Início Notícias Falta de alimento devido à pesca pressiona orcas a interagir com seres...

Falta de alimento devido à pesca pressiona orcas a interagir com seres humanos

Orcas | ANDA
Orcas | ANDA
Pixabay

As orcas, o segundo mamífero a ocupar o maior espaço geográfico no mundo, atrás apenas do homem, têm apresentado um comportamento fora do comum enquanto nadam pelas águas do Atlântico; inclusive se aproximando, como nunca visto antes, da costa de Arrábida, território português.

Nesta época do ano, as orcas se direcionam ao norte da Espanha em busca de atum rabilho, o alimento preferido da espécie, que durante a primavera e verão incursa pelo Mediterrâneo. Em setembro, estes mamíferos extraordinários voltam ao Oceano Atlântico, onde passam o inverno.

Mas, recentemente, a conduta deste grupo de animais marinhos tem chamado a atenção de pescadores e cientistas. Além da aproximação da costa, marinheiros e velejadores relatam encontros preocupantes no mar. Só neste verão foram informadas 26 interações de orcas com embarcações, um número preocupante e um tanto curioso

Biólogos fazem acompanhamento

Pesquisadores orientados pelo CEMMA – Coordenador de Estudos de Mamíferos Marinhos, sediado em Galiza, Espanha, estão analisando de perto os detalhes destas interações. Estudam, inclusive, se esse comportamento é reflexo de mudanças no ecossistema ou pela disputa de atum com os pescadores.

Erroneamente conhecidas como uma espécie de baleia, as orcas integram à família dos golfinhos. Os biólogos atribuem a esse predador uma alta capacidade de adaptação e inteligência. Há relatos de tripulantes de embarcação pesqueira sobre a engenhosidade desses animais, que se apropriaram da pesca feita pelo navio.

Apesar da sua dieta regular ser rica em peixes, focas, moluscos e tartarugas; e, de não ter causado nenhum acidente com os seres humanos, entre esses registros recentes, os cientistas alertam para o perigo de interação com esses mamíferos. Afinal, são animais selvagens e predadores de topo, capazes de matar tubarões e baleias. Além disso, são espécies protegidas por leis nacionais e internacionais, e a sua caça é proibida.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui