Vacas grávidas são mortas em matadouros: ‘o filhote se debate, é uma crueldade’

Mariana
setembro 21, 2020

Foto: iStock

Autorizada por decreto federal, a matança de vacas grávidas no Brasil é uma prática cruel que gera sofrimento às mães e aos filhotes, que morrem por asfixia e são descartados como se fossem objetos sem valor.

No Rio Grande do Sul, onde uma legislação estadual proíbe que vacas em estado avançado de gestação sejam transportadas e considera infração matá-las, denúncias revelaram que 15 fêmeas em gestação foram levadas para um matadouro há duas semanas.

O UOL teve acesso a imagens que mostram pelo menos dez fetos de diferentes tamanhos no chão, todos mortos. Apesar de infringir legislação estadual, a matança de vacas grávidas não é punida no Rio Grande do Sul porque a lei não prevê multa aos infratores.

Nos matadouros, as vacas e seus filhotes são condenados a grande sofrimento. Além do estresse do transporte, a vaca vivencia sofrimento físico e psicológico no momento da morte. O feto, por sua vez, agoniza enquanto morre por asfixia. “Ele começa a se debater dentro da barriga. É uma crueldade”, afirmou ao UOL a fiscal agropecuária Raquel Cannavô.

Levadas ao matadouro, há vacas que entram em trabalho de parto antes de serem mortas. Outras têm o último período da gestação identificado pelos fiscais. Nos dois casos, esses animais retornam às fazendas, onde ficam até o décimo dia do pós-parto. Submetidas a uma doloroso processo de separação de seus filhotes, que gera sofrimento para ambos, as vacas retornam aos matadouros e têm suas vidas ceifadas.

A matança de vacas grávidas passou a ser observada com certa frequência no Rio Grande do Sul em 2017, quando a legislação federal foi modificada. No passado, quando uma fêmea em gestação era morta, seu corpo tinha que ser descartado. O prejuízo financeiro fazia os pecuaristas não mandarem vacas grávidas ao matadouro. Com a nova legislação, apenas o transporte ficou proibido, sem qualquer prejuízo financeiro para o produtor rural, que passou a matar vacas que gestavam filhotes.

Autos de infração eram expedidos no estado pelos fiscais agropecuários até o início de 2018. A prática, no entanto, deixou de ser realizada após a punição ser vetada em memorando interno da Diretoria do Departamento de Defesa Agropecuária (DDA) da Secretaria de Agricultura do Estado.

Comovidos com o sofrimento dos animais, fiscais pedem a revisão da legislação. Um abaixo-assinado da categoria já reuniu mais de 80 assinaturas favoráveis a uma nova lei.

Foto: Pixabay

“A gente quer que se puna de alguma forma os responsáveis. Se não tem punição, a gente fica de mãos atadas. Com certeza isso fere os preceitos do bem-estar tanto da vaca, que ao ser transportada passa por uma situação extremamente estressante, quanto para o próprio terneiro”, disse a vice-presidente da Associação dos Fiscais Agropecuários (Afagro), Beatriz Ferreira Scalzilli.

A Afagro revelou ao UOL que tenta agendar uma reunião com o secretário estadual Covatti Filho (PP), que revelou através de sua assessoria que o assunto deve ser tratado com a diretora do DDA, Rosane Collares. A diretora, por sua vez, disse desconhecer o caso. “Esse tipo de discussão tem que começar com a parte técnica, que somos nós. E isso não chegou até nós. Eu não fui provocada a fazer esse tipo de discussão”, afirmou Rosane, que lembrou que não há o que ser feito porque ela não tem “como aplicar multa”.

“É um problema quando se tem infração, mas não penalidade. A lei se torna obsoleta”, disse. Segundo ela, o entendimento do decreto federal, que não proíbe a matança das vacas grávidas, se sobrepõe à lei estadual.

O advogado Pedro Alfonsin tem uma visão diferente sobre o caso. “Lembro que a norma federal é um simples decreto enquanto no Estado é uma lei ordinária. Assim, em face ao princípio da precaução e da preservação ambiental deve ser prestigiada a legislação estadual estando esta em consonância com a Constituição Federal e legislação federal”, concluiu.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Você viu?

Escute Foto: Instagram @saminthewild_

Escute Pixabay O aquecimento

Escute Pixabay Os guepardos

Escute Shutterstock Fernanda* tem

Escute Divulgação A grande

Pixabay Líderes mundiais estão

Pixabay Fornando Tortato normalmente

Ativistas em defesa dos

Lincoln e seu amigo

Escute Pixabay Uma superenzima


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

__CONFIG_colors_palette__{"active_palette":0,"config":{"colors":{"cf6ff":{"name":"Main Color","parent":-1},"73c8d":{"name":"Dark Accent","parent":"cf6ff"}},"gradients":[]},"palettes":[{"name":"Default","value":{"colors":{"cf6ff":{"val":"rgb(243, 243, 243)","hsl":{"h":0,"s":0.01,"l":0.95}},"73c8d":{"val":"rgb(217, 216, 216)","hsl_parent_dependency":{"h":1,"l":0.85,"s":-0.05}}},"gradients":[]}}]}__CONFIG_colors_palette__
OK
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
>