Green New Deal

EUA aderem à coalizão de recuperação ecológica global da crise de Covid-19

Pixabay
Pixabay

Os EUA devem se unir a outras grandes potências, incluindo China, Índia e UE, na formulação de planos para uma recuperação ecológica global da crise do coronavírus, na única grande reunião internacional sobre emergência climática deste ano.

A ideia de uma recuperação ambiental para evitar uma retomada perigosa das emissões de gases de efeito estufa acima dos níveis anteriores ao Covid-19 vem ganhando força, mas poucos governos ainda se comprometeram com os planos.

Se não o fizerem nos próximos meses, a recuperação econômica da crise da Covid-19 corre o risco de estabelecer altas emissões de carbono que levariam à catástrofe climática.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Na próxima semana, a Agência Internacional de Energia (AIE) sediará uma reunião on-line para as maiores economias do mundo e países em desenvolvimento, cobrindo 80% das emissões globais. Seu objetivo é estabelecer planos para impulsionar o uso de energias renováveis, a eficácia energética e outros projetos de redução de emissões que gerariam dezenas de milhões de empregos ecológicos “prontos para escavar” em todo o mundo e substituir os que foram perdidos na pandemia.

Dan Brouillette, secretário de Estado da Energia dos EUA, comparecerá, juntamente com o ministro da Energia da China, Zhang Jianhua, o vice-presidente da comissão da UE, Frans Timmermans, e o secretário de negócios do Reino Unido, Alok Sharma, que é também presidente da Cop26, conferência do clima da ONU, agora adiada para o próximo ano.

A chave para o sucesso será que os governos possam assinar planos de recuperação ecológica, mesmo que — como os EUA — sejam céticos em relação à crise climática. Fatih Birol, diretor-executivo da AIE, disse: “Mesmo que os governos não tomem as mudanças climáticas como uma prioridade-chave, eles ainda devem implementar nosso plano de recuperação sustentável apenas para criar empregos e proporcionar crescimento econômico. A renovação de edifícios, por exemplo, é uma máquina de trabalho.”

Birol teme uma “reprise” da recuperação após a crise financeira de 2008, quando as emissões caíram acentuadamente na recessão, mas rapidamente retornaram a níveis muito mais altos do que antes, à medida que os governos investiam em usinas a carvão, construíam edifícios ineficientes e lançavam esquemas de construção de estrada.

“Para interromper tal ressalto, precisamos colocar as emissões em declínio estrutural”, disse ele. “Isso pode ser feito renovando os edifícios para usar menos energia, construindo parques eólicos e usinas solares — que agora produzem energia a um custo mais baixo do que os combustíveis fósseis —, construindo redes de banda larga e outras telecomunicações, e infraestrutura para veículos elétricos, que reduzem tanto a poluição do ar quanto o dióxido de carbono.”

Pesquisas já descobriram que buscar uma recuperação sustentável criaria mais empregos e um maior retorno sobre o investimento, tanto a curto quanto a longo prazo, do que o retorno aos negócios como de costume.

A reunião da AIE em 9 de julho será a única grande reunião de governos a discutir a crise climática este ano, porque a cúpula da ONU Cop26 foi adiada para o próximo ano devido à pandemia. A participação dos EUA é crucial, porque a Casa Branca está se retirando do acordo de Paris, com efetivação a partir de 4 de novembro, no dia seguinte às eleições presidenciais.

Birol alertou que, a menos que os governos iniciem planos de recuperação ecológica nos próximos meses, a oportunidade criada pelos ‘lockdowns’ — que resultaram em uma queda de 17% nas emissões em abril — será perdida. As emissões já estão se recuperando mais rapidamente do que os especialistas esperavam.

Se os governos investirem em infraestrutura de alto carbono para reiniciar suas economias, como muitos já estão fazendo, o mundo estará no caminho de mais de 3° C de aquecimento global, o que seria catastrófico.

“O tipo de escolhas de energia que fizermos agora determinará as próximas décadas”, disse Birol ao Guardian em entrevista. “Isso será crucial para energia e mudanças climáticas. Se obtivermos uma recuperação como 2008, as chances de atingirmos nossas metas climáticas serão muito menores, se existirem.”

A AIE planeja convidar grupos da sociedade civil de todo o mundo para a reunião de julho, bem como os principais executivos de mais de 70 empresas globais de energia, visando ganhar amplo apoio para a recuperação ecológica.

Birol disse que a reunião da AIE forneceria uma “ponte” vital entre o choque do Covid-19 e as negociações climáticas da ONU no próximo ano. Brasil, África do Sul, Indonésia e outros grandes emissores também participarão.

Não havia tempo a perder, disse ele, já que aqueles com interesses pessoais contra uma recuperação sustentável já estavam trabalhando nos bastidores. “Tenho certeza de que há pessoas que não gostariam de ver isso [recuperação ecológica], que querem um plano de recuperação insustentável”.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui