Caça aos rinocerontes cai em 63% em 2020 na Namíbia


Pixabay

A caça a rinocerontes caiu 63% na Namíbia. Até o momento, em 2020, 17 rinocerontes foram caçados no país. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente e Turismo, foram 46 ocorrências registradas em 2019. Este ano, foram 17.

Essa é uma queda significativa desde 2015. Após a propagação da crise da caça de rinocerontes na África do Sul, 80 rinocerontes foram mortos naquele ano, de acordo com a Save the Rhino.

A Namíbia abriga a segunda maior população de rinocerontes-brancos do mundo. Junto com a África do Sul e o Quênia, a Namíbia abriga cerca de 87% da população mundial de rinocerontes-negros.

A caça de elefantes também caiu na Namíbia; este ano, houve dois casos relatados. No ano passado, foram registrados 13. Segundo o ministério, a queda se deve à intensificação das operações de inteligência. Sentenças mais duras e multas mais altas para os caçadores também são um fator. O primeiro aumentou de 20 para 25 anos e o último passou de cerca de 200.000 dólares namibianos para 25 milhões de dólares namibianos. Em reais é um salto de R$ 65.380,00 para R$ 8.172.500,00

Romeo Muyanda, porta-voz do ministério, afirmou em nota: “Outro fator é a excelente colaboração com as agências de aplicação da lei, como a Polícia, a Força de Defesa e a Inteligência Central de Namíbia”.

No início deste ano, Pohamba Shifeta, o Ministro do Meio Ambiente e Turismo da Namíbia, afirmou que “uma série de capacitações” para o pessoal de gestão da vida selvagem foi realizada em 2019. Eles explicaram: “Isso incluiu treinamento para investigações financeiras e auditorias de estilo de vida; inteligência e intercâmbios internacionais para facilitar o compartilhamento de informações entre vários parceiros, [e o] reforço de capacidade e confiança entre os serviços responsáveis pela aplicação da lei.”

Shifeta acrescentou que “fornecer incentivos para as comunidades da vida selvagem” também era uma prioridade, além de apoiar os “homens e mulheres no terreno” com patrulhas diárias, vigilância e detecção.

Na África do Sul, as estatísticas também mostraram um declínio na caça de rinocerontes no início deste ano. O país abriga mais rinocerontes que a Namíbia e geralmente tem mais casos de caça. Em 2018, 769 rinocerontes foram caçados – o número caiu para 594 em 2019. Muyanda disse que a pandemia da COVID-19 não foi um fator importante na queda da caça na Namíbia.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

NOVO LAR

COMPAIXÃO

GANÂNCIA

CAMINHO OPOSTO

ÁFRICA DO SUL

ESTADOS UNIDOS

CRUELDADE

ESTUDO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>