os animais esperam um local adequado que possa recebê-los.

Foto: Polícia Militar Ambiental

Levados à delegacia, os criminosos foram autuados pelo crime de maus-tratos, mas foram liberados após a assinatura de um Termo Circunstanciado de Ocorrência.

As rinhas de galos são proibidas pela Lei de Crimes Ambientais, que prevê pena de três meses a um ano de detenção e multa para quem “praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”.

A palavra “detenção”, neste caso, é usada para crimes considerados de menor potencial ofensivo, o que impede que os casos sejam punidos com rigor. Normalmente, os agressores de animais recebem punições alternativas, como a prestação de serviços à comunidade.

Foto: Polícia Militar Ambiental

Por conta dessa lei, que antes era usada não só para os galos, mas também para casos envolvendo cães e gatos, uma nova legislação foi proposta. Após alterações no Senado, a Lei Sansão passou a proteger apenas cachorros e gatos.

Com a recente sanção, a medida permitiu que a prisão em flagrante de um homem que agrediu o próprio cão a pauladas fosse convertida em preventiva pela Justiça em Maceió (AL), o que garantiu a manutenção da prisão.

Os galos, no entanto, não são contemplados pela nova lei e, por isso, os crimes cometidos contra eles não serão punidos com o mesmo rigor.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

MAUS-TRATOS

PROTEÇÃO ANIMAL

INESPERADO

ASCENSÃO

GRATIDÃO

INDEFESAS


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>