Um dos piores encalhes da história da Austrália vitima 380 baleias-piloto


Baleias-piloto encalhadas na Tasmania, Australia | Foto Reprodução

No oeste Tasmânia, Austrália, cerca de 380 baleias-piloto foram encontradas mortas por equipes de resgate, que agora lutam para salvar as 30 que restam vivas.

Um grupo aproximado de 450 baleias-piloto de nadadeiras longas foram encontradas em bancos de areia e praias dentro do porto de Macquarie na terça-feira (22). Os resgates iniciaram-se imediatamente para salvar os mamíferos.

Inicialmente as equipes de resgate encontraram 270 baleias encalhadas perto da cidade de Strahan, mas na manhã de quarta-feira (23), mais 200 baleias foram descobertas encalhadas, a cerca de 10 km de distância no mesmo porto. Posteriormente, as autoridades confirmaram que todas do novo grupo encontrado morreram.

De acordo com as autoridades responsáveis pelo resgate, as baleias do segundo grupo provavelmente entraram no porto no mesmo momento que o primeiro encontrado e não foram detectadas. O porto tem cerca de 35 km de comprimento e cerca de 8 km de largura.

Cerca de 60 equipes de resgate lideradas pelo Programa de Conservação Marinha do governo da Tasmânia entraram no segundo dia de resgate nesta quarta-feira (23), focado em uma área chamada Fraser Flats ao norte do porto.

Segundo informações, cerca de 25 baleias foram retiradas dos bancos de areia e puxadas de barco para águas abertas na terça-feira (22), mas duas haviam retornado ao grupo principal encalhado. Outras 25 foram resgatados nesta quarta-feira.

Para Nic Deka, coordenador do resgate do Tasmania Parks and Wildlife Service, o foco neste momento é a luta para salvar as 30 baleias restantes e posteriormente a eliminação das baleias mortas. “Tentaremos resgatar o máximo de animais vivos remanescentes que pudermos”, salienta ele.

Baleias-piloto | Foto: Reprodução Pixabay

Questionado sobre por que as mais de 200 baleias não foram vistas antes, ele disse: “A água é de uma cor tanin muito escura e talvez eles tenham encalhado e depois levado de volta para a baía. Do helicóptero elas não pareciam estar em condições de resgate ”.

E reafirma que mesmo que as 200 baleias tivessem sido vistas na noite de segunda-feira, quando o grupo ao norte foi descoberto, era improvável que isso teria mudado sua estratégia.

Quando as primeiras 270 baleias foram descobertas, estima-se que cerca de 90 já estivessem mortas. “Ainda assim, teríamos concentrado nossos esforços nos Fraser Flats porque são eles que têm as melhores chances de sobreviver, é uma situação delicada”, comenta Nic.

Sobre o destino das baleias que morreram encalhadas, Deka informou que dois métodos estavam sendo considerados. Enterrar as baleias em um aterro sanitário era uma, ou rebocá-las para águas abertas e usar as correntes do oceano para mantê-las longe da costa era outra.

Ele disse: “Sabemos que não podemos deixá-los no porto porque eles apresentarão uma série de problemas. Estamos comprometidos em resolver esta situação também. ”

Além das 60 equipes de resgates disponibilizadas, mais 40 funcionários do governo e 20 voluntários, estão colaborando com o salvamento e cerca de 17 salva-vidas de surf com seis infláveis ​​e um barco de resgate a jato se juntaram aos esforços durante a terça-feira.

Como maneira de monitoramento das baleias resgatadas, etiquetas foram afixadas nas baleias nelas. As baleias-piloto são muito sociáveis ​​e precisam ser levadas para longe o suficiente do grupo principal para que retornem, como ocorreu com duas baleias que foram salvas, que voltaram ao local de encalhe.

Baleias-piloto | Foto: Reprodução Pixabay

O biólogo Dr. Kris Carlyon, do programa de conservação marinha da vida selvagem, salientou que não há responsabilidade humana sobre o ocorrido: “Não há nada que indique que este [encalhe] seja causado pelo homem. Este é um evento natural e sabemos que encalhes já ocorreram antes e sabemos disso pelo registro fóssil”.

“Quanto a se somos capazes de evitar que isso ocorra, há pouco que podemos fazer”, finaliza o biólogo.

A Dra. Karen Stockin, professora associada da Massey University na Nova Zelândia, é uma especialista em encalhes de baleias e golfinhos em todo o mundo e faz parte de um painel de especialistas da Comissão Baleeira Internacional sobre o assunto.

Segundo a especialista o encalhe do porto de Macquarie foi provavelmente o maior de todos os tempos da Austrália.

“É justo dizer que isso provavelmente ficará em terceiro ou quarto lugar globalmente [em termos de número de animais encalhados].”

As baleias-piloto de nadadeira comprida, que podem viver por até 40 anos, e são famosas por grandes encalhes, argumenta Stockin, por causa da forma como se unem em estruturas sociais estreitas. “Alguns permanecerão em suas ‘famílias’ por toda a vida”, disse ela.

Em uma declaração o ministro do meio ambiente da Austrália, Sussan Ley, disse: “É comovente ver essas baleias encalhadas em Tassie. Quero agradecer aos resgatadores que trabalham duro e todos os voluntários incríveis no terreno. ”

No momento governo da Tasmânia está liderando o resgate, mas o governo australiano também ofereceu apoio.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

AÇÃO SOCIAL

AÇÃO SOCIAL

PRECAUÇÃO

ÍNDIA

ESTUDO

ÓRFÃO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>