Compaixão

Indiano se dedica ao resgate e à reabilitação de animais selvagens

Enquanto o "lockdown", que foi gradualmente levantado apenas alguns dias atrás, prendeu os cidadãos com sua parcela de inconvenientes, seus efeitos preocupantes não pouparam o reino animal.

Pixabay

Quando Bangalore fechou em razão da pandemia, várias criaturas infelizes feridas ou presas em zonas de contenção – incluindo milhafre-preto, macacos radiatas, tartarugas, cobras najas, cobras ratos e pavões – tiveram que ser resgatadas, e Prasanna Kumar A. era sua melhor esperança!

Prasanna, diretor honorário da vida selvagem do distrito Urbano Bangalore, a equipe de resgate da fauna silvestre do BBMP e sua equipe composta pelos motoristas Nayaz e Manjunath, e um voluntário mais próximo do local da chamada, resgataram muitos animais de áreas isoladas da cidade. Essas circunstâncias infligidas pelo coronavírus foram apenas uma rotina para Prasanna. Juntando-se à equipe de resgate da fauna silvestre do BBMP em
2009, ele se comprometeu ao longo de uma década de sua vida como salvador de pássaros, mamíferos, répteis e até insetos.

Vindo de uma família pobre de um fazendeiro em Nelmangala, em que já foi caçador-coletor, Prasanna emergiu na vanguarda do resgate da vida selvagem para proteger as variadas espécies urbanas da cidade de Bangalore. Seu encontro com animais começou muito jovem, quando ele observava veterinários em um hospital de animais, atendendo e
cuidando da vida selvagem. Quando ele tinha 14 anos, estava limpando gaiolas e mantendo as instalações do hospital. Em 2008, ele se juntou oficialmente como criador de animais e, por três anos, aprendeu tudo sobre várias aves e animais nativos.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“Foram 6 anos de observação no hospital veterinário onde aprendi tudo e meu grande interesse me levou a resgatar animais selvagens. Meu primeiro caso foi em 2008, quando salvei uma víbora de Russel. Desde então, resgato cobras, tartarugas, civetas, pássaros, ursos dançarinos e leopardos, entre outros”, diz Prasanna. Todos os dias, Prasanna, apoiado por um voluntário, resgata cinco a seis animais, incluindo duas a três cobras, dois
pássaros e um mamífero. E com o “lockdown” não foi diferente.

Desde 24 de março, 200 animais selvagens foram resgatados na cidade. O trabalho da equipe os levou muito além das 198 enfermarias do BBMP, para Kaggalipura, Tavarekere e Devanahalli. Os pássaros presos em eucaliptos, flamboiã e árvores da chuva são bastante comuns, e, se as pessoas informarem o BBMP, eles serão resgatados, tratados e liberados. Depois de documentar esses incidentes por um ano, os voluntários perceberam
que os pássaros ficavam presos nas árvores principalmente por causa da manja chinesa (fio abrasivo usado para empinar pipas). Finalmente, os conservacionistas enviaram um memorando ao governo do estado por proibir o uso de manja, o que resultou em uma grande redução de mortes de aves na cidade.

Em 2017, Prasanna foi nomeado diretor honorário da vida selvagem de Bangalore Rural e, após dois anos, tornou-se diretor do Distrito de Bangalore. O reconhecimento e os louros apareceram em seu caminho, mas Prasanna diz que foi o reconhecimento do serviço prestado pelos cidadãos e a conscientização deles sobre salvar a vida selvagem que abriram o caminho para a conservação da vida selvagem da cidade.

Atualmente, há mais envolvimento do público, com cada segunda ala tendo cerca de um a dois voluntários, que podem facilmente chegar a qualquer local de resgate em uma hora. A equipe do BBMP, com 150 voluntários, ganhou o Prêmio Nacional Sparrow em 2015 (no nível da Corporação) por seu trabalho louvável. Apesar do cultivo de sorgo, amendoim, girassol e legumes em uma fazenda de 4,5 acres em Kengeri, Prasanna dedicou grande parte de seu tempo à sua paixão pelo resgate da vida selvagem em diferentes partes da cidade, bem como nas áreas rurais. “‘Resgate, tratamento e reabilitação’ tem sido meu lema desde que comecei”, diz ele.

Emoções e riscos de resgate

Houve algumas experiências extraordinárias na vida de Prasanna. Uma vez ele foi chamado para resgatar dois gatos da selva em uma fazenda na Mysuru Road, à meia-noite. Sem nenhum equipamento, ele teve De resgatá-los de um poço de 15 pés de profundidade. Após o resgate, quando estavam sendo libertados, um deles atacou Prasanna. No entanto, foi contido.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui