Ação humana

A degradação do meio ambiente promove o surgimento de doenças como a Covid-19

Isso foi concluído pelo último relatório da perspectiva global da biodiversidade da ONU, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)

Pixabay
Pixabay

A deterioração da natureza é uma oportunidade para novas doenças, como o coronavírus SARS-CoV-2. No entanto, mesmo que não tenhamos muito tempo para evitar uma crise ambiental, ainda podemos evitá-la, como aponta o último relatório sobre a perspectiva global da biodiversidade da ONU, publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).

Este relatório, publicado em meio à pandemia, afirmou que a situação ambiental é preocupante no planeta e para tentar encontrar uma solução, devem ser tomadas medidas para garantir o bem-estar humano e a proteção do planeta para evitar a perda contínua da biodiversidade e a degradação dos ecossistemas.

Embora as diversas medidas tomadas no âmbito das agências especializadas da ONU, tenham dado frutos desde 2010 e que sem elas a situação ambiental atual seria ainda pior, teria que aumentar os esforços para que a maioria dos países protejam a biodiversidade.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

De acordo com o estudo, teríamos que esquecer a frase “seguir como sempre” em toda uma gama de atividades humanas e restaurar os ecossistemas dos quais a atividade humana depende, reduzindo o impacto negativo dessa atividade, uma vez que as mudanças climáticas que afetam a biodiversidade têm sido causadas pelo homem.

As Nações Unidas defendem mudanças na terra e nas florestas para enfrentar a degradação ambiental, promovendo a transição para a agricultura sustentável e formas saudáveis de alimentação por meio da moderação do consumo de carne e peixe e a adoção de dietas que propõem, prioritariamente, produtos vegetais.

Além disso, recomenda-se adotar um sistema de pesca sustentável para melhorar a situação nos oceanos, instalar infraestrutura “verde” nas cidades, melhorar a qualidade da água, eliminar gradualmente os combustíveis fósseis e melhorar a transição para um sistema de saúde que leve em conta a biodiversidade na melhoria da saúde humana.

A ONU ressalta a necessidade de “viver em harmonia com o meio ambiente” até 2050 e cita no relatório o último estudo do Fundo Mundial da Natureza, publicado em 10 de setembro, que alerta para a preocupante redução, entre 1970 e 2016, de espécies protegidas pela extinção.

De acordo com o estudo, a pandemia Covid-19 deve ser usada para enfrentar o problema das mudanças climáticas e reduzir o risco de futuras pandemias. Por enquanto, os esforços globais falharam em resolver a crise da biodiversidade, nem atingiram as metas acordadas em vários acordos internacionais para evitar a extinção de um milhão de espécies.

Embora seja possível evitar, a deterioração ambiental continua. O relatório exorta os líderes mundiais a tomar as medidas necessárias agora para permitir que a natureza se recupere e reverta a tendência de perda da biodiversidade, protegendo áreas naturais e restringindo a exploração excessiva da vida selvagem.

Entre 78 e 91 bilhões

Reconhece-se que, nos últimos anos, o financiamento para a biodiversidade, público ou privado, permaneceu constante e até aumentou em alguns países. Anualmente, estima-se que entre US$ 78 e US$ 91 bilhões estão disponíveis globalmente, o que não corresponde ao custo real de algumas necessidades bilionárias.

O estudo crítica políticas que apoiam atividades prejudiciais à biodiversidade, como subsídios a combustíveis fósseis ou agricultura intensiva. Especialistas da ONU insistem que agir pela biodiversidade é essencial para enfrentar as mudanças climáticas, a segurança alimentar e a saúde a longo prazo.

Para os autores do estudo, apenas 33% da população mundial vive em países onde existem políticas de biodiversidade e medidas de conservação sustentáveis das quais são tomadas. Por outro lado, há cerca de 91 países que aplicam normas que integram o meio ambiente em seus sistemas orçamentários nacionais, o dobro do que em 2006.

Especialistas estimam em cerca de US$ 500 bilhões a quantidade de subsídios governamentais que podem prejudicar o meio ambiente e exigir que 1,7 « Terras » seriam necessários para regenerar os recursos biológicos usados pelos seres humanos entre 2011 e 2016, observou o estudo.

A ocupação, pelo homem, de áreas localizadas em áreas-chave para a biodiversidade, só aumenta. Em 2000 houve um aumento de 29% e atualmente é de 43%. Estima-se também que 60% dos recifes de corais estejam em perigo, pela pesca intensiva e que 1940 raças de animais domesticados estejam ameaçadas de extinção.

No entanto, nem tudo são más notícias porque estima-se que existam atualmente 163 milhões de fazendas, 29% do total global, que praticam métodos sustentáveis ou que o desmatamento global caiu 33%, em comparação com os últimos cinco anos, com os percentuais da primeira década deste século.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui