No limite

Floresta ameaçada é desmatada para plantio de maconha no Paraguai

Funcionários do governo e representantes de ONGs dizem que é necessário mais fiscalização no terreno

Pixabay
Pixabay

Estendendo-se entre Brasil, Argentina e Paraguai, a Mata Atlântica do Alto Paraná é uma das eco regiões mais biodiversas do planeta. Um único hectare pode hospedar 450 espécies de árvores diferentes, e mais de 90% de suas espécies de anfíbios e 50% de plantas são endêmicas, o que significa que não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo.

O Alto Paraná também é uma das florestas mais ameaçadas do mundo. A ecorregião foi quase totalmente desmatada no Brasil, e a Argentina possui as maiores áreas remanescentes de habitat conectado. No Paraguai, estudos estimam menos de 10% de restos , principalmente como ilhas florestais fragmentadas espalhadas por uma paisagem desprotegida e sem proteção.

O Alto Paraná faz parte da grande Mata Atlântica, considerada uma das florestas mais diversas e biologicamente ricas do mundo e abriga 264 espécies conhecidas de mamíferos e 936 espécies de aves. A Mata Atlântica abrange 15 eco regiões que originalmente cobriam mais de 1,3 milhão de quilômetros quadrados (502.000 milhas quadradas) do Brasil, Paraguai e Argentina. Mas décadas de desmatamento cobraram um preço e menos de 13% permanece hoje.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

A agricultura é a força motriz do desmatamento no Paraguai, com muitas das florestas do país desmatadas legalmente para dar lugar aos campos de gado, soja, milho e cana-de-açúcar nos últimos meio século. Em média, quase 8.000 hectares (19.768 acres) são destruídos anualmente para esses fins, segundo o Instituto Nacional de Florestas do Paraguai.

Mas o desmatamento ilegal também é um problema no país, ao qual nem as poucas áreas protegidas do país estão imunes. Uma investigação conjunta de Mongabay e La Nación encontrou parcelas recentemente liberadas para o cultivo de maconha em vários parques nacionais e reservas que abrigam alguns dos maiores remanescentes do Paraguai na Floresta Atlântica do Alto Paraná.

Uma ameaça persistente

De acordo com o World Wildlife Fund (WWF), 9.107 hectares (22.503 acres) foram desmatados na Reserva Bosque Mbaracayú, Parque Nacional San Rafael, Reserva Morombí e Parque Nacional Caazapá desde 2004, dos quais agora são pelo menos 2.350 hectares (5.806 acres). Plantações de maconha. Segundo a Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD), foram apreendidas 81.871 quilos de maconha e 797 parcelas foram destruídas na porção paraguaia da Floresta Atlântica do Alto Paraná entre 2015 e 2020.

Em fevereiro, agentes da SENAD realizaram uma intervenção em Morombí, onde descobriram e destruíram 202 hectares de maconha, 23 campos de narcotráfico e 70 fogões usados ​​para converter árvores derrubadas em carvão.

“Está ficando fora de controle”, disse Rodrigo Zárate, diretor da organização de conservação Guyrá Paraguai, focada na Mata Atlântica.

Segundo os pesquisadores, as primeiras plantações de maconha no Paraguai foram estabelecidas na década de 1980 por traficantes brasileiros que fugiram de seu país devido ao rígido controle policial e militar sobre a terra.

“Eles trouxeram a semente e forneceram o dinheiro”, disse Vladimir Jara, jornalista que escreve sobre o tráfico de drogas. ”Eles não sofreram pressão porque sabiam que a planta poderia crescer mesmo com o mínimo cuidado”. Então eles voltaram para levar a mercadoria pronta. Jara acrescentou que “não havia como os moradores se recusarem a trabalhar nas parcelas de maconha como cultivadores e capatazes”, pois eles ganhavam muito mais do que ganhariam com as lavouras legais.

Jara diz que a primeira referência de intervenção do governo nas plantações de maconha remonta a 1989, meses após a derrubada do ditador paraguaio Alfredo Stroessner.

“De acordo com a Diretoria Nacional de Narcóticos – hoje conhecida como Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD) – várias colinas em Pedro Juan Caballero [cidade paraguaia] foram fumigadas usando uma pequena aeronave”, disse Jara ao Mongabay.

1992 foi um ano chave. Durante a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento no Rio de Janeiro, o general Andrés Rodríguez, então presidente do Paraguai, apresentou um projeto para proteger as florestas através da criação de parques nacionais e reservas públicas e privadas. Essa iniciativa deu origem à aprovação em 1994 da Lei 354, que criou o Sistema de Áreas Protegidas do Paraguai.

No papel, o país parecia estar caminhando para uma maior proteção de suas florestas. No entanto, a realidade no terreno era muito diferente. As condições ideais de cultivo e a madeira valiosa atraíram agricultores e madeireiros dispostos a contornar a lei para ganhar algum dinheiro. Em 1994, quando a Lei de Áreas Protegidas foi promulgada, o leste do Paraguai tinha cerca de 43.000 km2 de cobertura florestal, segundo o Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (MADES). Hoje, 27.000 quilômetros quadrados (10.400 milhas quadradas) permanecem, de acordo com dados do National Forestry Institute. Em outras palavras, a região perdeu cerca de 38% de sua cobertura florestal nos últimos 26 anos, apesar dos esforços do governo para protegê-la.

“Estamos realmente no limite”, disse um representante do Ministério do Meio Ambiente que desejava permanecer anônimo.

Proteção e impunidade

Atualmente, 64 guardas florestais do parque têm a tarefa de monitorar todas as áreas protegidas do Alto Paraná no Paraguai e são supervisionados pelo braço de Proteção e Conservação da Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (MADES). Esse número é lamentavelmente inadequado, segundo o diretor do MADES, Darío Mandelburger, que afirma que o número ideal de pessoas no local deve ficar em torno de 500 e incluir monitores florestais e guias especializados, além de guardas florestais.

“Na realidade, estamos muito longe desses números”, disse Mandelburger ao Mongabay.

Proteger essas áreas é um trabalho perigoso. Os guardas florestais do parque relatam ter recebido ameaças de traficantes de drogas e madeira, e alguns começaram a usar coletes à prova de balas depois que três guardas florestais foram mortos a tiros por invasores supostamente ligados ao tráfico de drogas.

“Ameaças e intimidações acontecem quase todos os dias”, disse um guarda florestal. ”O problema é que somos da área, eles nos conhecem, nos conhecemos, às vezes isso pode ser uma vantagem, mas às vezes não”. Ninguém quer ser um mártir.

Os afiliados às ONGs também relatam condições perigosas no terreno.

“Ameaças constantes em diferentes setores dificultam o trabalho na conservação das florestas”, disse Zárate a Mongabay. “Você tem que lidar com a plantação ilegal, a extração de madeira e os assentamentos das aldeias que estão nas proximidades”.

Existem pelo menos 110 assentamentos na área de influência da Reserva Bosque Mbaracayú, Parque Nacional San Rafael, Reserva Morombí e Parque Nacional Caazapá, segundo dados do Instituto Nacional de Desenvolvimento Rural e Terrestre. Fontes dizem que a participação local no cultivo e extração de maconha é quase universal, mesmo entre aqueles que têm negócios agrícolas legais.

Segundo fontes que trabalham nessas áreas protegidas, os traficantes de drogas costumavam deixar as árvores mais altas para esconder as plantações de maconha. Mas eles dizem que nos últimos dois anos houve um desmatamento total das árvores; os mais valiosos são vendidos para madeira e o restante é transformado em carvão vegetal. Depois que as árvores são cortadas, as plantações de maconha são plantadas em campo aberto.

No entanto, apesar da ilegalidade de cultivar uma colheita ilícita em uma área protegida, parece que aqueles que o fazem podem não ser processados. O sistema judicial nas regiões de Canindeyú, Caaguazú, Itapúa e Caazapá, onde essas áreas protegidas convergem, não registra ninguém que tenha acabado preso por acusações de desmatamento entre 2015 e 2020.

“Com base em julgamentos legais, não houve registros de resolução sobre desmatamento e extração de madeira – especificamente da Câmara Criminal do Supremo Tribunal de Justiça”, disse um representante do Instituto de Investigações Jurídicas, que se reporta ao Supremo Tribunal e é responsável pelas estatísticas judiciais do país.

Em 2019, 16 investigações sobre o tráfico de madeira foram conduzidas pelas autoridades. Destes, 10 focaram na região de Caaguazú, no Paraguai. Segundo o Judiciário, 44 ​​pessoas foram condenadas por violar leis ambientais entre 2014 e 2019. No entanto, nenhuma dessas acusações incluía atividades de desmatamento; os condenados foram condenados a serviço comunitário ou pagaram uma multa.

Somente em Mbaracayú, 16 queixas sobre encomendas de maconha foram registradas no Ministério Público em 2019, mas nenhuma levou a uma investigação judicial.

Augusto Salas, vice-promotor da Unidade de Meio Ambiente do Ministério Público, pede uma participação judicial mais forte para eliminar a impunidade por crimes ambientais: “às vezes eles riem de nós quando pedimos sentenças mais longas, como vários anos de prisão por aqueles que cortam florestas”.

Salas acrescentou que a única maneira de ver para impedir a destruição das florestas remanescentes do Paraguai é instalar destacamentos militares em áreas protegidas.

“Francamente, não vejo outra saída; estamos tendo muitos problemas por todos os lados”, disse Salas. “É triste, mas estamos fazendo tudo o que podemos.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui