Devastação ambiental

Agropecuária é responsável por 71% das queimadas em imóveis rurais neste ano na Amazônia

Áreas convertidas em pasto para criação de bois explorados para consumo são incendiadas após serem desmatadas

(Foto: Daniel Beltrá/Greenpeace)
(Foto: Daniel Beltrá/Greenpeace)

Dados do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) revelaram que 71% das queimadas em propriedades rurais na Amazônia, no período de janeiro a junho de 2020, foram causadas pela agropecuária.

O fogo é usado para limpar o terreno recém-desmatado para que a área seja usada na criação de bois explorados para consumo ou no plantio de vegetais – em sua maioria esmagadora, grãos utilizados na alimentação desses animais, como a soja.

Um relatório sobre o levantamento foi elaborado com base na plataforma Modis, da Nasa. De acordo com os números, 24% foram incêndios florestais e 5% são desmatamentos recentes.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

As queimadas para manejo agropecuário são as mais comuns na Amazônia e são usadas para limpar o terreno desmatado. Há, no entanto, outros tipos. São eles: os incêndios florestais, que atingem a floresta em pé ou a vegetação nativa não-florestal e normalmente surgem a partir de outros tipos de queimada, como desmatamento e manejo agropecuário; e o desmatamento recente, que se caracteriza pela queima de árvores derrubadas após desmate.

Metade dos focos de calor identificados no primeiro semestre ocorreram em propriedades rurais de médio e grande porte, onde o manejo agropecuário predominou.

“Esses números demonstram como o fogo é ainda amplamente utilizado no manejo de pastos e áreas agrícolas, independentemente do tamanho do imóvel, do lote e do negócio, e a despeito da existência de técnicas mais modernas que o substituem”, diz o relatório.

O levantamento apontou ainda queimadas detectadas de 2016 a 2019, sendo 22% em áreas recém-desmatadas e 42% em locais convertidos para uso agropecuário. Outros 36% foram causadas por incêndios florestais.

“Em 2019, o fogo na Amazônia se distribuiu de forma relativamente equilibrada entre os três tipos mais comuns. As queimadas associadas ao manejo agropecuário e o fogo ligado ao desmatamento recente responderam por 36% e 34%, respectivamente, enquanto os incêndios florestais responderam por 30% dos registros”, explicou o Ipam.

A Amazônia, no entanto, não é o único bioma a sofrer as consequências do fogo. No Pantanal, 1.684 focos de incêndio foram identificados em julho – o que garantiu um recorde negativo durante o mandato do presidente Jair Bolsonaro (que já soma diversos recordes de devastação ambiental): o mês registrou o maior número de queimadas desde o início das medições do Inpe, em 1998.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui