Mistério

Morte em massa de mais de 350 elefantes é investigada em Botsuana

Centenas de elefantes foram encontrados mortos em Botsuana, na África Austral. As primeiras mortes foram registradas em maio, quando 169 morreram em um curto período no Delta do Okavango, um habitat de vida selvagem pantanoso. Nos meses subsequentes, mais mortes foram registradas e já somam mais de 350 elefantes encontrados sem vida. A causa ainda é desconhecida.

A maior parte dos cadáveres foi encontrada próximo de fontes de água. Devido aos bloqueios feitos no país para impedir a propagação da Covid-19, não foram realizados testes para identificar a presença de doenças ou substâncias tóxicas. Especialistas temem que os animais tenham sido envenenados com cianeto, mas autoridades não divulgaram se as alguma presa foi levada.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

O Dr. Niall McCann, diretor de conservação do National Park Rescue, aponta que a morte em massa dos animais é uma tragédia para a população da espécie e para os esforços conservacionistas. “Este é um declínio em massa em um nível que não é visto há muito, muito tempo. Fora da seca, não conheço uma morte tão significativa”, disse o especialista.

Ele acrescenta ainda que as mortes são misteriosas e ainda não há suspeitas do que possa tê-las causado. “Se você olhar para os cadáveres, algumas caíram direto de rosto, indicando que morreram muito rapidamente. Outros estão obviamente morrendo mais devagar, como os que estão vagando. Portanto, é muito difícil dizer o que é essa toxina”, afirma.

Embora a população geral de elefantes da África esteja diminuindo devido à caça, os números do Botsuana estão crescendo. O país abriga um terço dos elefantes do continente e aumentou uma população de 80.000 a 130.000 habitantes por causa de reservas bem administradas. Existem cerca de 15.000 elefantes  vivem no Delta do Okavango e estão em situação de risco.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui