Tratamento

Arara atropelada por ônibus é submetida à reabilitação para voltar a voar

Graças aos cuidados que recebeu, o animal silvestre já consegue bater as asas e dar pequenos saltos

Foto: Clínica Pet Stop Unaí / Arquivo Pessoal
Foto: Clínica Pet Stop Unaí / Arquivo Pessoal

Atropelada por um ônibus, uma arara-canindé está sendo submetida à reabilitação para se recuperar de uma lesão na asa e voltar a voar. O animal silvestre foi resgatado em Unaí (MG).

Apesar de não ter sofrido nenhuma fratura, a arara tinha um ferimento na asa direita. Tratada pelos veterinários Juliana Mori e Fernando Costa Rodrigues, ela recebeu medicamentos e foi mantida em repouso.

“A parte da reabilitação de voo, no caso específico dessa ave, consiste em realizar sessões de exercícios diariamente, para fortalecer a musculatura. Ela ficou muitos dias em repouso para recuperar a funcionalidade da asa contundida. Agora, ela precisa adquirir resistência para percorrer vôos de longas distâncias”, explicou a veterinária, em entrevista ao G1.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Graças aos cuidados que recebeu, o animal já consegue bater as asas e dar pequenos saltos, mas ainda não está apta a retornar à natureza. Segundo Juliana, a arara é reabilitada dentro de um ambiente fechado para evitar fugas.

Juliana explicou ainda a importância da plumagem da ave. “As penas íntegras são importantes para que ela consiga voar fazendo menos esforço físico. Quando muitas penas estão danificadas podem comprometer a capacidade de voo”, disse.

Foto: Clínica Pet Stop Unaí / Arquivo Pessoal

A veterinária explicou ainda que a arara se reabilita mais facilmente por estar na fase adulta. “O processo de reabilitação de um filhote é mais demorado, se levarmos em conta que eles ficam muito mansos com os seres humanos. Para que uma ave fique pronta para soltura, ela deve estar saudável, em plena forma física (boa massa muscular), com penas íntegras, sem vícios de cativeiro, saber buscar seu próprio alimento e deve ter medo do maior predador, que é o homem”, afirmou.

Na região de Unaí não há um Centro de Triagem de Animais Silvestres que possa receber a arara. Como o mais próximo está a quase 300 km de distância, o animal silvestre permanecerá na clínica até a soltura.

“A nossa clínica faz um trabalho voluntário de apoio ao batalhão de Polícia Militar do Meio Ambiente e Instituto Estadual de Florestas de Unaí. Não temos infraestrutura adequada, mas temos profissionais com boa vontade para ajudar”, concluiu Juliana.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui