Ilegalidade

Polícia interdita fábrica clandestina de carne que funcionava em condições insalubres

Ainda não se sabe qual é a origem da carne - portanto, não há informações sobre a forma como os animais foram mortos, podendo ter existido mais crueldade do que já é padrão na indústria

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A polícia interditou na terça-feira (4) uma fábrica clandestina de carne seca em Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Carlos José Castro da Silva, proprietário da fábrica, foi preso em flagrante.

Ainda não se sabe qual é a origem da carne – portanto, não há informações sobre a forma como os animais foram mortos, podendo ter existido mais crueldade do que já é padrão na indústria, visto que a matança clandestina de animais costuma ser bastante cruel.

Carlos José responderá pelos crimes de venda de produto impróprio para consumo e estelionato, por usar rótulos falsos na carne. A polícia investigará ainda os compradores do produto.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A polícia informou ao G1 que o estabelecimento não tinha documentação para funcionamento e era mantido em péssimas condições de higiene.

No local, carnes foram encontradas em tonéis sujos, misturadas com produtos químicos e em embalagens com a identificação “Charque Lagos”.

As datas de fabricação e vencimento dos produtos eram colocadas pelo dono da fábrica, seguindo seus próprios critérios, sem qualquer controle e com selo falso da Secretaria de Agricultura.

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui