Desmatamento

Dados sugerem perda alarmante de florestas europeias para indústria madeireira

O aumento da agricultura pode afetar a possibilidade de combater a crise climática devido à redução da capacidade de absorção de carbono.

Pixabay
Pixabay

Os dados sugerem que a Europa perdeu uma área de floresta muito extensa devido à indústria madeireira nos últimos anos, reduzindo a capacidade de absorção de carbono do continente e possivelmente indicando problemas mais amplos com as tentativas da UE de combater a crise climática.

Muitas das florestas da UE — que representam cerca de 38% da sua superfície terrestre — são manejadas para a produção de madeira e, portanto, são colhidas regularmente. Mas a perda de biomassa aumentou 69% no período de 2016 a 2018, em comparação com o período de 2011 a 2015, segundo dados de satélite. A área de floresta colhida aumentou 49% na mesma comparação, publicada na revista Nature Research.

Isso indica que muito mais colheitas ocorreram em um curto período, mesmo considerando os ciclos naturais e o impacto de eventos como incêndios florestais e neve fortes. Pode-se esperar que a área colhida varie menos de cerca de 10% devido a ciclos de cultivo, plantio e efeitos similares, segundo Guido Ceccherini, do Centro Comum de Pesquisa da UE, principal autor do estudo.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Portanto, é provável que outros fatores estejam em jogo, e isso pode incluir aumento da demanda por madeira para combustível, e para mercados maiores, servindo como lenha e outros produtos derivados da madeira. Os dados de satélite podem, portanto, ser um indicador precoce de demandas insustentáveis ​​sobrepostas as florestas da UE.

A perda de biomassa florestal é mais acentuada na Suécia, responsável por 29% do aumento da colheita, e na Finlândia, por cerca de 22%. Os países menos afetados foram Polônia, Espanha, Letônia, Portugal e Estônia, que juntos representaram cerca de 30% do aumento nos 26 países estudados.

Ceccherini disse ao The Guardian que é improvável que o aumento observado na colheita e a perda de biomassa resultem em um declínio na área florestada geral da União Europeia, pois a maioria das florestas colhidas seriam regeneradas. Mas isso prejudicaria a capacidade de absorção de carbono das florestas em curto prazo, disse ele.

“As florestas continuam a ser um sumidouro de carbono, porém, menos do que antes”, disse Ceccherini. “Mesmo que parte do carbono da biomassa colhida seja usada em produtos de madeira de longa duração, possivelmente substituindo materiais com maior consumo de energia, como aço ou cimento, a maioria retornará à atmosfera como CO₂ em um curto período, de meses a alguns anos. Até que o estoque de carbono nas áreas colhidas retorne aos níveis anteriores, o que leva várias décadas, dependendo do tipo de floresta, um aumento na colheita é, portanto, equivalente a um aumento nas emissões de dióxido de carbono para a atmosfera.”

As florestas compensam cerca de 10% das emissões de gases de efeito estufa da UE. Como é provável que as áreas colhidas sejam replantadas, o novo crescimento continuará absorvendo dióxido de carbono da atmosfera, de modo que o balanço de carbono da Europa poderá não ser muito afetado a longo prazo.

No entanto, os pesquisadores disseram que era importante descobrir por que a colheita aumentou tão repentinamente, caso isso indique problemas subjacentes mais amplos na maneira como as florestas da Europa estão sendo gerenciadas. Este estudo não pode estabelecer definitivamente as causas dos aumentos na colheita, por isso são necessárias mais pesquisas.

O aumento da demanda por madeira e produtos derivados dela, como celulose e papel, e mais queima de biomassa por combustível podem estar por trás do rápido aumento da colheita observado nos países nórdicos. Nesse caso, de acordo com os pesquisadores, é importante saber para que quaisquer impactos adversos possam ser contidos rapidamente.

O professor Thomas Crowther, fundador do Crowther Lab, que não participou da pesquisa, disse: “É preocupante ver que a crescente demanda por produtos florestais pode estar reduzindo o carbono armazenado na biomassa viva das florestas europeias. É possivelmente mais preocupante que a remoção de florestas também possa ameaçar o armazenamento de carbono abaixo do solo. Essas florestas de alta latitude suportam alguns dos maiores estoques de carbono do solo do mundo. Se o desmatamento ameaçar a integridade dos estoques de carbono no solo de alta latitude, os impactos climáticos poderão ser mais fortes do que o esperado previamente.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui