Home Destaques Grupo feminino de guardas-florestais protege animais selvagens de caçadores no Quênia

Grupo feminino de guardas-florestais protege animais selvagens de caçadores no Quênia

0
Grupo feminino de guardas-florestais protege animais selvagens de caçadores no Quênia
Grupo de guardas ambientais formado por mulheres, no Quênia | Foto Reprodução
Grupo de guardas ambientais formado por mulheres, no Quênia | Foto Reprodução

No Parque Nacional Amboseli, parque no sul do Quênia conhecido por propiciar uma visão nítida do Monte Kilimanjaro, oito mulheres têm ajudado a proteger elefantes, girafas e outros animais selvagens de caçadores. Elas formam a Team Lioness, um grupo de guardas-florestais totalmente femininos contra a caça que encontram neste exercício uma primeira oportunidade de emprego.

Uma instituição de caridade global de conservação, a International Fund for Animal Welfare formou a Team Lioness no início de 2019. Kiruyan Katamboi, uma líder da comunidade Maasai, desafiou o grupo a contratar mais mulheres como guardas florestais, levando à criação do grupo. Anteriormente, as equipes eram formadas somente por homens. Atualmente eles patrulham o Olugului / Olarashi Group Ranch (OOGR), parte do Parque Nacional Amboseli, junto com seus 68 colegas homens do Olugului Community Wildlife Rangers (OCWR).

Quebrando as barreiras de gênero

Os moradores da comunidade, assim como os próprios guardas-florestais homens, duvidavam que as mulheres pudessem realizar este trabalho também. Em seu dia-a-dia, elas enfrentam animais e humanos perigosos e tem patrulhas que podem cobrir uma área de até 12km. Formando grupos mistos (de homens e mulheres), eles falam com membros da comunidade, observando quaisquer possíveis pistas de caça e ajudando animais quando necessário.

“Antes eu pensava que não conseguiria”, disse a ranger Sharon Nankinyi. “Mas depois de treinarmos, nos tornamos mulheres muito fortes. Provamos para a comunidade que o que um homem pode fazer, uma mulher pode fazer melhor. ”

Com a pandemia do novo coronavírus vieram novos desafios. Isso porque a receita do Parque Nacional Amboseli caiu 90 por cento sem turismo e, por esse motivo, há menos patrulhas financiadas pelo governo. Com tantas pessoas desempregadas nas comunidades, algumas passaram a caçar carne de animais selvagens para sobreviver. No entanto, isso não propiciou um aumento na caça de elefantes, por exemplo, onde nenhum elefante foi morto no Group Ranch desde 2018, o que causou uma queda de 91% nos números.

Parque Nacional Amboseli ao fundo monte Kilimajaro | Foto: Reprodução Pixabay

“Atribuo o sucesso à dedicação dos guardas florestais e como construímos um relacionamento muito bom com a comunidade, que é nossa fonte principal fonte de informações”, salienta Patrick Papatiti, Diretor de Operações do OCWR.

Desafios e conquistas

O cenário pandêmico gerou além de desemprego, fechamento de escolas, preocupando moradores locais, da possível evasão escolar e o aumento de casamentos precoces. Os membros da Team Lioness e Papatiti esperam receber mais mulheres, segundo eles seu sucesso ajudou a quebrar as barreiras de gênero na comunidade Maasai.

“Antes não podíamos falar com os homens ao redor, não podíamos falar com nossos pais na mesa, compartilhar ou jantar ou tomar café da manhã todos juntos”, conta Nankinyi.


 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here