Crime

Polícia combate crueldade animal em operação contra o tráfico de marfim

A PF estima que mais de 50 mil elefantes sejam mortos todos os anos para a retirada do marfim

Foto: Divulgação/PF
Foto: Divulgação/PF

Uma operação contra o tráfico de partes de animais exóticos, especialmente de marfim, foi realizada pela Polícia Federal nesta terça-feira (15), com a execução de 11 mandados de busca e apreensão. Endereços de São Paulo foram alvo das autoridades.

A PF estima que mais de 50 mil elefantes sejam mortos todos os anos para a retirada do marfim. Os mandados executados pela polícia têm como foco pessoas suspeitas de importar, adquirir ou comercializar obras de arte feitas com o material.

Em um dos endereços, um homem contra o qual a PF tinha um mandado de busca e apreensão foi preso por porte ilegal de armas e munição.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

A operação, realizada com a participação do Ibama e da Polícia Ambiental de São Paulo, foi batizada de “Marfim”. As autoridades descobriram que os objetos produzidos com o material eram vendidos aos domingos em barracas no vão livre do Masp, na Avenida Paulista.

A Polícia Federal informou ao G1 que os investigados terão que prestar contas sobre a origem do marfim apreendido e poderão responder por contrabando ou receptação dolosa qualificada. Os objetos serão submetidos à perícia.

Por ser uma das principais causas da redução das populações de elefante, especialmente na África, o comércio de marfim foi proibido por diversos países.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui