Tráfico em alta

Indonésia abriga o maior número de aves ameaçadas da Ásia

Pixabay
Pixabay

Contrabandistas conseguiram enviar mais de 7 mil pássaros, incluindo canários selvagens, por avião de Sumatra para Java, na Indonésia, demonstrando a fraca fiscalização do país contra o crescente comércio e tráfico de pássaros.

As autoridades da indonésia afirmam que os pássaros foram transportados em vários voos entre 11 e 12 de junho de Medan em North Sumatra para Yogyakarta em Java. Autoridades da conservação nas cidades de destino foram notificadas sobre a tentativa de contrabando.

Contudo, aqueles que negaram a entrada da carga em Jakarta, facilitaram a entrada no aeroporto de Halim Perdanakusuma . Isso permitiu que o destinatário coletasse os animais e fugisse. Em Yogyakarta, oficiais conseguiram recuperar apenas algumas aves, porque o destinatário tinha coletado o restante. Ao todo foram 7.119 pássaros enviados a Medan.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Autoridades suspeitam que o remetente por trás do envio ilegal é licenciado criador de pássaro do norte da Sumatra identificado apenas por suas iniciais S.U. De acordo com o órgão de fiscalização do comércio de animais selvagens, “FLIGHT Protecting Birds’s Indonesia”, S.U. possui uma licença para criar aves em cativeiro pelas autoridades do norte de Sumatra, mas acredita-se que ele lida com aves capturadas na natureza.

O envio de pássaros tinha os certificados necessários da quarentena das autoridades do aeroporto de Medan Kualanamu, mas não continha a carta de transporte de plantas requeridas pela agência de conservação do norte da Sumatra (BBKSDA).

Marison Guciano, o diretor-executivo FLIGHT, disse que não é segredo entre os comerciantes de vida selvagem em Sumatra que os controles de exportação são frouxos em Kualanamu.

“Então, você tem pássaros sendo enviados para Medan de Pekanbaru [na província vizinha de Riau], enviados por Kualanamu e contrabandeados para Java “, ele disse. “Como isso é possível? Porque eles podem ver o quão fácil é enviar os pássaros através de Kualanamu”.

Marison declarou que é provável que alguns oficiais do aeroporto e da BBKSDA estão ajudando os contrabandistas, e os chamou para serem questionados. No dia 15 de junho, três dias após a bem sucedida tentativa de contrabando, as autoridades de conservação conseguiram invadir a instalação de carga em Kuala Namu, onde foram encontrados 2.300 aves. Acredita-se que os pássaros foram capturados da natureza com destino a Java.

Eles incluíam 1.700 Prinia familiaris e 600 chapim-real (Parus major) amontoadas em gaiolas; 516 das prinias foram encontradas mortas por causa das condições apertadas, com 300 dos chapins-reais.

A BKSDA (Agência de conservação do norte da Sumatra) declarou que liberou o restante dos pássaros em um parque natural no distrito de Deli Serdang, no norte de Sumatra.

O resgate dos animaus significa que contrabandistas traficaram ou tentaram traficar quase 10.000 aves no intervalo de apenas quatro dias. Entretanto, esse número é apenas a ponta do ‘iceberg’, de acordo com Marison. Uma investigação da F.L.I.G.H.T , na qual um grupo traçou o movimento dos traficantes, indicou que eles podem enviar 40.000 passarinhos por mês de Kualanamu para Java.

Marison disse que o grande volume torna quase certo que as aves sejam capturadas na natureza em vez de chocadas e criadas em cativeiro. “Se milhares de pássaros são enviadas em três ou quatro dias, é claro que eles não são de centros de reprodução, mas sim da natureza. Passarinhos precisam de tempo para reprodução”, disse ele.

Prévios estudos de comércio de aves expõem que próspero mercado nas cidades de Java e Sumatra. Um relatório de 2005 estimou que em média mais de 614.000 canários são presos por ano e vendidos entre as duas ilhas.

O principal destino é Java, onde ter pássaros como animais domésticos é um popular hobby. É um símbolo na cultura javanesa e representa paz.

Os pássaros canários também são valorizados pelo uso em concursos, que geraram prósperas redes de clubes, fóruns on-line e blogs. O presidente do país, Joko Widodo, é um ávido colecionador de pássaros canários, e participa de concursos de canto. Em 2018, ele até se ofereceu para comprar um pássaro premiado no valor de até 137.000 dólares.

O passatempo também se espalhou para além de Java devido ao programa de transmigração do governo que transferiu moradores da ilha densamente povoada para outras partes do país. Isso permitiu que a criação de aves, entre outros costumes javaneses, prosperasse nessas regiões.

De acordo com a F.L.I.G.H.T, existem pelo menos quatro grandes comerciantes de aves no norte de Sumatra, dois dos quais possuem licenças de reprodução em cativeiro. Marison disse que uma manobra comum era para comerciantes sem permissão pagar uma comissão para os fiscais. “Isso aconteceu com frequência e por muito tempo”, disse ele.

A captura de aves silvestres, seja uma espécie protegida ou não, é regulada através de um sistema de permissões e cotas do governo que deve considerar as recomendações do Instituto de Ciências da Indonésia (LIPI), grupo de especialistas de natureza investigativa estadual.

A Indonésia abriga o maior número de espécies de aves ameaçadas da Ásia, de acordo com o TRAFFIC, um grupo de monitoramento do comércio de animais selvagens. Os colecionadores tendem a preferir pássaros capturados na natureza, que acreditam serem melhores cantores do que os criados em cativeiro. O preço que eles estão dispostos a pagar oferece aos comerciantes um grande incentivo para estocar aves capturadas na natureza em vez de se dar ao trabalho de criá-las em cativeiro.

Marison pediu às autoridades de conservação que reforcem o monitoramento de criadores de aves e que sejam mais rigorosos quanto à aplicação da lei contra comerciantes notórios como os EUA. Qualquer pessoa condenada por capturar ilegalmente uma espécie protegida pode pegar até cinco anos de prisão e 100 milhões de rupias ( $7.900 de dólares) em multas. Aqueles que capturam ilegalmente aves não protegidas enfrentam apenas a perspectiva de devolução das aves e uma sanção administrativa simbólica (se administrarem uma instalação de criação).


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui