Dúvidas

Iniciativas que visam a preservação de pandas falham em proteger outros mamíferos

Animais, incluindo leopardos, quase desapareceram em habitats protegidos

Pixabay
Pixabay

Os esforços para proteger o panda gigante falharam na proteção de grandes mamíferos que compartilham seus habitats, de acordo com pesquisas que mostram declínios drásticos nos números de leopardos e outros animais.
Em seu esforço para salvar o panda-gigante, a China reprimiu caçadores, proibiu o comércio de couros de panda e mapeou dezenas de habitats protegidos.

É considerado um dos programas mais ambiciosos e de alto nível para salvar uma espécie da extinção — e funcionou. O panda foi removido da lista de espécies ameaçadas da União Internacional para Conservação da Natureza em 2016, embora permaneça “vulnerável”.

Mas um estudo publicado na segunda-feira na revista Nature Ecology and Evolution lançou dúvidas sobre a ideia de que os esforços para proteger o panda ajudam automaticamente todos os outros animais em seu território.
Os pesquisadores descobriram que o leopardo, o leopardo das neves, o lobo e o dhole — também conhecido como cão selvagem asiático — quase desapareceram da maioria dos habitats protegidos para pandas-gigantes desde 1960.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

As descobertas “indicam a insuficiência da conservação do panda-gigante para proteger essas grandes espécies de carnívoros”, disse Sheng Li, da Escola de Ciências da Vida da Universidade de Pequim, que liderou a pesquisa.

Os autores compararam dados de pesquisas das décadas de 1950 a 1970 com informações de quase 8.000 armadilhas fotográficas realizadas entre 2008 e 2018.

Eles descobriram que os leopardos haviam desaparecido de 81% das reservas de pandas-gigantes, os leopardos da neve de 38%, os lobos de 77% e os dholes de 95%.

Os predadores enfrentaram ameaças de caçadores, exploração madeireira e doenças, segundo o estudo.

Os autores disseram que o principal desafio era que, embora os pandas possam ter uma área de até 13 quilômetros quadrados, os quatro grandes carnívoros podem percorrer apenas uma área superior a 100 quilômetros quadrados.

Sheng Li disse à AFP que as reservas individuais de pandas — tipicamente de 300 a 400 km² — eram pequenas demais para sustentar uma “população viável de grandes carnívoros, como leopardos ou dholes”.

A conservação dos pandas ajudou a proteger outros animais, disse ele, incluindo pequenos carnívoros, faisões e pássaros canoros. “A falta de proteção de grandes espécies de carnívoros não apaga o poder do panda-gigante como um guarda-chuva eficaz que abrigou muitas outras espécies”, acrescentou.

Mas ele pediu que a conservação futura visse além de uma única espécie, ou animais com “enorme carisma”, para se concentrar na restauração mais ampla de habitats.

Ele afirma que espera que isso possa ser alcançado como parte de um novo parque nacional de pandas-gigantes, um programa de longo prazo que uniria habitats existentes ao longo de milhares de quilômetros para permitir que populações isoladas se misturassem e potencialmente se reproduzissem.

A recuperação de grandes populações de carnívoros “aumentaria a resiliência e a sustentabilidade dos ecossistemas, não apenas para os pandas-gigantes, mas também para outras espécies selvagens”, acrescentou o pesquisador.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui