Final feliz

Cachorro que sofreu preconceito por ter deficiência encontra um novo lar

Após viver em um abrigo para animais e até ser devolvido por uma família que o adotou, Brodie encontrou tutores dispostos a amá-lo para sempre

Foto: Amanda Richter / SWNS.COM
Foto: Amanda Richter / SWNS.COM

Brodie é um cachorro especial. Mas não é só sua aparência física que o torna singular, mas também seu coração doce e amável. E foi a singularidade do seu coração que chamou a atenção de seus novos tutores. Para eles, sua deficiência não significava nada.

Todo o preconceito que viveu durante o tempo em que passou vivendo em um abrigo para animais em Alberta, no Canadá, ficou no passado. Adotado por Amanda Richter e Brad Ames, o cachorro vive uma vida feliz, repleto de amor e cuidados.

A deformidade em seu rosto foi causada por um acidente na infância. Quando tinha apenas 13 dias de vida, Brodie foi mordido por sua mãe. O ferimento na cabeça gerou lesões cranianas e faciais graves. Parcialmente cego de um olho, o cão cresceu com o lado esquerdo do rosto atrofiado e, contrariando as expectativas, passou a viver bem.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Sua deficiência nunca afetou sua esperteza, tampouco sua hiperatividade. Antes de encontrar sua família ideal, ele até chegou a ser adotado, mas foi devolvido, como se fosse um objeto, por ser agitado demais.

Foto: Amanda Richter / SWNS.COM

Mas nada em Brodie estava em excesso aos olhos de Amanda e Brad. Para o casal, o cão é perfeito. E embora a história sofrida do cão, somada ao longo período vivendo numa baia de um abrigo e à covarde devolução, tenha chamado a atenção de muitas pessoas, que se propuseram a adotá-lo, a equipe do abrigo decidiu que não havia família melhor para ele do que a de Amanda e Brad. E, assim, o cão foi viver em seu novo lar.

“Eu olhava as fotos dele todos os dias e até chorei algumas vezes. Por algum motivo, nos sentimos atraídos por ele”, disse Amanda. “Ele é definitivamente hiperativo, mas é muito inteligente. Seu cérebro está perfeitamente bem e ele aprende truques em 10 minutos, geralmente o que me diz que ele é um garoto esperto. Ele só precisava de paciência e alguém para ser consistente. Ele melhora a cada semana”, completou.

Foto: Amanda Richter / SWNS.COM

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui