Presos em gaiolas, 200 galos explorados para rinhas são resgatados após maus-tratos


Foto: Divulgação/PCPR

A Polícia Civil resgatou cerca de 200 galos explorados em rinhas durante uma operação de combate aos maus-tratos a animais. Mandados foram executados na terça-feira (29) no Paraná, em Santa Catarina e em São Paulo.

Explorados desde o nascimento para as cruéis competições, os galos eram mantidos em pequenas gaiolas. Sem acesso ao sol, eles viviam em ambientes escuros, sem alimentação. Parte deles apresentava ferimentos.

Resgatados, os animais foram encaminhados para uma ONG de Campo Largo. “A gente tá arrumando um local para colocar, porque a gente não pode, num primeiro momento colocá-los juntos, a gente tem que ir adaptando e que eles se acostumem que eles não foram criados para brigar”, afirmou ao G1 a voluntária Mariane Mazzon.

A operação policial culminou na prisão de 12 pessoas. Uma delas, presa em Ponta Grossa, nos Campos Gerais, é apontada como líder da quadrilha. O grupo responderá por maus-tratos a animais, associação criminosa e promoção de jogo de azar.

“Essas rinhas são movimentadas mediante apostas, e elas podem pegar até seis anos de prisão”, afirmou o delegado Matheus Laiola. Outras quatro pessoas procuradas pela polícia não foram presas.

Foto: Divulgação/PCPR

Durante a ação, a polícia apreendeu medicamentos usados nas aves, além de armas. Certificados entregues aos participantes das rinhas também foram apreendidos.

Galos maltratados foram encontrados em Campo Magro e Ivaiporã, no Paraná, em Piraju, no interior de São Paulo, e em São Francisco do Sul, no litoral de Santa Catarina. Transportados por várias cidades para serem forçados a participar de rinhas, eles eram submetidos a condição degradantes.

“Eles viajavam com bicos amarrados e eram obrigados a ingerir anabolizantes em uma rotina torturante”, afirmou Laiola. Parte das aves era comercializada e os compradores eram participantes das rinhas.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

RECOMEÇO

BANALIZAÇÃO

CAZAQUISTÃO

DESMATAMENTO

BARBÁRIE


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>