Milhares de ovelhas exportadas em navio morrem de sede e fome


Pixabay

Cerca de 3 mil ovelhas sucumbiram às péssimas condições da exportação de animais vivos e morreram após serem impedidas de entrar na Arábia Saudita, para onde tinham viajado. O país rejeitou as ovelhas após duvidar da eficiência da quarentena imposta a elas.

No total, foram transportadas 58 mil ovelhas na embarcação. Amontoadas, elas viajam em espaços reduzidos que as impedem até de deitar para descansar. Em meio aos próprios excrementos, esses animais sofrem e passam fome e sede.

Foi justamente a falta de alimento e água que matou as 3 mil ovelhas. Parte delas, no entanto, também sofreu afogamento, segundo o governo do Sudão, de onde saíram.

Os animais foram devolvidos, tendo que suportar novamente um transporte cruel, após o país de destino descobrir que parte deles não tinham sido vacinada contra determinadas doenças.

Antes da exportação, segundo o The Guardian, as ovelhas são mantidas em quarentena e recebem vacinas contra a HS (septicemia hemorrágica), a PPR (Peste des petits ruminants) e a febre do Vale Rift.

O ministro sudanês Adil Farah disse que teve problemas nas quarentenas em alguns locais, especialmente no leste do Sudão, nos estados de Kassala e Gadarif. “As áreas de quarentena de animais são abertas, então alguns dos exportadores trapaceiam e podem ter entrado depois de vacinarmos os animais para substituir alguns deles, esse é o problema”, disse.

Milhares das ovelhas mortas perderam a vida após beberem a água salgada do Mar Vermelho, enquanto aguardavam para retornar ao Sudão.

Atualmente, mais de 70% da carne consumida na Arábia Saudita vem de animais exportados do Sudão. Os que sobrevivem às terríveis viagens são mortos quando chegam ao destino final, depois de serem submetidos a um percurso cansativo, em ambiente insalubre.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.



Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.

Você viu?

VISIBILIDADE

CANADÁ

ABRAÇO ANIMAL

DENÚNCIA

JAPÃO

PRESERVAÇÃO

DESESPERO

CONSOLO


LEIA EM PRIMEIRA MÃO AS NOTÍCIAS MAIS ANIMAIS DO MUNDO

>