Tráfico de animais

Cingapura destrói presas de marfim que custaram a vida de 300 elefantes

Pixabay
Pixabay

Cingapura anunciou hoje (11) a destruição de nove toneladas de marfim como símbolo da luta do país contra a caça e tráfico de elefantes. A quantidade de presas inutilizadas correspondem a morte de 300 de elefantes. Cingapura é uma cidade-estado utilizada como ponto de passagem náutico para o embarque e travessia de produtos de origem animal entre a África e Ásia.

A destruição das presas de marfim foi transmitida on-line. As imagens mostram agentes com capacetes esvaziando carrinhos de presas em uma caçamba, onde foram pulverizadas por um triturador industrial de pedras. O processo de britagem pode levar alguns dias. Os fragmentos serão incinerados. A ação foi realizada em alusão ao Dia Mundial do Elefante, celebrado dia 12 de agosto.

Autoridades do país afirmam que a destruição do marfim é a principal forma de impedir que as presas entrem no mercado e alimentem a cadeia mundial do tráfico de partes de animais. Estima-se que pelo menos 100 elefantes são mortos diariamente por caçadores em busca de marfim, carne e partes do corpo do animal. Grande parte da demanda por marfim vem de países asiáticos como China e Vietnã, onde é transformado em joias e enfeites.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui