Impedir novas pandemias

Vietnã proíbe comércio e importação de animais silvestres

Pixabay
Pixabay

O Vietnã anunciou recentemente a proibição de todas as importações de animais selvagens, vivos ou mortos, e uma nova política de repressão e combate ao comércio de animais espécies silvestres em todo o país como parte dos esforços para mitigar os riscos de novas pandemias, como a Covid-19.

A nova norma foi emitida pelo primeiro-ministro do país, Nguyen Xuan Phuc, e abrange ainda a comercialização de produtos de origem animal como ovos, órgãos e partes do corpo, normalmente utilizadas em receitas da medicina tradicional asiática. Em caso de descumprimento, há severas punições.

O anúncio foi bem recebido por organizações que se dedicam a conservação de espécies selvagens e acusam o governo de não despender recursos para a proteção de animais em situação de ameaça ou extinção. O Vietnã é um dos maiores consumidores asiáticos de produtos da vida selvagem.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Estima-se que o comércio de animais selvagens renda bilhões de dólares anualmente. Entre os produtos de animais contrabandeados com mais freqüência estão as partes de tigre, chifre de rinoceronte e pangolins, usados ​​na medicina tradicional. Os animais também são comprados para serem mantidos em cativeiro.

Em fevereiro desse ano, uma coalizão formada por 14 organizações de conservação vietnamitas enviou uma carta ao governo alertando que novos vírus e pandemias continuarão a surgir se os seres humanos continuarem a explorar os animais e a destruir a natureza e que a Covid é só o começo.

Além da venda de animais selvagens em grandes mercados comuns em todo Ásia, há também o crescente comércio on-line através de sites e redes sociais, incluindo o Facebook e o YouTube. Outra preocupação é a continuação da exploração animal para a medicina tradicional, extremamente arraigada na cultura do país.

A chefe de biodiversidade das Nações Unidas, Elizabeth Maruma Mrema, pediu que os países proíbam os mercados de vida silvestre, vistos por muitos especialistas como fomentadores de doenças zoonóticas. O governo chinês introduziu uma proibição temporária nesses mercados, onde os animais são vendidos em condições degradantes e sem higiene.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui