Exploração animal

Cachorros são explorados para farejar odor do coronavírus na Argentina

Forçar cachorros a participar de experimentos apenas para beneficiar humanos, sem levar em consideração os direitos animais, é uma prática antiética

Reprodução/Pixabay
Reprodução/Pixabay

Pesquisadores da Universidade de Buenos Aires (UBA), na Argentina, estão explorando cachorros para farejar o odor do coronavírus em pacientes. Tratados como objetos a serviço dos humanos, os cães são submetidos a treinamentos antinaturais que visam não só forçá-los a identificar a doença em pacientes sintomáticos, mas também nos assintomáticos. A prática beneficia apenas as pessoas, sem levar em consideração os direitos animais.

A universidade iniciou o projeto após se inspirar na Escola de Medicina Veterinária Alfort (Paris), que também explora cães para o mesmo fim.

Apesar de alegarem que os cães não serão expostos ao vírus, os pesquisadores irão explorá-los ao forçá-los a aprender ações antinaturais, durante treinamento realizado por seis a oito semanas, sem que eles tenham capacidade de consentimento. No momento, o projeto está em fase de seleção dos cachorros. As informações são do LPG.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

No treinamento, os animais terão que aprender a reconhecer um cheiro, tendo acesso ao brinquedo favorito ou à comida quando acertarem. Durante os testes, eles serão expostos a uma gaze com amostras de suor de pacientes infectados e de pessoas saudáveis. Outros países utilizaram urina, mas a universidade argentina optou pelo suor por ele não ter carga viral.

O projeto será monitorado pela Presidência de Bem-Estar Animal, que irá analisar o comportamento dos cachorros.

Além da exploração inerente às atividades desenvolvidas pela universidade no que se refere à detecção de coronavírus por cachorros, existe ainda a possibilidade dos cães, que são de raça, terem advindo de criadores que os reproduzem para venda ou até mesmo para estudos científicos, o que também é antiético. Os animais explorados pelo projeto são das raças pastor alemão e pastor belga Malinois.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui