Sobrevivência

Santuário de cavalos pede ajuda para não fechar em Pindamonhangaba (SP)

Atualmente, o santuário acolhe 15 cavalos, dois burros e três vacas, além de outros animais que são resgatados de uma vida de escravidão e maus-tratos

Foto: Arquivo Pessoal/ Rosângela Coelho
Santuário de cavalos pede ajuda para não fechar na região do Vale do Paraíba- SP
Foto: Rosângela Coelho/Facebook

O Santuário Filhos de Shanti, também conhecido como “Santuário de cavalos”, situado em Pindamonhangaba, criou uma campanha online para conseguir arrecadar fundos e continuar o trabalho de resgate de animais vítimas de crueldade e exploração na região do Vale do Paraíba (SP).

Segundo a ativista em defesa dos direitos animais Rosângela Coelho, 42 anos, o grupo pretende arrecadar mais de R$ 500 mil reais para comprar um novo terreno, onde os animais possam ficar. “Hoje, o santuário está em uma área alugada por dois mil reais, mas necessitamos ter o nosso próprio sítio para que possamos ter uma estrutura melhor para acolher os animais”, disse em entrevista à ANDA.

O contrato de aluguel da ONG com o proprietário do terreno, no qual atualmente a instituição realiza os trabalhos de acolhimento dos animais, termina em dezembro deste ano e não será renovado. Assim, se até dezembro os organizadores do santuário não conseguirem um novo local, os animais ficarão desabrigados a partir de 2021.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“Vou pedir para o proprietário um prazo maior, para que a gente tenha mais tempo para encontrar um novo terreno em definitivo, para não precisar ir atrás de outro aluguel”, declarou Rosângela.

O projeto nasceu em 2015, após o resgate de uma égua que foi batizada como o nome de Shanti. Explorada por um carroceiro, ela foi encontrada subnutrida, grávida, com as patas feridas e muito debilitada.  “No resgate, seu olhar de pavor invadiu meu coração e naquele instante eu prometi a ela que sua filha nasceria livre e que jamais seria abandonada”, relembrou a ativista abolicionista.

Foto: Arquivo Pessoal/ Rosângela Coelho

Hoje, a instituição atende mais de 60 animais, sendo 15 cavalos, dois burros, três vacas, além de cães, gatos, cabras, ovelhas e galinhas, que são resgatados das ruas, mas, segundo a organizadora, com a vinda da pandemia a situação financeira do santuário piorou muito, agravando o risco de os animais ficarem sem lar.

“A maior dificuldade é a financeira, os tratamentos são caros e devido a pandemia estamos sem fazer os eventos; como bingos, bazares, almoços, além de ter caído a arrecadação dos colaboradores”, ressaltou Rosângela.

Lutando pela vida

Um dos exemplos de solidariedade dos colaboradores da instituição é a vaca Mahara, que foi resgatada pelo santuário após ter sido atropelada. Sofrendo uma grave fratura nas patas. Mahara teve que passar por uma cirurgia, conseguindo se recuperar bem, mas precisou ter uma das patas amputadas.

“Precisamos urgentemente de uma empresa que queira desenvolver uma prótese para ela”, afirmou a protetora.

Para Rosângela, a solidariedade das pessoas é fundamental para a recuperação do animal nesse momento. “Em um mundo onde os animais são tratados com tamanha indiferença e crueldade, vistos como coisas ou produtos, Mahara é a manifestação da superação e da autonomia”, reiterou a cuidadora.

Veja em vídeo abaixo como está a recuperação da pequena vaquinha Mahara:

A ativista acrescenta ainda que o momento mais difícil foi quando ela teve que tirar o leite da vaca recém chegada ao sítio. “Nessa experiência veio tudo aquilo que nos mais combatemos que é a exploração dos animais, e ali eu estava fazendo aquele gesto que tantas pessoas fazem ‘roubando’ e tirando o leite que é do bezerro”, salientou.

Rosângela ressalta também que sente gratidão em poder cuidar dos animais e que esse trabalho não é somente individual da parte dela, mas sim, um trabalho em conjunto com todos os colaboradores do santuário.

Foto: Facebook/ Santuário Filhos de Shanti

Faça sua parte

Quem puder ajudar a instituição podem doar a partir de R$ 25 pela vaquinha online clicando aqui. Também é possível fazer doações direto na conta: agencia 1817, operação 013, conta poupança 18850-2, CPF: 31801126895 em nome de Rosângela A Coelho – Caixa econômica Federal.


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.


 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui